.:: Dangerous MJ ::.
Bem vindos a Dangerous MJ. Para visualização de alguns tópicos é necessário estar cadastrado. Não leva nem um minuto! Cadastre-se!

@@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Página 1 de 3 1, 2, 3  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

@@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Seg 16 Jul 2012 - 14:40


Em, um dia frio, no outono de meu quinto ano, sentei-me na sala de estar da minha família para brincar com a minha limusine de brinquedo. Eu estava obcecado com aquela limusine, da forma que as crianças tendem a ser com seus brinquedos preferidos, e quando meu pai me disse que eu iria ao trabalho com ele naquele dia, a fim de encontrar um amigo seu, minha primeira preocupação foi que eu pudesse levar comigo o carrinho, o qual segurava firmemente em minhas mãos.
Eu nunca tinha ouvido falar de Michael Jackson, então quando meu pai me disse o nome da pessoa que estávamos prestes a encontrar, eu não me importei. Eu estava feliz de sair de casa e orgulhoso de acompanhar meu pai em seu trabalho. Mantinha comigo a minha limusine.Claro que eu não tinha idéia na época o quão importante esse encontro iria revelar-se a ponto de ser um marco em minha vida.
Ainda assim,por algum motivo eu me lembro claramente o dia,até o que eu estava usando:calça azul escuro,uma blusa azul,uma gravata borboleta e um calçado com pequenas aberturas frontais.Não sei exatamente se era um vestuário típico para um garoto de 4 anos de idade,pelo menos nos últimos 100 anos.Eu estava sempre vestido impecavelmente,meu pai era da Itália,a capital da moda do mundo.Eu tinha cabelo curto e reto.Um garoto elegante e amante das limusines.
Na época meu pai estava trabalhando no Helmsley Palace, em Manhattan. O palace era um hotel cinco estrelas com uma clientela de elite exclusiva. Meu pai era o gerente geral das torres e suítes de luxo, os quartos Vips do hotel. Para mim, o hotel sempre foi um lugar mágico. Talvez tenha sido a energia vibrante das pessoas que estavam de passagem, cada um com um propósito único e grandioso. Naquela época eu não poderia começar a entender tudo o que estava acontecendo, mais eu podia sentir a pulsação excitante no ar.
Até hoje, ainda me lembro do cheiro do lobby e a onda de excitação que me trouxe. Eu amo hotéis.
Meu pai e eu fomos até um elevador e caminhamos em direção a um quarto de hóspedes, em frente do qual fomos recebidos por um cara que mais tarde conheci como Billy Bray foi uma figura paterna de sorte para Michael. Ele tinha trabalhado para ele desde os tempos da Motown e iria ficar com ele como um conselheiro de confiança por muitos anos.Bill era afro-americano e usava barba e naquele dia usava um chapéu fedora.
Nos primeiros anos,eu veria muitas vezes Michael andando atrás dele,imitando o seu andar descontraído.Bill cumprimentou calorosamente meu pai.Pareceu-me que ele e meu pai já eram amigos.Bill levou-nos para o quarto do hotel.Estava vazio,como se ninguém estivesse hospedado lã.Na verdade,dado o que eu sei agora,sobre os hábitos de Michael,é claro que o quarto não era,de fato o que ele estava usando:ele tinha chegado a esse quarto especialmente para essa reunião porque não nos conhecia bem o suficiente para nos convidar para sua suíte.Embora muitas vezes Michael estendesse a mão para os outros,ele criou um espaço de proteção entre ele e as pessoas que ele conhecia.
Michael levantou de uma cadeira para nos cumprimentar. Ele não parecia excepcional para mim. Aos 4 anos,as únicas distinções que eu realmente traçava entre as pessoas era se eles fossem adultos,adolescentes ou crianças como eu.Hey,Jocker,disse Bill”.”temos Dominic e seu filho aqui para ver você.Mais tarde eu entenderia que Billy chamava Michael de jocker pela razão óbvia de que Michael estava sempre pregando peças nas pessoas.
Michael me deu um grande sorriso, tirou os óculos escuros e apertou a minha mão. Ele era aos 27 anos de idade, um artista de renome mundial e seu mais recente álbum, Thriller, era o álbum mais vendido de todos os tempos um recorde que ainda se mantêm, conforme registros.
Uma vez que havíamos sido apresentados Bill Bray saiu e meu pai, Michael e eu ficamos na sala vazia,apenas conversando.”Você tem um pai maravilhoso”.Michael me disse.Ele repetiria isso muitas vezes nos próximos anos, e eu sei que foi por causa da impressão especial que meu pai havia causado nele que ele queria conhecer o resto de sua família,As pessoas sempre ficam confortáveis em torno do meu pai,Ele irradia honestidade e sinceridade do seu interior.
Em seguida eu e Michael começamos a falar sobre desenhos animados. Eu lhe disse que amava Popeye, e eu tive a honra duvidosa de apresentá-lo ao Garbage Pail Kids meu irmão e eu colecionávamos esses cartões. Michael sabia como falar com crianças , ele estava genuinamente interessado em meu pequeno mundo, e eu devo ter gostado dele, porque me lembro dirigindo minha limusine de brinquedo sobre a sua cabeça e ombros, e para baixo dos seus braços.
Ele pegou o carro de mim e o fez voar sobre minha cabeça como um avião, fazendo sons de avião.
"O que você quer ser quando crescer?" Michael perguntou. "Eu quero ser
como Donald Trump" eu disse, "mas com mais dinheiro." Meu pai riu. "Dá pra acreditar?" Disse. "Donald Trump não tem muito dinheiro" disse Michael. Então, meu pai pediu para tirar uma foto de mim e Michael. Eu subi em seu colo e passei meus braços em torno de seu queixo. Sorri, e nós tiramos uma foto.

Então essa foi a primeira vez que encontrei Michael. Anos mais tarde, ele iria mostrar esta fotografia para as pessoas, dizendo: "Você pode acreditar que é Frank?" A informalidade descontraída da imagem - nossos sorrisos, uma mecha escura de cabelo escapando no meio da testa de Michael - é a ocasião que me vem em retrospecto. Passamos cerca de uma hora com Michael naquele dia, e quando o deixamos ele nos disse que iria chamar-nos na próxima vez que ele estivesse em Nova York, e que ele gostaria de nos ver novamente.
Viajando de carro de volta para New Jersey, meu pai olhou para mim no banco de trás e disse: "Você não tem idéia de quem você acabou de conhecer."
Aquele primeiro encontro entre Michael e eu ocorreu por causa do valor que Michael dava ao meu pai: quando ele ficou no Palace Hotel, meu pai sempre cuidou dele. Era o trabalho do meu pai no Palace e ele era bom nisso. Ele garantiu que quando Michael viesse, sua suíte preferida estaria disponível para ele. Se Michael quisesse uma pista de dança em seu quarto, meu pai a faria. Quando Gregory Peck estava hospedado no hotel e Michael queria conhecê-lo, meu pai fez isso acontecer. Ele supervisionou a segurança para idas e vindas de Michael desde o hotel. Ele era atento aos pedidos menores, como alimentos especiais. Ele saía do habitual para certificar-se de que
Michael tinha tudo o que ele precisava ou queria.

Michael sabia dessas coisas, eventualmente, ele disse a Bill Bray que queria conhecer Dominic. Bill Bray arranjou para que eles passassem algum tempo juntos. Passando a se conhecerem melhor, meu pai achou Michael como sendo extremamente caloroso, gracioso e humilde. Ao mesmo tempo, eu tenho certeza que meu pai fez Michael se sentir em casa, de uma maneira que demonstrava que ela não foi desenhada para Michael por causa de seu status de celebridade. Ele não estava chocado.
As pessoas sempre foram atraídas pelo meu pai por causa de sua sinceridade. Sua maneira toda reflete o fato de que ele vê as pessoas como pessoas. Ele escuta sem julgamento e ajuda sem querer nada para si mesmo. Esse tipo de tratamento era raro no mundo de Michael, e ele começou a olhar para o meu pai como um amigo. Ele não pedia pela lista convencional de amenidades que as celebridades hospedadas solicitavam.
Ele queria falar com meu pai. Para conhecê-lo como pessoa.Meu pai não procurava tal intimidade com o VIPs que se hospedavam no hotel.
Foi Michael que iniciou a amizade, e certamente meu pai estava lisonjeado, embora não tão indevidamente. A amizade cresceu e floresceu em algo que viria a ser uma vida de camaradagem, lealdade e confiança.







Última edição por Cleide Jackson em Qua 18 Jul 2012 - 15:25, editado 1 vez(es)

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Invincible em Seg 16 Jul 2012 - 14:53

eu estou a acompanhar a tradução do livro no cartasparamichael...está no capítulo 56...está muito bom...

Invincible

Mensagens : 424
Reputação : 71
Data de inscrição : 02/12/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

My Friend Michael 2.

Mensagem por Convidad em Seg 16 Jul 2012 - 15:14

http://1.bp.blogspot.com/-Yb4LGDef8WE/Tx1bM6UqnsI/AAAAAAAAOiU/BAkWs4cvcBA/s400/michael+jackson+%252837%2529oo.jpg
'Eu gostava de qualquer nova pessoa que demonstrasse interesse nos meus
interesses. Eu não tenho preconceitos, e eu não faço julgamentos.
Michael era amigo de meu pai e meu conselheiro durante décadas, mas quando ele se dirigia a mim, não era como um adulto fala a uma criança.
Era como um amigo fala a um amigo.
Nós brincávamos, e por um bom tempo este fundamento infantil era uma base suficiente para a nossa amizade. Duas ou três semanas depois do nosso primeiro encontro, meu pai trouxe-nos, a mim, meu irmão mais novo (Eddie) e minha mãe grávida de volta para o hotel para ver Michael novamente.
Essas foram as duas únicas vezes que eu o tinha encontrado antes da noite em nossa casa, em Hawthorne, New Jersey, quando a campainha tocou muito tempo depois de eu ter ido dormir. Hawthorne era uma cidade modesta, e nossa casa era pequena. Meu irmão e eu dividíamos o quarto com camas individuais separadas por uma cômoda pequena.
Lembro-me de estar deitado na cama imaginando quem poderia estar tocando
a campainha da porta no meio da noite. Ouvi a porta lateral aberta, e momentos mais tarde, meus pais vieram para a porta do nosso quarto para nos acordar. Eles estavam com dois homens. Um deles era Bill Bray, e o outro era Michael Jackson.
Um visitante noturno era um evento raro e emocionante. Meu irmão e eu saltamos da cama para cumprimentá-lo, e eu estava empolgado para alcançar a nossa impressionante coleção de bonecos Cabbage Patch e os cartões Garbage Pail Kids para mostrá-los a Michael.
Então meus pais disseram-nos para lhe mostrar como nós estávamos aprendendo a tocar piano. Eu não estava especialmente ansioso para tocar, mas eu arrisquei o tema de Star Wars e Für Elise. Meu irmão, Eddie, embora ele tivesse apenas três anos, já era um músico mais completo do que eu, tocou o tema de Chariots of Fire. Michael ficou encantado com o nosso desempenho.
Provavelmente é um exagero dizer que nessa idade eu já reconhecia algo diferente sobre Michael, algo que o distinguisse dos outros adultos que eu conhecia, mas da próxima vez que ele veio, eu lhe dei o que eu considerava ser um grande presente, um dos meus bens mais valiosos: a minha coleção de cartões Garbage Pail Kids. No começo, ele se recusou a aceitá-los, dizendo: "Não, eu não posso levar os seus cartões!"
Mas eu vi como ele estava encantado com a coleção e insisti: "Não, não.
Eu quero que você fique com eles.¨Esse foi o primeiro presente que dei para Michael, e ele guardou para o resto de sua vida (em sua confusão de um armário em Neverland).
A partir de então, as visitas de Michael tornaram-se uma ocorrência freqüente. Na época, ele estava em turnê com o Jackson Five para o álbum Victory,por isso ele estava muito em Nova York, e em cada uma das suas visitas,ele fazia questão de nos ver. Por que Michael fazia isso? Por que o homem mais ocupado no mundo do entretenimento encontrava tempo para nossa família aparentemente banal?
Eu acho que representava algo que ele, por toda sua fama, não tinha, e talvez de uma forma desejava que ele fez. Ser um grande amigo da minha família significava que ele poderia escapar à calmaria do subúrbio de Nova Jersey, e pelo menos por um tempo, viver uma vida normal com uma família comum. Como estar em torno das crianças e estar interessado em brinquedos e desenhos animados, não era uma coisa sexual para Michael.
Quando ele estava com as crianças, ele poderia ser ele mesmo. Ele tinha sido o centro das atenções toda a sua vida, e as pessoas olhavam para ele de forma diferente por causa disso. Mas as crianças não se importavam com quem ele era. Eu certamente não.
Nessa tour, os Jacksons fizeram três shows no Giants Stadium, e meus pais levaram a mim e a Eddie a todos eles. No início do primeiro show, quando Michael começou a cantar, eu olhei para meu pai e perguntei: "Este é o mesmo Michael Jackson, que vem à nossa casa?" Foi a primeira vez que eu realmente compreendi que poderia haver algo
verdadeiramente singular a respeito desse bom homem que compartilhou o meu amor pelos cartões Cabbage Patch Kids e os brinquedos em geral. No palco, ele se transformava. Não parecia ser o nosso amigo Michael. Era o superstar Michael.
Aquelas eram noites de horário tardio para um menino tão jovem, e meus pais, principalmente minha mãe, se importavam com isso. Mas ganhar ingressos para um concerto de Michael Jackson não acontece todos os dias, e meus pais queriam dar a mim e a Eddie tantas experiências memoráveis quanto fosse possível. Talvez Michael foi o maior astro do mundo e talvez eles se sentissem especiais por estar na intimidade com ele, mas esse tipo de pensamento não dirigia as suas decisões como pais.
Eles não ficaram deslumbrados com Michael. Sim, foi uma experiência legal de conhecê-lo e passar tempo com ele, e era importante. Mas, principalmente, iam aos concertos, e todas as outras vezes que viriam a compartilhar com Michael, era simplesmente o tipo de coisas meus pais faziam com alguém que amavam. O que meu pai achava de especial sobre Michael não era sua fama ou estrelato. Era o seu sorriso, sua sinceridade, sua humanidade. Ele foi tocado pelo fato de que Michael, um
megastar no mundo do entretenimento, havia formado uma verdadeira amizade com toda a nossa família.
Minha mãe é uma pessoa de leal apoio, e como ela chegou a conhecer Michael, tinha uma postura maternal e protetora em relação a ele, a maneira como ela se sentiria em relação a qualquer amigo de confiança e amado. Ela estava lá para ele, especialmente porque o tempo passou e ela sentiu que precisava de sua lealdade e apoio.
Meus pais acreditavam em participar ativamente na vida. Suas portas estavam abertas para o mundo, e qualquer um que andasse em sua casa encontrariam calor e conforto aguardando-os. Era o jeito deles. Dominic Cascio, meu pai, cresceu no sul da Itália. Ele viveu entre Palermo e Castelbuono, a pequena cidade a que me referi anteriormente.
É uma pequena vila, um lugar especial onde as pessoas não têm que fazer um monte de dinheiro para apreciar as melhores coisas na vida. Amor, família, religião, comida, estes são os prazeres que contam em Castelbuono. Eu sei que isto soa como um daqueles filmes clichês sobre comida e romance na ensolarada e pitoresca Toscana, mas ela realmente existe.
Meu pai foi criado lá, e apesar de minha mãe ter nascido em Staten Island, sua família veio de Castelbuono, também. Á medida em que eu crescia, nossos jantares de domingo de noite sempre incluíam mais convidados do que a nossa família imediata. Mesmo antes de todos os cinco de seus filhos nascerem, não era incomum para a minha mãe cozinhar para quase vinte pessoas.
Nossa casa em Nova Jersey era como um hotel: havia sempre pessoas aparecendo, ficando para o jantar, ficar por dias, semanas, até meses.
Não admira que o meu pai fosse tão bem sucedido no Helmsley Palace: ele tinha 'administrado' o Cascio Palace por anos. Meus pais eram o centro de suas famílias, e foram eles que faziam com que todos se reunissem, o que geralmente significa comer
juntos. Família era uma prioridade para eles, e eles educaram suas crianças para que se sentissem da mesma maneira.
Eu acho que Michael reconheceu os nossos valores desde o início. Ele já se sentia confortável com o meu pai, e quando se encontrou com o resto de nós, ele deve ter percebido que éramos basicamente calorosos, pessoas honestas que não tinham motivos particulares ou agenda para além de viver a vida e ser feliz. Essa é a minha melhor teoria de porque Michael se apaixonou por minha família: Foi porque nunca o vimos como Michael Jackson, o superstar.
Meus pais não educaram seus filhos para pensarem sobre as pessoas nesses termos. Nós reconhecíamos e respeitávamos o talento de Michael e o seu sucesso, e o tipo de exigências que isto representava para ele, por isso adaptamo-nos à sua programação não convencional e não sobre quem éramos ou como nós o víamos. Quero dizer, francamente, o que mais importava para mim era que ele era um adulto que gostava de Cabbage Patch Kids e desenhos animados.'
http://4.bp.blogspot.com/-33nCJRV8HHI/TxjGxdj7MQI/AAAAAAAAOgw/Ng8wak918h8/s200/merch0015.jpg




Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Danisinha em Seg 16 Jul 2012 - 16:15

Eu também acompanho no cartas para michael, parece que ja está no fim e é muito revelador.

Danisinha

Mensagens : 147
Reputação : 19
Data de inscrição : 10/11/2011
Idade : 29

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Seg 16 Jul 2012 - 17:11


Durante os próximos anos,esta é a relação que tivemos com Michael.A campainha tocava á noite,eu e Eddie sabíamos que era Michael.Acordávamos,corríamos para dar-lhe abraços e mostrar-lhe nossos novos brinquedos e truques que tínhamos aprendido,a família inteira falando ao mesmo tempo,saudando-o como um parente amado de longe cujo avião tinha chegado atrasado.
Eu nunca fui um grande dorminhoco.Muitas noites eu vagava, pela casa espionando,divertindo-me com o mistério do mundo de adultos.Mas,de vez em quando eu caia em sono pesado.deve ter sido uma daquelas noites em que a campainha não conseguia me acordar.Em vez disso eu abri meus olhos para encontrar um chimpanzé fazendo barulho bem em minha cara.
Achei com uma calma e confiança que me surpreende lembrar,que eu estava sonhando enquanto eu observava o chimpanzé saltar sobre a cama de Eddie e acordá-lo também.Bill Bray,meus pais e outro homem que eu mais tarde como Bob Dunn,o treinador do chimpanzé,estavam lotados em meu pequeno quarto.Era meia noite e o chimpanzé que enlouquecia o meu irmão era o legendário Bubbles,o amado animal de estimação de Michael.
Como Michael se tornou uma presença mais familiar na minha vida,eu aprendi partes sobre ele sua música.Nos primeiros dias,logo depois que eu o conheci,eu disse á minha professora,a Sra.Whise:"Eu posso tocar piano.Vou tocar Thriller."
Comecei a bater nas teclas,certo de que sabia tocar piano e que a minha interpretação de Thriller iria impressionar a classe.Mas,a Sra.Whise apenas disse:"Afaste-se do paiano,você vai quebrá-lo."
Um ano mais tarde,quando eu estava na primeira ou segunda série,eu tinha que trazer algo de significatico para mostrar á classe.Eu não tinha idéia do que trazer,até a minha mãe sugerir uma fotografia de Michael.Embora eu ainda pensasse nele como meu amigo Michael,eu estava começando a perceber que as pessoas o conheciam como alguém maior,a pessoa a quem eu tinha visto atuar no enorme palco doGiants Stadium,com todas as luzes e aplausos.Então,eu levei a foto para a escola,a foto que havia sido tomada no primeiro dia que eu o conheci.

O garoto que teve a sua vez antes de mim percorreu a sala de aula mostrando um ursinho de pelúcia para seus colegas.
Ele nos disse o nome de seu ursinho,e que havia de tão especial sobre ele (Perdoe-me se eu não me lembro os detalhes).Então eu me levantei e disse:Este é um retrato de Michael.Ele é um amigo meu.Ele é um cantor e um artista.
Minha professora,que estava provavelmente próxima aos 50 anos de idade,me chamou até a sua mesa e pediu para ver a fotografia que eu estava segurando.Ela olhou,um pouco espantada.
_"Isto é real? perguntou ela.
"Sim é verdade" respondi.
Então ela disse:"Turma,este é Michael Jackson.Ele é um cantor muito,muito famoso".Embora eu não compreendesse totalmente o porquê,eu senti uma onda de orgulho.
Quando ele ficava conosco,uma das atividades favoritas para Michael era ajudar a minha mãe a limpar a casa.Ele ostava de limpeza.Ele nos disse que quando era criança,ele e seus irmãos limpavam e cantavam ao mesmo tempo.Um irmão cantava o primeiro verso,outro faria até a segunda parte e um terceiro viria com o coro ou,como Michael chamava, o gancho.
Então,alguém faria o segundo verso e alguém faria a ponte.Michael disse que eles usavam isso para chegar aalgum material realmente bom enquanto limpavam.Ou então ele disse:eu sempre suspeitei que a estória foi uma maneira inteligente de motivar o meu irmão a me ajudar.
Minha mãe costumava a fazer nossas camas e limpar os nossos quartos.Estávamos de certa forma,um pouco estragados,mas,Michael sempre nos incentivou a ajudá-la.
"Você não tem idéia de como a sua mãe é especial" ele nos diria."Um dia você vai ver".
Michael disse-nos que a nossa mã "Connie",lembrava a sua pr´pria mãe Katherine,e eu nunca vou esquecer o momento em que eu fiquei com raiva de minha mãe e gritei para ela.
Michael me repreendeu duramente,dizendo:"Você nunca deve falar com a sua mãe desse jeito,nunca.Ela deu a lu a você.Você não estaria aqui se não fosse por ela.E ela morreria por você.Você deve respeitar a sua mãe".Como italiano,eu já sabia a respeito de minha mãe.Mas,ouvir isso de Michael deu um peso familiar extra e eu levei as suas palavras a sério.
Uma das coisas que Michael mais gostava sobre a minha mãe,além de seu coração caloroso e carinhoso,era a sua culinária.Toda a vez que ele vinha á nossa casa,ele pedia para fazer um jantar de peru,com purê de batatas,rcheio,inhame e cranberry.Michael amava molho de cranberry.E sempre torta de pessego para a sobremesa:a forma que Michael costumava falar sobre torta de pêssego,como voc~e que foi a segunda vinda.
Meu tio Aldo e meu pai tinhamos um restaurante chamado Aldo.Quando levamos Michael lá,comemos em uma sala privada para que ele pudesse se sentir confortável,desfrutando de uma refeição sem ter que lidar com as pessoas olhsndo para ele.
Mas se estávamos comendo em casa ou no Aldo,ele se sentia totalmente natural em ser Michael.O engraçado era que nenhum de nós nunca realmente falou sobre ele com outras pessoas.Nós o amavámos,mas ao mesmo tempo,nós sempre o protegíamos.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Seg 16 Jul 2012 - 17:57


Naqueles primeiros anos de ensino fundamental Michael era uma visita regular,muitas vezes sem aviso prévio,na casa da minha família em Hawthorne.Em 1987,quando eu tinha 7 anos,saiu o seu sétimo álbum:BAD.
Michael nos enviou pelo correio uma cópia do álbum antes dele ser lançado.Fomos ao show e a minha família assistiu ao vídeo Man in the Mirror vídeo na MTV,quando surgiu pela primeira vez.(eu assisti um milhão de vezes mais tarde era como voltar aos dias quando a MTV passava vídeos de música sem parar.
Bad passou a vender mais de 30 milhões de cópias e foi um enorme sucesso em todo o mundo.Michael estava no topo do mundo.Ao longo dos próximos anos,sempre que íamos ver Michael,ele tocava as canções nas quais ele estava trabalhando no momento,perguntava as nossas opiniões,e assim nos permitia ouvir os novos rumos que ele estava tomando musicalmente.
Quando Dangerous chegou em nossa caixa de correio 4 anos após BAD,fiquei surpreso ao descobrir que algumas das novas músicas que Michael vinha tocando para nós não foram incluídas no álbum,por exemplo,uma faixa chamada,Turning me Off,e outra chamada Irmã Superfly (que mais tarde foi lançada no álbum Blood On The Dance In Floor).Dangerous vendeu ainda melhor e mais rápido do que BAD.
Como Michael cimentou o seu trabalho seguinte em todo o mundo,meu conhecimento de sua música expandia-se a toda hora,mais meus amigos permaneciam praticamente inconscientes sobre Michael Jackson.
Mas aconteceu uma história diferente com os meus pais,na medida que eles estavam envolvidose Michael era uma parte da nossa família e eu estava orgulhoso a cada sucesso seu.Então em 1993 meu reacionamento com Michael atingiu um novo nível,quando pela primeira vez,ele convidou a minha família para visitá-lo em sua casa,o rancho Neverland.
Durante anos,soube que Michael estava construindo uma residência na Califórnia.Muitas vezes,como ele estava supervisionando a construção da fazenda,ele dizia:Você deve vir a Neverland.Há um cinema,um zoológico,alguns passeios no parque de diversões.Não existem regras em Neverland.Você pode fazer o que quizer,apenas relaxar e ser livre.
Eu não tinha idéia do que estava por vir.Nenhuma idéia,A realidade era algo que eu nunca poderia ter imaginado.Eu tinha 12 anos,quando minha família fez a sua primeira viagem á Neverland,durante as férias de primavera.
Todos os meus irmãos,já haviam nascido,então meus pais trouxeram: a mim,Eddie,meu irmão Dominic,minha irmã Nicole Marie,meu irmão mais novo Aldo,que era apenas um bebê e meus dois primos:Daniele e Aldo.
Nossa família viajava regularmente mesmo com todos os filhos,porque meus pais faziam questão de fazer viagens frequentes á Italia,para ver nossa família,mas esta foi a primeira vez na Califórnia.Eu não tinha um conceito sobre de como exatamente seria a Califórnia e Michael disse:"Eu tenho uma roda gigante".Assim quando o avião pousou,eu,na minha inocência,olhei pela janela á espera de vê-la na pista.Eu não tinha idéia de que a fazenda estava a mais de 2 horas ao Norte,perto de Santa Bárbara.
Nós chegamos em Los angeles e passamos um dia na Universal Studios,mas o roteiro turístico comum parou por aí.Mais tarde,na manhã seguinte,a limusine preta de Michael nos pegou no hotel para levar-nos até Neverland.
Como um adulto,eu ficaria muito familiarizado com aquele caminho,mas como um garoto,tudo que eu sabia era que parecia durar uma eternidade.Nós,as crianças (exceto Aldo que era bebê) estávamos no interior da limusine como um bando de vaga-lumes capturados em um frasco.
Quando finalmente chegamos no portão de Neverland,fomos recebidos pelo segurança.O motorista disse:Nós temos a família Cascio aqui,e segurança abriu o portão.


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 10:26

http://4.bp.blogspot.com/-Mp_VzByYc_o/TzUEQoDXHoI/AAAAAAAAPcY/yloziAdFg7A/s400/neverland+michael+jackson+(Cool.jpg
Como se a unidade de Los Angeles não tivesse sido suficiente como um desafio de resistência para seis crianças,uma vez que chegamos no portão,ainda tínhamos que viajar a longa estrada até a casa.Agora,porém,estávamos finalmente em Neverland e realmente era um outro mundo.Música clássica bonita alternando com as trilhas sonoras dos filmes da Disney,como Peter Pan, A Bela e a Fera tocavam em toda a propriedade.
Havia plátanos,flores,fontes hectares e hectares de algumas das paisagens mais bonitas da América.O caminho curvo passado ao lado direito de uma estação de trem,um lago á esquerda.Havia estátuas de bronze de crianças brincando e estávamos cercados por montanhas por todos os lados.Neverland era impressionante.Neverland,era de longe,o lugar mais mágico no qual eu já tinha estado.E ainda é.

A entrada da casa em estilo Tudor era cheia de estátuas,pinturas e grandes tapetes vermelhos fluindo através dos pisos brilhantes.Gail,o gerente da casa,levou-nos passando por uma escada de madeira brilhante por um corredor para a ala de Michael e por um corredor até a sala de estar.
"Sr.Jackson,irá recebê-los" disse Gail.
Momentos depois Michael chegou."Bem vindos a Neverland" ele disse simplesmente.Em seguida,ele acrescentou:"Basta ser livre." De uma forma ou de outra,todos os seus convidados recebiam a mesma instrução.
Fomos levados para a sala de jantar,onde o pessoal nos trouxe o almoço,e todos nós comemos juntos,recuperando o atraso.Após o almoço,Michael nos deu um passeio pela propriedade.Visitamos os animais no zoológico,rodamos no trem e demos uma volta na roda gigante.Ao longo do rancho,tudo estava em perfeito estado de funcionamento,e o mesmo em relação aos fncionários:havia tratadores de animais e operadores de passeio,todos pareciam surgir magicamente,no exato momento em que a sua ajuda era necessária,
Os passeios em Neverland eram divertidos,mais eu sempre fui mais impressionado com o zoológico.É uma coisa incrível visitar um zoológico particular.Michael teve vários especialistas cuidando dos animais:havia um tratador para os répteis,alguém para os ursos,leões e chimpanzés,uma outra pessoa para as girafas o elefante e assim por diante.

Os tratadores traziam os animais para nós,deixando-nos alimentá-los e contando-nos sobre seus hábitos.Na casa dos répteis havia anacondas,tarântulas,uma cobra naja cuspideiracascavéis,piranhas e crocodilos.Os crocodilos comiam apenas uma vez por semana,e consumiam frangos frescos todos de uma vez.Havia quatro ou cinco girafas.Michael era alérgico a elas e os cavalos,ele tinha que tomar remédio se quisesse tocá-los,mais eu gostava de acariciar as girafas.De perto,por algum motivo,o seu hálito cheirava a hortelã.

Os chimpanzés e os orangotangos eram meus favoritos.Eles estavam sempre andando completamente vestidos de fraldas,camisas,macacões e Oshkosh.Os chimpanzés, por algum motivo,eram obcecados com pequenos detalhes.Se,por exemplo,uma unha encravada,os chimpanzés poderiam notá-la imediatamente,estudavam-na,brincavam com ela e a beijavam.Eles bebiam sucos saídos de caixas de suco com palhas.E seus doces favoritos eram:jujubas,e nerds.Eles seguravam cada pedaço do doce e o examinavam totalmente antes de comê-lo.
Agora,eu não posso dizer qual era o doce mais nutritivo,todos eram pré-aprovados para qualquer um desses animais,mais posso dizer-lhe que o filhote amava skittles.Ele lambia a sua gaiola,pedindo mais.E os elefantes gostavam de beber refrigerante e comer starsbusts.Se diz que muitos animais de estimação se parecem com seus donos e os animais em Neverland pareciam ter desenvolvido o gosto dos alimentos que eram muito semelhantes ao gosto do próprio Michael.

Cool.jpg" alt="" />


O cinema de Neverland era notável pela sua elegância.Os visitantes percorriam uma passarela de pedras,passando por uma fonte muito bem iluminada,com dança de água,enquanto uma linda música tocava ao fundo,como acontecia por todo rancho.Depois de passar por dois conjuntos de portas duplas,eles entravam no teatro,onde,á esquerda,da entrada,eles veriam uma exposição animatronics dos personagens de Pinóquio que Michael tinha feito sob medida pela equipe da Disney.Ele inclui um robô de Michael,em tamanho real,vestido com seu traje do vídeo Smooth Criminal.Na pequena sátira que acompanha a exibição,uma voz dizia:"OLhe,há Michael". e o robô de Michael ganhava vida,fazendo o Moonwalker em um círculo.

A direita,em frente ao Pinóquio e ao Michael,havia um robô do Lobo Mau.E mais para a frente estava o balcão de doces,com todo o tipo de doces conhecidos pelo homem.O posto de concessão também tinha uma máquina de sorvete,uma máquina de pipoca,e toda bebida que você pudesse querer.De volta para casa,em Nova Jersey,se meus e eu tivéssemos a sorte de ter livre acesso a uma máquina de sorvete por um par de horas em um sábado á tarde,teria sido motivo de grande celebração.Aqui,era apenas um pequeno elemento em um sonho que tornava-se realidade.
Um tapete vermelho levava ao teatro.Havia cerca de uma centena de assentos vermelhos.Em visitas futuras,nós levaríamos Graveyard,o orangotango,todo vestido ao cinema com a gente.Ele se sentava entre mim e Michael,comendo pipoca pipoca e saboreando o seu próprio refrigerante.
Havia também dois quartos privados,um de cada lado do teatro,então você tinha a opção de assistir no conforto de uma cama de hospital ajustável,se isso fosse a sua fantasia.
Ao longo dos anos,haveria muitas vezes em que eu fui assistir a um filme tarde e acabei dormindo no teatro toda a noite.
Neverland poderia ter sido um lugar verdadeiramente mágico,mas não mudou os meus sentimentos por Michael.Ele era tão humilde em sua casa como ele era quando estava em nossa casa.Eu não comparo o esplendor do lugar com riqueza ou poder.Eu já havia visto Michael em concerto,onde a sua transformação para um megastar era muito mais dramática.
Pode ter sido durante a viagem-certamente foi durante uma delas e houveram muitas,enquanto dirigia um carrinho de golfe,Michael falava como a sua Neverland seria como a Graceland de Elvis.Em uma voz deliberadamente nasal de um guia turístico,ele começou a narrar:"Se você olhar para á direita,você verá o forte balão de água.Michael ganhou muitas batalhas nesse campo.
"Quando você planeja fazer isso acontecer?" perguntei.
"Estou planejando isso agora" respondeu ele."mas não vai ser aberto até que eu esteja morto".
Durante essa viagem,passamos três ou quatro dias em Neverland em bangaLôs,uma casa estilo coutry dividida em quatro unidades separadas.Elas eram simples porém elegantes,com móveis e pisos de madeira escura e roupas brancas em todas as camas.Nos banheiros haviam sabonetes personalizados gravados com o logotipo Neverland: um menino na Lua.
O estudio Dream Works tem um logotipo similar,mas Michael projetou seu garoto na Lua anos antes do surgimento do Dream Works.Steven Spielberg deve ter sido inspirado quando ele veio visitar o rancho.
Elizabeth Taylor teve uma suíte com cama King size.Se bem me lembro,nessa primeira viagem o meu irmão e eu ficamos no bangalô 02,que tinha duas camas de casal.Essa foi uma das poucas vezes que eu fiquei na casa principal.
Na parte da manhã,quando acordávamos,os chefs,faziam o que queríamos para o café da manhã,que era trazido para os nossos quartos ou servidos na cozinha.Eles estavam de plantão vinte e quatro horas por dia.Creks borbulhavam por toda a terra.A música era tocada por todo lugar.
Eram utilizados carrinhos de golfe para se locomover pela propriedade:do cinema para o parque de diversões e para o zoológico.
Meus pais adoravam o rancho,meu pai disse que era como atravessar os portões do paraíso e que ele despertava a juventude e inocência que se escondia em todos os seus visitantes.Ele ia a pé ao redor da propriedade,feliz,fumando o seu charuto.Enquanto isso,minha mãe,que era normalmente uma dessas supermulheres que nunca param de trabalhar,finalmente se acalmava.
Neverland era o único lugar no mundo onde ela poderia relaxar e se divertir,especialmente no cinema. Meus pais eram chamados a participar das nossas lutas de balão d'água, de vez em quando.
Durante o dia, cada um de nós tomava seu próprio caminho, mas a cada noite nos reuníamos para um jantar de grande família. Uma noite, jantamos nas tendas. Michael havia criado uma pequena aldeia indígena com tendas e uma grande fogueira. Nós nos sentamos no chão, usando cobertores, conversando e olhando o fogo. Foi tão divertido que em cada viagem subsequente fizemos questão de ter pelo menos um jantar nas tendas.
Outra tradição favorita era os passeios matinais no balão de ar quente. Por alguma razão, ele deve ter tido a ver com o tempo, tínhamos que acordar ao romper da aurora. Ainda com sono, mais animado, íamos de carro até um ponto sobre a propriedade e subíamos a bordo do balão. Em breve estávamos flutuando alto sobre Neverland, olhando para a paisagem exuberante.
Eddie e eu passávamos a maior parte do nosso tempo no rancho com Michael. Era um lugar onde cada visitante poderia experimentar a liberdade completa e estar completamente sozinho, mas não havia nenhuma dúvida de que ser capaz de experimentar Neverland com seu criador, ao lado dele e através de seus olhos, aumentaria a magia. Queríamos sair com ele. Ele era o espírito do lugar.
Em Peter Pan, Neverland é um lugar onde as crianças nunca tem que crescer. Como uma criança, Michael tinha vivido em um mundo de adulto, ele trabalhou a partir de cinco anos de idade. Ele fazia turnês. Seu tempo não era seu. Quando ele ouvia os sons de crianças brincando, ele queria mais do que qualquer coisa, juntar-se a eles, mas não era uma opção.
Como um adulto, como ele mesmo disse, Michael foi atraído a infância que ele nunca tinha tido. Elde diria: 'Eu tenho dez anos de idade. Eu nunca mais quero crescer.' Claro, é uma parte da vida, mas michael tava determinado a descobrir os melhores elementos da sua infância perdida para mantê-los vivos. Ele adorava a ideia de que podemos segurar a inocência, liberdade, alegria e Neverland era um mundo em si mesmo, onde as crianças poderiam ser livres e qualquer visitante poderia deixar de lado as suas preocupações e ser uma criança novamente. Uma vez que você passasse através dos seus portais mágicos, o mundo la fora não importava mais.
Michael projetou cada aspecto de Neverland, e era sempre um trabalho em andamento. Ele era um homem de visão, ás vezes loucas visões e sempre que ele tinha uma ideia, ele não hesitava em avançar, tornando-a uma realidade. Se ele quisesse casas na árvore, ele planejava casas nas árvores. Se ele achasse que deveria haver uma ilha inteira cheia de flamingos para os hóspedes, ele iria construir uma ilha e preenchê-la com flamingos.

Nós últimos anos, quando estávamos apenas nós dois na propriedade, nós passeávamos e verificávamos cada detalhe. Ás vezes nós espreitávamos as unidades de alojamento, e se algo não fosse do seu agrado, Michael faria a substituição. Ele movia um relógio de dois centímetros para a esquerda para colocá-los perfeitamente. Ele movia os móveis do lugar. Ele gostava que as flores fossem colhidas na hora. Ele queria que o paisagismo fosse perfeitamente podado.
Á medida que caminhávamos juntos, ele dizia no walkie-talkie: 'Precisamos de mais flores por aqui', 'Aumente a música' ou informaria ao administrador se ele não conseguisse ouvir o chilrear sonoro de pássaros com suas melodias contínuas. Esta era a sua fantasia trazida à vida. Ele sabia exatamente como ele queria que cada elemento fosse colocado e mantido. Ele era um artista e um perfeccionista em tudo que fazia.
Michael construiu Neverland para compartilhar com as pessoas, especialmente crianças, e como ele se tornou um lugar mais público, visitado por escolas e orfanatos, ele montava experiências mágicas para seus convidados. Cada momento era coreografado a partir do momento em que os convidados passassem o primeiro portão. Ele tinha toda a equipe de funcionários em linha, ao longo das escadas, para cumprimentar os recém-chegados e recebê-los em Neverland. Eles poderiam estar tomando café da manhã e de repente veriam os elefantes, incluindo Gypsy - um presente de Elizabeth Taylor - passando pela janela ou uma lhama passeando.
Essa viagem que fiz para Neverland com toda a minha família aproximou-nos de Michael ainda do que já era antes. Até então, ele tinha sido o amigo da família, cujas visitas-surpresas sempre foram bem-vindas. Agora, em seu território, víamos o verdadeiro Michael. Neverland encarnava o coração e a alma de Michael, e nós nos sentíamos honrados e privilegiados por estar lá em sua companhia.
Todos agrupados de volta para a limusine e descendo o longo caminho de volta ao aeroporto, era simplesmente inimaginável a beleza. Não é de surpreender - uma vez que eu tinha começado a tomar gosto por Neverland - que tudo que eu queria fazer era voltar a visitá-lo novamente.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 14:10

'Eu tinha coisas importantes a fazer, como terminar a sétima série. Somente quando chegaram as férias de verão, os meus pais finalmente disseram que o meu irmão Eddie e eu poderíamos voltar (a ver Michael) desta vez sozinhos, por uma semana ou duas. Quando Eddie e eu pisamos fora do avião no LAX, um motorista chamado Gary estava esperando por nós, segurando um cartaz que dizia Os Cascios.
'Mr. Jackson está esperando' disse ele, e perguntou se estávamos com fome, poderíamos parar e pegar alguma coisa no caminho. Talvez estivéssemos, talvez não estivéssemos. De qualquer maneira, nós dissemos não. Nós só queríamos ver Michael.
O American Music Awards 1993 estava programado para aquela noite, e Michael estava recebendo o primeiro Artist Award International, então ao invés de nos levar diretamente para o rancho, Gary nos levou para um apartamento secreto que Michael mantinha em Century City chamado de Hideaway A.
O Hideaway era um apartamento de três andares que era um tipo de mini-Neverland das sortes. Havia um andar inteiro de jogos de vídeo-games - os arcades particulares de Michael. Nas paredes havia fotos de ídolos de Michael: Os Três Patetas, Charlie Chaplin, O Gordo e o Magro e imagens de personagens da Disney.
Havia música tocando, é claro. Michael gostava de ter música tocando, onde quer que estivesse, em todos os momentos. Quando Michael nos encontrou, ele parecia sentir-se mal sobre o fato de que ele estaria ocupado recebendo um prêmio na noite que chegou, e disse-nos que, em vez de nos deixar com alguém dos seus homens de segurança, ele convidou um primo para vir e sair com a gente.
(Michael chamava qualquer um que estivesse mais próximo a ele de 'primo', ou um 'primo em segundo grau', como se ele quisesse ser cercado por uma grande família que se estendia.) Este 'primo' acabou por ser um garoto chamado Jordy Chandler, que tinha a minha idade.
Eu fui para cima e apertei a mão de Jordy, ele parecia um garoto legal. Esta não era a primeira vez que eu conhecia outro garoto através de Michael. Tal como a minha própria, a família de Jordy foi uma das muitas famílias que Michael apadrinhou, embora os Cascios foram os únicos a quem ele chamou de sua 'segunda família.' Nós, os Cascios, éramos uma grande família e nós estávamos mais do que felizes em abraçar os amigos de Michael. Havia sempre espaço para mais. Para mim, Jordy e sua família pareciam agradáveis e corriqueiros.
Bem antes de Michael sair naquela noite, ele se virou para mim e disse: 'Cabeça-de-maçã, o que você acha que eu devo vestir para o show?' Nós já tinhamos visto um episódio dos Três Patetas onde Curly ou Moe chamam alguém de cabeça-de-maçã. A partir de então nós chamávamos uns aos outros e a todo mundo de cabeça-de-maçã. Todo mundo era um cabeça-de-maçã . Éramos o Clube cabeça-de-maçã.
Olhei no armário de Michael e escolhi uma camiseta com decote em V, calças pretas, botas e uma jaqueta que ele tinha usado para uma sessão de fotos para o vídeo Remember the Time. Quando ele saiu pela porta vestindo a roupa toda que eu escolhi para ele, eu me senti 'o cara'... Ele não havia mudado uma única coisa.
Depois que Michael partiu, Eddie, Jordy e eu ficamos para nos entreter, o que não era difícil de fazer, visto toda a coleção de arcades estar à nossa disposição. Eu fiquei junto de Jordy, que gostava de ciência e quebra-cabeças e eu achei que era legal. Eventualmente, nós nos afastamos dos arcades e Jordy e eu fomos à sacada para jogar balões de água e tentar acertar os carros que estavam estacionados abaixo.
Esta foi uma boa diversão por algum tempo. Em seguida, Jordy foi brincar com um estilingue. Eu não sei o que ele havia colocado nele, mas definitivamente não era um balão de água, porque antes que eu percebesse o que estava acontecendo, ele acertou a janela de um carro estacionado com o estilingue e quebrou-a.
Nos nos abaixamos para ficarmos fora de vista, e depois nos esgueiramos para dentro do apartamento. Nós não dissemos à segurança o que tinha acontecido. Pobre Jordy, estava arrasado. Ele, como eu e Eddie, era um aventureiro, um garoto que adorava se divertir e não um criador de problemas. Ele caminhava para lá e para cá, com medo de que a polícia viesse, preocupando-se que Michael ficaria com raiva.
Ele estava tremendo de medo. Tentei acalmá-lo. Eu disse: 'Apenas relaxe, não se preocupe. Não é grande coisa, ninguém vai ficar chateado.' Finalmente, ele entrou no banheiro para lavar o rosto. Quando ele voltou, nós jogamos mais jogos de vídeo, a tônica final para um menino adolescente assustado.
Mais tarde, naquela noite, quando Michael chegou em casa e estávamos todos juntos, lhe dissemos o que tinha acontecido. Eu pensei que fosse a coisa certa a fazer. 'Vocês estão bem? Alguém se machucou?' Michael perguntou. Dissemos-lhe que estávamos bem, mas que não tínhamos tanta certeza sobre o carro.
Ele não estava zangado. Ele apenas disse: 'Vamos sair e ver se ele ainda está lá. Se for, vamos dizer ao proprietário o que aconteceu e nós vamos encontrar uma maneira de substituir sua janela.' Nós fomos para a varanda, mas agora o carro já estava muito longe e nenhum de nós ouviu alguma coisa sobre o assunto. Naquela noite, meu irmão, Jordy e eu espalhamos sacos de dormir pelo chão, assistimos a filmes e adormecemos
Palhaçadas à parte, Jordy era um garoto simpático que se parecia muito comigo. Eu não notei nada de anormal ou perturbador em seu relacionamento com Michael. No dia seguinte, Michael nos levou para a Disneylândia com Jordy, a mãe de Jordy, June, e sua irmã.'
[img]

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 14:19


'No dia seguinte, Michael nos levou para a Disneylândia com Jordy, a mãe de Jordy, June, e sua irmã. Eu nunca havia ido antes à Disneylândia, mas mesmo assim não foi difícil ver que por causa do nosso anfitrião estávamos recebendo tratamento VIP. Fomos em cada um dos passeios, sem ter que esperar em uma fila.
Michael, é claro, era reconhecido por todas as pessoas em todo o parque. Ele não fez absolutamente nenhuma tentativa de disfarçar sua identidade. Na verdade, ele estava vestindo sua roupa regular: óculos de sol, um chapéu, uma camisa de veludo vermelho, calças pretas e mocassins. Ele usava estes quase todos os dias. Mais tarde, quando eu o conheci melhor, gostava de tirar sarro dele como ele se vestia.
Ele ficava na frente do seu armário, que era um mar de camisas vermelhas e calças pretas, dizendo: 'Hmm, eu me pergunto o que vou vestir hoje. Mmm, talvez calças pretas e uma camisa vermelha.Talvez eu use um chapéu, só para mudar as coisas.' E eu dizia: 'Ei, eu tenho uma ideia. Por que você não enlouquece hoje e vestir algo totalmente diferente?' Então eu pegava um tipo diferente de camisa vermelha e um tipo diferente de calça preta daqueles que ele normalmente usava.
De qualquer forma, enquanto caminhávamos pelo parque, os membros da segurança da Disneylândia formaram um círculo protetor em torno de nós, porque os visitantes do parque enlouqueciam sobre Michael, em busca de autógrafos e tentando tirar fotos. Um par de vezes tivemos que tomar um carro do outro lado do parque e entrar pelas portas laterais de modo que não teríamos que lidar com a comoção que os fãs estavam causando.
Eu estava começando a ter uma noção, em primeira mão, de como Michael era tratado no mundo em geral. Não significava muito para mim. Era uma espécie de como era o seu trabalho, que era exatamente o que Michael fazia quando estava em público. No final do dia, saímos em uma limusine branca, e se pensássemos que a diversão do dia tinha terminado, estávamos errados.
No caminho para casa entramos em uma 'luta' de Silly String (nota do blog: um produto semelhante a espuma de Carnaval). Eventualmente, nós tivemos que abrir as janelas do carro, porque a fumaça estavam se tornando um pouco demais. Naquela época, eu não percebia que o comportamento de Michael não era exatamente o que as pessoas esperavam de um adulto. Tinha sido assim desde que eu o tinha conhecido, e talvez por causa do seu exemplo, eu não tinha o hábito de fazer distinções precisas entre adultos e o comportamento infantil. Mesmo agora, eu tenho meus momentos infantis.Todos nós fazemos, todos nós deveriamos fazer.
Naquela noite Michael levou Eddie, eu, Jordy, a sua mãe e irmã até o rancho. Em sua limusine sempre havia filmes rodando, mas estávamos todos ainda muito animados e muito ocupados falando sobre o dia que passamos, para prestarmos muita atenção a eles. Tínhamos tudo ligado naquele dia. Era claro para mim que Jordy e toda sua família amava Michael, tanto quanto a minha família o amava. Eles eram como uma outra família para ele, e eu senti que tínhamos isso em comum.
Eu não sentia ciúmes desta relação. Eu não sou o tipo ciumento. Verdade seja dita, era bom ter outra criança em torno, principalmente uma que não parecesse especialmente impressionada ou com dúvidas sobre o meu relacionamento com Michael. Lembrando minha visita anterior, eu esperava que a viagem seria longa, mas logo estávamos no rancho.
Desta vez chegamos à noite, então eu tive a chance de ver a forma como as árvores e água ficavam maravilhosamente iluminadas. A música estava tocando. O trem, provavelmente vazio, corria ao longo, de sua maneira alegre. E o jantar estava à nossa espera.
Uma vez que não estávamos lá com os nossos pais, meu irmão e eu perguntamos a Michael se poderíamos ficar com ele em seu quarto. Isso é o que teríamos feito em uma situação normal com crianças da nossa própria idade e nós pensávamos em Michael como um de nós. Claro que sabíamos que ele era um adulto, mas ele se sentia como um melhor amigo. Um garoto, mas um garoto com incrível poder e recursos. Ele tinha um parque de diversões no quintal de sua casa, pelo amor de Deus.
Queríamos sair com ele e Michael não poderia dizer não, não para nós ou para qualquer outra pessoa que ele cuidasse. Michael, Eddie e eu ficamos até tarde da noite conversando. Ficamos deitados no chão em frente à lareira, folheando revistas enquanto Michael contava-nos algumas fofocas do mundo do entretenimento, nos dizendo como ele tinha ido à casa de Eddie Murphy para jantar e como Madonna tentou seduzi-lo.
Cientes de nossas idades, ele tentou explicar delicadamente o convite de Madonna para acompanhá-la ao seu quarto de hotel, sem recorrer a palavras como 'seduzir'. 'Ela ... ela me pediu para acompanhá-la ao seu quarto.' Ele colocou as mãos sobre o rosto. 'Eu era tão tímido, eu não sabia o que fazer', confessou.
'Você deveria ter ido. Eu teria feito qualquer coisa por uma noite com Madonna' eu disse a ele. Eu era jovem, mas já era louco por garotas. Michael era o oposto, no entanto. Ele não estava acostumado a ser posto em tais situações onde ele deveria se sentir ou ser romântico. Ele não era gay. Ele estava definitivamente interessado em mulheres, e quem o viu dançar não poderia deixar de reconhecer sua sexualidade poderosa. Mas ele era inibido.
Esta inibição era, em parte, resultado da vida na estrada que Michael teve desde que era jovem. Naquela noite, Michael nos contou que, começando quando ele tinha cinco anos, ele esteve em turnê com os Jacksons. Às vezes, o ato antes do Jackson 5 era um show burlesco. Michael, olhando do lado do palco, via que artistas do sexo feminino eram, muitas vezes, mal tratadas pelos homens.
Após o show, ele e Randy iriam esconder-se debaixo da cama, enquanto seus irmãos mais velhos traziam as meninas para o quarto. Quando Michael começava a rir, Jermaine tirava ele e Randy debaixo da cama, para fora do quarto. Mas não antes de Michael ver e ouvir mais do que uma criança da sua idade provavelmente deveria.
Michael estava sempre contando histórias sobre seus irmãos. Ele nos contou algumas dessas histórias como se fossem engraçadas, mas agora está claro para mim que elas não eram engraçadas em tudo. Michael tinha sido exposto ao sexo em uma idade muito jovem e tinha esta experiência profundamente marcada nele. Como resultado, quando se tratava de mulheres, era como se estivesse congelado no tempo.
Mais tarde, depois que seus irmãos estavam casados, os membros da família deixaram de ser tão próximos quanto eram uma vez e, gradualmente, o Jackson 5 foi sendo afastado. No topo de seus temores de intimidade, Michael não queria cair na armadilha de deixar que algo o distraísse de sua música.
A partir de uma idade muito jovem, o trabalho era a primeira prioridade de Michael. Ele era muito profissional. Ele estava no ponto o tempo todo. Eu acho que é porque quando ele estava trabalhando, ele se sentia mais confortável, mais no controle. Mesmo quando seus irmãos mais velhos estavam jogando basquete ou outro esporte, ele apenas iria sentar-se e assistir e cantar as melodias.
Ele nunca participou (e eu só posso supor que ele teria sido bem-vindo, mesmo que isso teria significado um jogo de dois contra três). Uma das razões era que seu pai nunca realmente quis que ele participasse. Ele era mais protetor sobre Michael do que ele era sobre os outros irmãos. Claro, isso pode ter sido porque Michael era, como eu vi muitas vezes, chocantemente ruim em esportes. Eu nunca poderia entender isso.
Aqui era o cara com o sentido mais extraordinário do ritmo no mundo e ele não podia mesmo driblar corretamente no basquete. Ele disse que era ainda pior no beisebol. Mas o ponto é, Michael não queria nada em relação aos esportes e nem mulheres afetando seu trabalho. Quando ficou mais velho, Michael ficaria em casa para ensaiar e coreografar as rotinas de dança. Quando os irmãos voltaram, Michael iria ensinar-lhes as rotinas. Ele era o caçula dos Jackson 5, mas também o mais sério.
Mais tarde, naquela noite, a nossa conversa voltou-se para Jordy, que estava hospedado com sua mãe e irmã no bangalô para hóspedes. Eu disse: 'Oh, ele é realmente muito bom. Da próxima vez que você vier para Nova York, você deve levá-lo a nossa casa.'
'Sim, devemos levá-lo à Nova York, ele nunca esteve lá', respondeu Michael.
'Por que Jordy não fica com a gente?' Eu perguntei.
'Eu não sei -Jordy nunca fica no meu quarto' respondeu Michael. Eu gostaria que fosse apenas assim...'
Então, naquela noite, nós três conversamos em frente ao fogo até por volta de duas da manhã, altura em que decidimos invadir a geladeira. Fomos para a cozinha e aquecemos um pudim de baunilha (um dos petiscos favoritos de Michael) no microondas, pegamos chips, Creamsicles de laranja, biscoitos de baunilha e as caixas de suco. Levamos tudo ao quarto e ficamos até as quatro da manhã conversando e ouvindo histórias fascinantes de Michael.
Como ele faria novamente em futuras visitas, Michael ofereceu a cama para mim e Eddie e disse que iria dormir no chão, mas acabamos todos dormindo no chão. Eu amei a adormecer perto do crepitar do fogo morrendo. A partir dessa visita, até que eu ficasse mais velho o suficiente para querer privacidade, sempre que eu ia à Neverland, eu fazia a minha cama ao lado da lareira.
Deixe-me ser absolutamente claro: por mais estranho que pareça um adulto ter como 'hóspedes' uma dupla de crianças, não havia nada sexual sobre isso, nada que fosse evidente para mim, então, como uma criança, e nada que eu possa ver agora, como um homem crescido, examinando o passado.
Era inofensivo. Michael era realmente apenas uma criança no coração. No dia seguinte dormimos até ao meio-dia.'









Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 14:23


'No dia seguinte dormimos até ao meio-dia. O chef de Michael, Buckey, era famoso por seus hambúrgueres. Tivemos hambúrgueres e batatas fritas para o almoço. Em seguida, Michael disse: 'Você tem 2.700 hectares. Seja livre. Faça o que quiser.'
Ele exortou-nos a explorar por conta própria, mas o que mais queria era estar perto dele e para que ele nos mostrasse o que fazer. Então nós passamos o dia jogando no arcade e correndo juntos por Neverland. Michael jogava por nada.
Naquela noite, Michael sugeriu que todos nós fôssemos ao Toys R Us. Quis saber se seu motorista iria nos levar, mas Michael disse: 'Não, eu vou dirigir.'
Então, nós nos empilhamos em um Dodge Caravan marrom feioso. Sentei-me na frente, e meu irmão, June, Jordy e sua irmã sentaram-se na parte de trás. Michael Jackson, usando um (chapéu) fedora nos levou à loja. Eu disse: 'Eu não posso acreditar que você está dirigindo.' Eu nunca tinha visto Michael dirigir um carro. Foi um grande espetáculo.
Quando chegamos na Toys R Us, as luzes estavam acesas, mas as portas estavam trancadas. Meu coração afundou-se, mas, em seguida, vários membros do pessoal correram para a porta, abriram-na e disseram: 'Olá, Sr. Jackson, venha aqui!' Eles claramente aguardavam nossa chegada. A loja estava completamente vazia de outros clientes.
Parecia Natal. Michael pegou um carrinho vazio e disse: 'Vá em frente, peguem o que quiserem.' Nós sabíamos que isso significava que teríamos que correr por toda a loja. Não havia limite para o que poderíamos comprar. Mas eu e meu irmão não estávamos confortáveis, apenas enchendo um carrinho com brinquedos. Jordy pareceu sentir-se da mesma maneira.
Nós andávamos pelos corredores, saboreando a sensação de que a loja estava aberta para nós. Ela era nossa. Mas quando descemos para concluirmos as compras, acabamos por escolher um punhado de pequenos itens, nada de muito louco. Nós éramos extremamente respeitosos. Além disso, não haveria muito tempo para divertir-se com eles quando voltássemos para Neverland. Michael, entretanto, tinha rapidamente empilhado três carros cheios de brinquedos que ele queria.
Michael amava colecionar brinquedos. Ele não necessariamente brincava com eles, ou mesmo os tirava de seus pacotes. Mas ele com certeza gostava de comprá-los. Em Neverland tinha um quarto cheio de brinquedos fechados que ele estava guardando como itens de colecionador.
Ele também prestava muita atenção aos novos brinquedos que chegavam no mercado. Ele estava interessado no que seria popular - com o que as crianças estavam brincando e por que elas eram atraídas por esses brinquedos em particular.
Michael aproximava-se da cultura popular com a mesma intensa curiosidade intensa que ele observava as tendências em brinquedos. Ele estudava as listas de músicas Top 10 e também seguia a lista best-seller de livros do New York Times. Era parte de como ele desenvolvia uma maneira admiravelmente ampla - até mesmo no sentido universal - do que as pessoas queriam ver, ouvir e experimentar.
Eu estava aprendendo com Michael. Ele me ensinou a buscar o conhecimento. Ele me incentivou a estudar. Ele me disse para ser humilde e respeitar os meus pais, especialmente minha mãe. Ele avisou-me para ficar longe de festas aonde havia o uso de drogas e cigarros, dizendo: 'Tome uma bebida e se divirta, mas se você não puder sair de um lugar com seus próprios pés, você é um vagabundo.'
Ele me inspirou a ser o melhor que eu poderia ser. Porque ele estava conectado comigo, fui receptivo à sua influência. Na escola, eu não era um bom aluno. Desde o jardim de infância, eu tinha sido um sonhador, perdido em meu próprio mundo. Mas Michael me fez ver que a escola não era a única maneira de aprender. Ele disse que algumas das pessoas mais bem sucedidas do mundo, como Thomas Edison e Albert Einstein, não tinham ido bem na escola.
Eu poderia aprender sozinho o que eu precisava saber para se tornar um mestre do meu ofício escolhido. Não importasse o que eu fizesse, Michael acreditou em mim.Eu poderia ser um líder e um criador. Meus pais viram a influência que Michael tinha sobre mim, e foi uma das razões pelas quais eles encorajaram o nosso relacionamento.
Quando o verão chegou ao fim, Eddie e eu voltamos à Nova Jersey. Eu estava começando a oitava série. Eddie estava começando a sexta. Nossos pais haviam se mudado durante o verão, e nós viemos para uma nova casa em uma cidade nova. Enquanto isso, Michael voou para Bangkok. Durante o ano passado tinha sido turnê internacional de seu álbum Dangerous e após uma pequena pausa, agora era hora dele ir para à estrada.
Eddie e eu nos despedimos, mas não tínhamos ideia de quanto tempo se passaria antes de podermos ver o nosso amigo novamente, o quão longe de casa nós estaríamos, e em que circunstâncias infelizes Michael estaria envolvido.'



Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 14:27


'Em nossa nova casa em Franklin Lakes, New Jersey, a influência de Michael era cada vez mais evidente. Meu pai gostava das estátuas de pedra que enfeitavam Neverland, então ele saiu e comprou estátuas semelhantes para decorar o nosso quintal.
Meu pai adorava a música clássica que tocava constantemente em Neverland, então ele tinha um sistema de som completo instalado no mesmo quintal, com alto-falantes, ao ar livre em forma de pedras. Michael fez um CD de Neverland para nós, e em breve nossa vida começou a ser vivida com uma trilha sonora clássica de fundo.
Teria sido bom se o meu pai trouxesse para casa um chimpanzé como animal de estimação, mas ele nunca foi tão longe. De acordo com os meus pais, nos mudamos para Franklin Lakes por causa do sistema escolar, mas tanto quanto eu estava preocupado, era tudo sobre o time de futebol.
Crescendo, eu era considerado um dos melhores jogadores de futebol em Hawthorne. Outro cara, Michael Piccoli, foi o melhor jogador em Franklin Lakes. Ao longo da minha infância, a equipe de Michael Piccoli e a minha equipe criaram uma rivalidade teórica entre ele e eu. Nós não tínhamos nos encontrado, mas sabíamos que não gostávamos um do outro.
Agora eu tinha me mudado para seu território, e mesmo que eu estivesse apenas entrando no oitavo ano, o treinador havia me recrutado para jogar futebol com o Ensino Médio. Mike, que estava no mesmo grau, estaria fazendo isso também. Gostaríamos de estar na equipe. Foi o assunto do mundo do futebol. O mundo do futebol do norte de New Jersey, pelo menos.
Estes eram os meus maiores problemas no meu mundo. E então, pouco antes do início das aulas, chegou a notícia que eclipsaria completamente qualquer preocupação de futebol que eu tivesse.
Quando eu entrei na lavanderia, uma tarde, à procura de uma camisa, minha mãe, que estava lá, começou a dizer algo, parou, então, finalmente falou: 'Você conhece um cara chamado Jordy?' perguntou ela.
'Sim, ele é um garoto muito bom. Eu sai com ele em Neverland' eu disse. Ela parou por um momento e eu pude vê-la hesitar. Finalmente, ela deixou escapar:
'Bem, ele está acusando Michael de abuso sexual infantil.'
As palavras saíram sem jeito, como se nunca as tivesse pronunciado antes. É bem possível que ela não tivesse. Eu podia ver que minha mãe estava chateada, mas eu nem sabia o que 'abuso sexual' significava. Quando eu perguntei, minha mãe virou-se para a lavanderia e, evitando a questão, disse rapidamente: 'Será que Michael fez algo impróprio para você ou para alguém que você conhece?'
'O que você está falando?' Eu perguntei, de repente, e percebi que ela estava chorando.
'Eu me sinto tão mal por Michael!' disse ela.
Vendo o olhar em seu rosto, percebi que meu amigo estava sendo acusado de fazer algo errado com Jordy. Eu estava além de chocado: a ideia nem sequer faz sentido para mim. Eu tinha passado muito tempo com Jordy e Michael, e quando eu estava em Neverland, Jordy nunca se hospedou no quarto de Michael conosco. Nem uma vez.
Eu nunca tinha visto nada fora da linha acontecer, e eu não acreditava que algo tivesse acontecido, nem por um único segundo. Além disso, Michael nunca agiu de forma 'inadequada' ao aproximar-se de Eddie ou de mim. Esta história era totalmente inacreditável, eu simplesmente não conseguia imaginar Michael como um molestador. Nem poderia imaginar Jordy fazendo tal acusação.
'Michael vai ficar bem?' perguntei.
'Sim, ele vai ficar bem' respondeu minha mãe.
Como esta notícia perturbadora se aprofundou, eu não poderia deixar de lembrar um pouco do que Jordy tinha dito sobre seu pai durante a viagem que tínhamos feito a Disneyland juntos, e mais tarde no rancho. Jordy era um garoto aberto e honesto, e eu não tive a sensação de que ele estivesse escondendo nada.
Na noite em que tínhamos ido para a Toys R Us, ele me disse que seu pai, um dentista e aspirante a roteirista chamado Evan, era extremamente ciumento de Michael. Ele ofereceu a informação de que seu pai achava que era estranho que Michael estivesse tão perto de Jordy e o resto da família, e que o relacionamento havia se tornado um problema para a família Chandler.
Pensando nisso, lembrei-me como Jordy tinha dito que Evan tinha um temperamento terrível, que quando ele estava chateado ele gritava e quebrava os objetos da casa. Em retrospecto, não é difícil perceber que Michael era uma figura paterna para o Jordy, e a mãe de Jordy estava ligada a Michael, e esta era a dinâmica de uma família problemática.
Mas no momento eu não estava pensando nestes termos maiores. Tudo o que eu sabia era que eu estava certo de que Michael estava sendo acusado falsamente - se era por causa de Jordy ou seu pai, não tinha importância. Minha mãe tinha ouvido falar sobre as alegações no noticiário.
Nos dias que se seguiram, os meus pais estenderam a mão para Michael, que ainda estava em turnê no exterior com o álbum Dangerous. Eles lhe disseram que estavam 100% convencidos de sua inocência e asseguraram a ele que estariam lá para apoiá-lo se ele precisasse deles.
Estar em turnê foi sempre uma experiência de isolamento para Michael, e uma hora depois, ele enviou uma fax. Faxes eram grandes naqueles dias, uma forma primitiva de mensagens de texto e nossa família começou a troca de faxes com Michael algumas vezes por dia, o envio de desenhos bobos e notas pequenas.
De primeiro, Michael disse aos meus pais para não se preocuparem sobre ele. Ele disse que era uma questão de extorsão, e que não deveriam acreditar no que viam e ouviam no noticiário. Ele não precisa elaborar. Meus pais já conheciam a verdade. Eles sabiam e confiavam em Michael em face de um mundo que o julgava com uma severidade que era tão ignorante quanto cruel.
Enquanto isso, Eddie e eu começamos a frequentar a nossa escola, a nova boa escola pela qual meus pais haviam se mudado para o novo bairro. Mas só uma ou duas semanas após o ano letivo ter começado, antes que eu mesmo tivesse a oportunidade de ver Piccoli Mike e suas habilidades de futebol alegadas, um telefonema inesperado veio de Bill Bray. Ele disse aos meus pais que Michael queria convidar toda a família para acompanhá-lo na turnê em Tel Aviv.
Minha mãe estava ocupada com o meu irmão Dominic, que tinha seis anos de idade, minha irmã, Nicole Marie, que tinha três anos, e meu irmãozinho, Aldo. Não havia como ela estava voar para Israel. Se partíssemos agora, Eddie e eu teríamos que faltar à escola, o que certamente era importante para meus pais.
Mas, em primeiro lugar, o que importava era que tínhamos um amigo em necessidade. Esta não era uma notícia local. Era global. E dado o alcance da fama de Michael Jackson, o número de vítimas das falsas alegações seriam exponencialmente mais prejudicial. Meus pais viram que as conseqüências deste escândalo poderia ter um efeito devastador sobre a carreira de Michael, e em toda a vida de Michael, e eles sabiam que ver a mim e a Eddie neste momento alegraria Michael.
Então, um dia depois que recebemos o telefonema de Bill Bray, eu, meu pai e Eddie entramos em um avião. Nós voamos de primeira classe para Israel. Nossa chegada em Tel Aviv foi cuidadosamente coordenada. Um carro nos pegou e nos levou por toda a cidade. Então, em algum lugar previamente combinado, o motorista parou e nos disse que iríamos trocar de carro.
Saímos do nosso carro e foram guiados por uma multidão de fãs para o carro de Michael. Quando entrei no veículo, dei no meu amigo um grande abraço e disse: 'Não se preocupe, estamos aqui por você, vamos passar por isso juntos.'
Michael sorriu e apenas disse: 'Obrigado.' Mas depois, meu pai me disse que Michael expressou sua gratidão a ele pela nossa visita. Michael disse que nunca iria esquecer esse ato de apoio, e que sua amizade com a nossa família era por toda a vida.
Desde que Michael teve um dia de folga, passamos o próximo passeio de várias horas, dirigindo por aí com um guia que era o chefe da equipe de segurança de Elizabeth Taylor.
Apesar do nosso dia ser bem planejado, porém não passou sem alguns contratempos.Como nosso guia nos levou até o Muro das Lamentações, por exemplo, um verdadeiro mar de cerca de 300 pessoas começou a a seguir o carro. Eles empurravam seus rostos contra as janelas do carro, tentando ver através do vidro fumê, alguns deles agitando presentes que havia trazido para sua estrela amada.
Helicópteros circulado sobre as nossas cabeças. Foi uma cena diferente de tudo o que eu nunca tinha experimentado. Essas pessoas estavam lá por Michael. Infelizmente, aconteceu chegar bem na hora da oração, provocando uma grande interrupção, para dizer o mínimo. Michael não tinha ideia de que este era um momento sagrado do dia, mas nos jornais do dia seguinte alegavam sua falta de consideração.
De volta ao hotel, Eddie e eu fomos com Michael ao seu quarto, distraindo-o, dando-lhe apoio e assistindo a filmes antigos no disco laser. Meu pai veio e se foi, certificando-se sobre nós e passando um tempo com seu amigo Bill Bray. Como vimos o filme de Bruce Lee - Enter the Dragon - Michael se levantou e começou a imitar os movimentos de karatê de Bruce Lee.
Ele falou conosco sobre cada detalhe do filme, comentando sobre detalhes técnicos e tomadas específicas, explicando exatamente o que ele adorava sobre Bruce Lee. Através dos anos eu iria ver Michael estudar qualquer número de grandes showmen: de Bruce Lee e Charlie Chaplin a James Brown, Frank Sinatra, Jackie Wilson, os Três Patetas e Sammy Davis Jr. Como ele estava fazendo agora, com Bruce Lee, Michael tinha um presente original para incorporar os truques de seus heróis em sua dança.
O chapéu, a luva, o pé- ele tinha tudo o que era de Charlie Chaplin. Há um movimento que ele usou quando cantou Billie Jean, onde ele deslizou seu pescoço para a frente e para os lados, em seguida, inclinou-se e fez uma estranha caminhada, ele conseguiu tudo isso observando os movimentos do Tyrannosaurus rex no filme Jurassic Park.
Como o filme acabou, Michael disse: 'Bruce Lee era o mestre. Nunca haverá ninguém como ele. Faça o que fizer, você deve dominar seu ofício. Seja o melhor no que faz.'
Mesmo neste momento difícil, Michael estava abrindo a minha mente de forma que eu não estava plenamente consciente na época. Ele estava me ensinando a ver as coisas de uma forma mais complexa do que eu estava acostumado. Em vez de apenas absorver entretenimento pelo valor de face e inconscientemente, eu estava começando a analisar a arte dele.
Mas estar com Michael não era apenas sobre como estudar as sutilezas da cultura pop. A próxima parada da turnê foi em Istambul, Turquia, onde ficamos em um enorme e bonita suíte do hotel. Sempre que Eddie e eu estávamos com Michael, ele sempre foi brincalhão, atirando almofadas ao redor e coisas assim, mas neste dia em particular, Michael, de repente, tinha um brilho travesso nos olhos e anunciou, quase num sussurro: ' 'Vamos bagunçar este quarto de hotel!!'
Isso parecia uma excelente ideia, então, juntamente com Michael, antes de sairmos de Istambul, Eddie e eu causamos estragos no quarto de hotel. Nós mudamos os sofás de posição para o outro lado da sala, deixando-os em ângulos estranhos. Nós inclinamos os quadros para que ficassem tortos nas paredes. Nós espalhamos pétalas de rosas por todo o chão.
Nada que fizesse alguém nos chamar de 'mestres do nosso ofício'. Como seu golpe de misericórdia, Michael jogou um garfo em uma pintura. No dia seguinte, nos bastidores do show, Eddie e eu estávamos sentados no camarim logo atrás de Michael, assistindo sua maquiadora, Karen, aprontando-o para ir ao palco. Michael nos avisou que Bill Bray estava furioso.
'Bill vai ter que falar com vocês' ele nos disse. 'Nós não deveríamos ter transformado aquela sala em uma lixeira. Eu disse a ele que a culpa foi minha e ele vai 'pegar leve' com vocês, mas ele tem que falar com vocês.'
Enquanto Michael se apresentava no palco, Bill Bray apareceu e deu-nos o inferno pelo o que tínhamos feito.
'Eu não acho que vocês percebam que temos que pagar pelo dano que vocês fizeram' disse Bill, de repente, olhando cada centímetro de seu tamanho não desprezível. 'Não podemos deixar os hotéis desta forma, isto reflete mal para Michael.' Bill ameaçou enviar-nos para casa, e Eddie e eu começamos a chorar. Eu me senti péssimo, como se fosse o fim do mundo.
Eddie ficou igualmente devastado. O apelido de Michael para ele era 'anjo' porque ele sempre tentou de forma árdua ser bom e respeitoso. Pedimos desculpas a Bill. Nós não queríamos causar problemas. Todos nós, incluindo a Bill, sabíamos que Michael havia sido o instigador da bagunça mas, mesmo assim, Bill queria que assumíssemos a responsabilidade por nossas próprias ações.
Se Bill pretendesse que fosse assim ou não, seu sermão para mim e Eddie fio um ponto de virada na minha vida, um momento que incutiu em mim um instinto precoce para proteger Michael e sua reputação, mesmo a partir de suas próprias ações, se necessário.
Nós éramos as crianças, era verdade, mas quando chegassem os impulsos de Michael, por vezes, teríamos que ser os adultos. Teríamos que pensar nas conseqüências para sua imagem e reputação em todos os momentos, mesmo quando ele não o fizesse.
Sobre o que estava acontecendo com família de Jordy, nós só falamos com Michael sobre isso quando ele tocou no assunto. Quando ele falava sobre isso, era muitas vezes em um tom melancólico, e eu poderia dizer que ele ainda estava tentando entender o fato de que essa coisa horrível tinha acontecido.
'Eu fiz tanto por sua família' dizia ele.
Eu quase sempre respondia com raiva, dizendo coisas como 'Eu só não entendo como ele pode fazer tal coisa!'
'Você não entende' Michael respondia. 'Eu não culpo Jordy. Não é culpa dele. É culpa de seu pai.'
Michael perdoou Jordy. Ele sabia que uma criança não viria para ele e atacá-lo impiedosamente de sua própria vontade. Ele acreditava que tudo veio do pai. Mais tarde, quando eu era mais velho, Michael me disse que o pai de Jordy queria investir em um filme que ele queria fazer.
Michael inicialmente gostou da ideia, mas seus conselheiros eram contra. Eles demitiram o pai de Jordy de vez, sem pensar, e Michael, sem um confronto, afastou-o também. Michael pensou que com isso, mais do que qualquer outra coisa, teria definitivamente deixado Evan Chandler de fora. (O filme que Chandler tinha escrito, Robin Hood: Men in Tights, acabou por ser produzido e dirigido por Mel Brooks e saiu no mesmo ano.)
Michael estava claramente chateado com as circunstâncias nas quais se encontrava, mas ele sempre manteve a compostura quando estava em torno de nós, lembrando que éramos crianças. Ele era sensível ao que poderíamos tirar desta experiência e ao efeito que teria sobre nossas vidas, bem como a sua.'



Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 14:30


'Em um certo momento, meu pai teve que voltar para casa, para seu restaurante e para minha mãe. De primeira, Michael aceitou isso, mas quando chegou a hora de irmos, ele foi para meu pai e rompeu-se a chorar.
'Eu sei que você tem que voltar ao trabalho' disse ele em meio às lágrimas 'mas eu estou perguntando se Frank e Eddie pode ficar aqui comigo. Eu realmente adoraria que eles ficassem. Você não tem ideia, basta ter todos vocês aqui por este curto período de tempo - tem me ajudado muito. Eu prometo a você, Dominic, eu vou cuidar deles e olhar por eles como se fossem meus.'
Já tínhamos perdido uma semana de escola. Se continuássemos a estadia com Michael, estaríamos viajando com ele de país em país, terminando o segmento europeu da turnê e depois seguindo para o Norte e Sul da América. Nós não estaríamos em casa até dezembro.
Faltar à escola por causa de uma turnê de rock era um grande negócio, e meus pais não eram cavalheiros sobre a decisão. Mas meu pai viu que Michael estava sozinho. Ele não tinha família ou amigos perto dele em turnê, apenas a equipe, e ele estava lidando com praticamente o pior tipo de acusações que um homem inocente poderia imaginar estar enfrentando, internacionalmente famoso ou não.
Uma coisa que não foi um fator na decisão dos meus pais eram as alegações que haviam sido feitas contra Michael. As pessoas podem questionar o julgamento de meus pais no envio de dois jovens para passar fora o tempo a sós com um homem que tinha sido acusado de molestar um outro menino.
Mas para nós, a sugestão de que estávamos em perigo era completamente absurda. Meus pais sabiam que Michael era inocente. Eles o conheceram bem, durante anos, e para eles ele era da família. Embora eles estavam cientes de quão estranho ele parecia ao mundo exterior, eles entenderam as idiossincrasias de Michael de sua perspectiva, e por esse ângulo entraram em um foco que lhes dava um sentido.
Quando ele usava uma máscara cirúrgica, as pessoas pensavam que ele estava escondendo alguma nova cirurgia plástica. Na realidade, ele estava, em primeiro lugar, protegendo-se de ficar doente antes das performances e, depois, ele descobriu que usar a máscara o fazia sentir-se como se ele estivesse disfarçado. (quando, na verdade, chamava mais atenção sobre ele)
Finalmente, isto se transformou em um tipo de moda, tendo suas máscaras cirúrgicas de seda feitas sob medida. Quando ele foi fotografado em uma câmara hiperbárica, os boatos começaram a voar de que dormia nela. Na realidade, ele a doou a um hospital local para ser usada no tratamento de vítimas de queimaduras.
Claro que, às vezes, Michael estava apenas sendo um personagem, brincando, mas o impulso para o seu comportamento nunca foi tão estranho como as pessoas sempre foram tão rápidos a assumir. Para nós, Michael foi o amigo mais engraçado, mais agradável e mais alegre que se possa imaginar. Com meus pais, seu comportamento era o de um tipo humilde e um adulto maduro, um brilhante e letrado homem com opiniões interessantes e atenciosas.
Meus pais passaram noites inteiras conversando com ele, aprendendo com ele. Eles o viam como uma boa influência sobre seus filhos. Acima de tudo, meus pais conheciam o verdadeiro coração de Michael. Eles estavam bem cientes de como Michael era responsável e amoroso, e eles tinham absoluta confiança nele, no seu pessoal e em seus homens de segurança.
Meu pai já tinha gasto uma quantidade substancial de tempo com a gente em turnê, então ele conhecia a equipe pessoalmente e conhecia os seus horários. Ele também tinha um relacionamento muito próximo com Bill Bray, responsável pela segurança. Houve um longo tempo, um elevado nível de confiança que já estava firmado no lugar. Nós estaríamos seguros.
Meu pai é extremamente protetor de sua família. Nós significamos tudo para ele, e ele nunca nos colocou no caminho do perigo. Na cartilha do meu pai, não importa a prisão, os pedófilos devem ser jogados aos lobos. (Ele é da Sicília, afinal...) Se ele e minha mãe tivessem dúvidas sobre a inocência de Michael, não importa quão fosse pequena, acredite em mim, meu irmão e eu não estaríamos lá, não ficaríamos por muito menos.
Eu quero ser preciso e claro sobre o registro, para que todos possam ler e compreender: o amor de Michael pelas crianças era inocente, e foi profundamente incompreendido. As pessoas pareciam ter dificuldade em aceitar todas as boas qualidades deste homem incrível, e estavam sempre a perguntar como poderia ser que ele fosse o maior artista do mundo, o maior dançarino e ainda desfrutar de passear com crianças o dia todo?
Como ele poderia escrever músicas complexas e dançar de forma explosivamente sexual músicas complexas e depois não haver nada além de interações inofensivas com as crianças com as quais ele cercava-se? Como ele poderia ter tantas idiossincrasias que pareciam estranhas ao observador do lado de fora - as cirurgias plásticas, as compras exóticas, os segredos - e depois não ser 'estranho' em outras formas mais ofensivas?
Sim, Michael teve personas diferentes. Da mesma forma que eu me tornei uma pessoa diferente, dependendo se eu estivesse em casa com minha família, viajando com Michael, ou de volta à escola em Nova Jersey. Da mesma forma que todos nós colocamos rostos diferentes para lidar com diferentes partes de nossas vidas.
Se as imagens diferentes de Michael pareciam extremas, foi apenas porque sua vida era mais extrema do que qualquer outra pessoa. Por todo o trabalho duro que ele teve durante a sua própria infância, por todo o perfeccionismo que conduzia a sua música, Michael desejava a simplicidade e a inocência da juventude, ele nunca a tinha experimentado plenamente.
Ele a reverenciava, ele a guardava como um tesouro e, especialmente através de Neverland, ele tentou oferecê-la aos outros. As pessoas tinham dificuldade para entender tudo isso, e muitos acreditavam no pior. Este equívoco foi a maior tristeza da vida de Michael. Ele o levou consigo até o fim. Estou aqui para dizer que eu conheci o verdadeiro Michael Jackson. Eu o conheci em toda minha infância.
Em todo esse tempo, ele nunca se mostrou nada além de um amigo perfeito. Nunca avançou de forma questionável nem fez uma observação sexual. Meus pais eram mais velhos e mais sábios do que eu ou meu irmão. Sua perspectiva era mais ampla e mais abrangente do que a nossa.
E eles confiaram Michael implicitamente. Quando meu pai falou com Bill Bray sobre a possibilidade de Eddie e eu ficarmos durante o restante da turnê, Bill disse: 'Sim, Michael tem estado 'para baixo'. Essas crianças o mantém 'para cima'.
Meus pais sabiam que seríamos uma grande fonte de conforto para Michael. Eles checaram com a nossa escola para ver se poderíamos fazer o nosso trabalho da classe com um tutor. Então, finalmente, meu pai disse as palavras mágicas: 'Vocês podem ficar.'








Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 14:35



Gstaad, a vila que acolheu Michael durante a Dangerous Tour
'E assim, meu irmão e eu estávamos em turnê com Michael Jackson. Meus pais voaram ao nosso encontro em várias cidades no roteiro, mas através de tudo isso, viajamos, assistimos a concertos e passamos o tempo com Michael.
Eu já o tinha como uma figura paterna e um amigo. No momento em que tudo acabasse, eu iria conhecê-lo como um entertainer. Eu também presenciaria e sentiria profunda compaixão pelas lutas que se iniciaram para Michael no dia em que ele foi acusado de abuso sexual e continuaram a persegui-lo pelo resto de sua vida.
Antes de ir para a América do Sul, a turnê teve uma pausa de uma semana na Suíça. Papai nos deixou em Gstaad, onde a amiga de Michael - Elizabeth Taylor - lhe tinha oferecido o uso de seu chalé. Gstaad era uma bonita aldeia nas montanhas, onde você poderia ver vacas andando pelas ruas entre as pessoas, balançando suas cabeças pesadas e soando seus chocalhos.
A primeira noite no chalé teve sopa de creme de frango em um hotel chamado Palace, logo abaixo da rua. Era tão gostosa que a pedimos novamente a cada noite. No chalé, havia uma doce vovó que cuidava de nós.
Ela era pequena e um pouco trêmula, e nos divertíamos lhe respondendo calorosamente, com um entusiasmo exagerado. Nós a abraçávamos e beijávamos até que ela desse uma risadinha, envergonhada. Fosse a sopa ou a velha senhora, achávamos que era engraçado estar 'por cima'.
Gstaad foi uma fuga perfeita dos rigores da turnê. Era uma cidade tão pequena e tão distante do resto do mundo que, no início, pelo menos, Michael podia andar livremente pelas ruas, sem disfarces, sem ser incomodado.
Esta foi uma rara alegria para ele. Em nosso primeiro dia, entrávamos e saíamos juntos das lojas pitorescas, admirando e comentando sobre tudo o que Gstaad que tinha para oferecer. Em algum ponto, eu decidi que iria começar a colecionar canivetes e isqueiros artesanais. Eu acho que eu tinha ouvido falar dos canivetes suíços, mas eu não tenho ideia porque eu pensei que precisava de mais de um.
De qualquer forma, uma vez que eu tomei esta decisão, nós três estávamos totalmente comprometidos com ela. Assim, no curso de nossa estadia, encontramos (e Michael comprou para a minha coleção) quase todos os canivetes em toda a cidade. Quanto aos isqueiros, gostava de usá-los para deixar pedaços de papel em chamas (Não, eu não era um piromaníaco, apenas um garoto adolescente).
Mais tarde, quando estávamos saindo da Suíça, Bill Bray me pediu para entregar meus isqueiros. Ele não os queria no avião por razões de segurança, então ele disse que os guardaria para mim. Depois de partirmos, eu nunca mais os vi. Infelizmente, Bill Bray faleceu há vários anos. Para onde os meus isqueiros foram é um mistério que ele levou para o túmulo, com ele.
Uma coisa que eu sempre vou lembrar sobre o nosso tempo em Gstaad, foi Michael me apresentando à nova música. Nós sempre ouvíamos música juntos, e sempre que estávamos em uma loja de discos, eu ficava em pé , ao lado de Michael, para ver quais os álbuns que lhe chamavam a atenção.
Eu também ouvia as canções que eram populares no rádio, mantendo-me a par dos hits atuais. Ele tinha um empregado cujo único trabalho era preparar fitas cassete de músicas de topo de cada semana, de todo o mundo, e enviá-las para Michael.
Enfim, de volta ao chalé, sentamo-nos extasiados, ouvindo por horas, com Michael atuando como DJ, dizendo: 'Você tem que ouvir essa canção. Agora você tem que ouvir este grupo.' Ouvimos Stevie Wonder e todas as estrelas da Motown. Ele nos fez ouvir a música de James Brown - Papa Don't Take No Mess - todos os quatorze minutos da mesma.
Ouvimos a música dos Bee Gees, How Deep Is Your Love? (Eu ainda acredito que é uma das maiores canções de todos os tempos.) Michael passou por Aaron Copland, a quem ele considerava o maior compositor do século XX.
Ele me apresentou a todos os tipos de música country-folk, clássica, funk, rock. Ele até me aproximou de Barbra Streisand. Eu me apaixonei pela canção People. Michael gostava de ir dormir ouvindo música clássica, especialmente as obras de Claude Debussy.
Eu me lembro dele colocando um grupo chamado Bread. Eu não prestei muita atenção à música porque eu estava muito ocupado tirando sarro do nome. 'Bread? (Pão?) Que tipo de nome é esse? Quer um pouco de pão com manteiga? E esse tipo de bobagem.
Mas quando me acomodei por um minuto e realmente ouvi em vez de fazer comentários sarcásticos, ele se tornou um dos meus grupos favoritos. Eu queria saber tudo o que havia sobre Bread. Sim, era o meu pão doce (trocadilho ruim...).
Michael muitas vezes falou sobre a universalidade da música. Ele queria escrever uma música que qualquer pessoa em qualquer país pudesse cantar, e como nós viajávamos, eu ouvia as pessoas que não falam Inglês cantar Man in the Mirror, Heal the World e, mais tarde, Stranger in Moscow.
Ele sempre disse que as letras das suas canções escreviam-se por si mesmas. Era tudo sobre a melodia. Um músico - Brad Buxer - estava conosco na turnê, e como eles compunham juntos, Michael dizia a ele: 'Toque o piano como uma criança de cinco anos de idade, Brad. Se você puder tocá-lo como uma criança, ela (a música) vai durar para sempre.'
Durante o nosso segundo dia em Gstaad, nevou, mas naquela noite, ao anoitecer, o céu clareou. Michael disse: 'Vamos fazer pedidos às estrelas.' Nós saímos para o quintal e olhávamos para o céu daquela noite incrível. Michael disse, com um toque de misticismo em sua voz: 'Cuidado com o que você deseja.. irá tornar-se realidade.'
De repente houve um movimento nas proximidades. Um homem apareceu ao lado do jardim. Ninguém estava hospedado na casa conosco, e essa aparição inesperada definitivamente não era algo que qualquer um de nós tivesse desejado. Em um flash, Michael deu um pulo e começou a gritar para tentar assustar o cara, mandá-lo embora. Michael jogou uma luva para ele. (Se o cara tivesse alguma noção, teria fugido com com aquela luva e a guardaria para seus netos.)
O cara levantou seus braços no ar, dizendo: 'Não, não, está tudo bem.' Enfim, ele era um trabalhador inofensivo que tinha vindo para verificar algo na casa, e naquele nós pudemos ver que, com todo o seu amor pelas coisas infantis e a absorção infantil que encontrava nelas, Michael absolutamente viu-se responsável por nós. Ele era o nosso protetor, e nesta posição, ele não tinha medo de nada nem de ninguém.
No dia seguinte, espalhou-se a notícia sobre o ilustre visitante que estava hospedado no chalé de Elizabeth Taylor, e alguns fãs apareceram. Tarde da noite, eles se reuniram fora do chalé e começaram a cantar algumas das músicas de Michael. Fomos à janela e passamos algum tempo conversando com eles.
Isso não era incomum: onde quer que fôssemos, Michael iniciava conversas com seus fãs. Ele queria saber de onde vinham, o que gostavam de fazer. Ele os amava, e não importa o quão grande fosse o seu número, ele nunca deixava de ver e respeitar cada um, como indivíduo.
Nos enxames de fãs que se encontravam onde quer que ele fosse, poderia ter alguém que prezasse sua solidão como Michael fazia, mas ele sempre encontrava uma maneira para mostrar sua apreciação, dando ainda mais de si mesmo para seus fãs. Ele era tão aberto às pessoas como o era às experiências, e esta, também, foi uma lição que eu aprendi com ele.
Um dos caras da equipe de segurança de Bill Bray, Wayne Nagin, foi a cada parada da turnê um dia antes de nós, para coordenar o transporte, hotéis e segurança. A segurança era importante. Dangerous foi a maior turnê de Michael. Os fãs sempre sabiam, de antemão, que ele estava vindo para a cidade.
Nós não poderíamos viajar sem escolta policial. Quando chegamos, a rota entre o jato particular e o hotel estaria cercada pelos fãs, como se toda a cidade tivesse sido fechada a fim de dedicar-se para receber a Michael Jackson.
Em Buenos Aires, a intensidade dos fãs parecia maior do que nunca. Enquanto nos dirigíamos para o aeroporto, centenas de pessoas perseguiam o carro, batendo nas janelas, querendo ver MJ por dois segundos, tentando tocá-lo. As pessoas nas calçadas acenavam para nós por todo o caminho para o hotel, como se Michael fosse o papa.
O carro se movia lentamente através das multidões. Às vezes, Michael colocava uma mão para fora da janela e as pessoas iam à loucura, gritando, até mesmo, desmaiavam, ao saber que ele estava tão perto. Eu provocava Michael, dizendo: 'Essas pessoas não desmaiam por você, você sabe. É por mim. Elas estão desmaiando por minha causa. Você não pode ouvi-las gritando? 'Fraaaank, Fraaaank!'
Ele sorria e brincava junto: 'Por favor, vocês não sabem quem eu sou?'
Michael queria ir às compras, mas era claramente impossível para ele aparecer em público sem ser assediado. Ele amava seus fãs, mas obviamente ele não podia se conectar com eles, em todos os momentos. A ironia é que todo esse amor, esse desejo de fazer contato, servia apenas para forçá-lo mais em isolamento.
Esta tinha sido a realidade de Michael durante tanto tempo que ele nunca pareceu incomodado com isso, e eu segui o seu exemplo. Nós nos divertíamos trabalhando em torno das restrições. Muitas vezes, um disfarce estava em ordem, mas nenhum óculos escuros do planeta iria camuflar a identidade de Michael. Nesta ocasião, em Buenos Aires, meu irmão e eu nos vestimos como nerds, usando chapéus engraçados, óculos e mochilas. Michael, para não ficar atrás, se disfarçava como se fosse fora um sacerdote em cadeira de rodas.
Em nossa expedição às compras, ficou inexplicavelmente apaixonado por uma estátua de Napoleão a cavalo e entrou em negociações vigorosas com o negociante de arte, para conseguir o melhor preço por ela. Como Michael gastava dinheiro de forma extravagante, ele ainda saboreava um bom negócio. Vê-lo disfarçar-se como um sacerdote, ou comprar uma enorme estátua por seis dígitos... bem, eu amei essa loucura.
De volta ao hotel, Eddie e eu tivemos que fazer o trabalho escolar que tinha sido enviado. Era para completar as tarefas e devolvê-las à escola. Os professores imaginavam que tínhamos recebido um tutor, e nós, de fato, tínhamos um... mas que mantinha sua identidade em segredo. Tínhamos quase certeza que a escola não iria aceitar a ideia de (termos) Michael Jackson como um tutor para viagem.
Certo, nós não tínhamos exatamente as horas regulares iguais à escola. As aulas aconteciam no meio da noite, às vezes, mas era Michael quem regularmente se sentava comigo e meu irmão e passava por nossas atribuições com a gente.
Quando tínhamos que ler livros, (Michael) lia capítulos em voz alta para nós, então, nós recapitulávamos o que tínhamos ouvido, perguntando: 'Então, quem eram os personagens principais? O que eles queriam? O que significa?' Da mesma forma que ele abriu as nossas mentes com os filmes que ele nos fez assistir, ele também encorajou-nos a pensar sobre a nossa lição de casa de forma diferente diferente da qual estávamos acostumados, e levá-las a sério.
Além das atribuições que a nossa escola tinha nos dado, Michael insistiu que mantivéssemos diários de nossa viagem.
'Documente esta viagem' ele costumava nos dizer... 'porque um dia você vai adorar olhar para trás e revê-la.' Em cada país, tínhamos que fotografar o que víamos, fazer alguma pesquisa sobre os costumes, e colocar o que tínhamos visto e experimentado em nossos diários.
Nós exploramos as diferentes culturas. Visitamos orfanatos e escolas. Eddie e eu começamos a ter uma maior consciência do nosso lugar neste grande, largo mundo. Só mais tarde fui sábio o suficiente para ser grato a meus pais por nos permitir ter essa experiência.
Eles reconheceram que a educação não se tratava apenas de leitura, escrita e aritmética. Eles entenderam que nós aprendíamos vivendo.'


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 14:40


'Michael pode ter sido o nosso tutor, nossa figura paterna e nosso amigo, mas no palco, ele se tornava outra pessoa. Fomos a cada show, em cada cidade. Às vezes eu usava pijama, eu estava em uma fase onde eu gostava de usar pijama em todos os lugares.
Como Michael aquecia a sua voz, o que poderia levar até duas horas, Eddie e eu brincávamos com jogos, assistíamos desenhos animados e comíamos doces no camarim, que sempre era abastecido do chão ao teto, com distrações açucaradas.
Quando chegava a hora dele se apresentar, geralmente assistíamos das cadeiras ao lado do palco. Às vezes, tínhamos que caminhar de volta para assistir ao show em um monitor ou conversar com a maquiadora Karen, e o estilista Michael Bush, mas na maior parte, noite após noite, eu observava atentamente.
O show nunca envelhecia. Estudei Michael, eu assisti os dançarinos, que estavam sob sua observação, eu via a reação do público, que sempre era fascinante para mim. Em todas as cidades, os shows de Michael geravam um entusiasmo incrível.
Ter essa energia em volta de mim era uma experiência nova para um menino de New Jersey. Era um sentimento no qual as pessoas poderiam unir-se, partilhando pensamentos e emoções, mesmo sem falar. Havia poder em Michael e em sua música, o poder de mover as pessoas e conectar-se a estranhos. Durante os shows, ele fazia o mundo sentir-se como um lugar menor, mais caloroso e harmonioso.
Eu adorava assistir os fãs do lado do palco, um mar de pessoas gritando, chorando, os desmaios, pendurados em seu ídolo a cada movimento. Eu sentava lá e pensava... Este ser divino que eles adoram é o cara que está me ajudando com a minha lição de casa. Muitas vezes, eu me perguntava como era possível ver as mesmas pessoas na primeira fila para o show, show após show, cidade após cidade.
Como eles poderiam se dar ao luxo de deixar seus empregos e suas vidas e seguir um entertainer de um lugar para outro? Aqueles de nós que fizeram parte da turnê tiveram o luxo de voar em jatos particulares, mas como é que esses fãs se deslocavam para cada cidade, a tempo para o show?
Havia um fã, Justin, a quem chamávamos de Waldo, em associação ao personagem do livro Where’s Waldo? - porque, se procurássemos o suficiente, poderíamos encontrá-lo em cada apresentação.
Como em sua última música no show, Michael cantava Heal the World, a cada execução um grupo de garotos se juntaram a ele no palco, em trajes de países de todo o mundo. Meu irmão e eu encontrávamos vestimentas de outras culturas e, em seguida, entrávamos no palco com o restante das crianças.
Tivemos uma dança engraçada que nós chamado A Casa, inspirada por Scott Schaffer, um funcionário de Michael, cujo apelido era House (Casa). Nós adorava mexer com House. Nós batíamos na porta de seu quarto de hotel, dizendo: 'House, nós temos algo para você.' Quando ele abria a porta, nós o 'surrávamos' com uma guerra de almofadas. Confie em mim, seria engraçado se você tivesse 13 anos.
Depois da dança House, criamos uma dança totalmente original, inspirado em sua técnica. Antes do show, nós diríamos: 'House, nós vamos fazer A Casa para você no palco, esta noite.' E logo ali estaríamos, Michael, Eddie e eu, fazendo A Casa, que envolvia... bem, era muito bonito ver os pés balançando de um lado para outro.
Ver um par de crianças dançando desajeitadamente no palco era uma coisa, mas o que eu amava era ver Michael, o maior dançarino do mundo, deixando de lado, naquele momento, todas as suas horas de coreografia e prática para realizar tal movimento bobo no palco, na frente de um estádio lotado com dezenas de milhares de pessoas. Tudo apenas para fazer um garoto dar risada.
Como essas piadas eram divertidas e memoráveis, nada no show poderia comparar com o momento em que Michael cantava Billie Jean. Michael era meu amigo. Ele me ajudava com o meu trabalho escolar. Tínhamos lutas de almofadas. Mas quando ele cantava Billie Jean, sua transformação era inspiradora. Assim que eu ouvia o início da batida, eu praticamente entrava em transe, meus olhos fixos em cada movimento seu.
Parte do brilhantismo de sua performance de Billie Jean era o fato de que, de alguma forma, parecia simples e fácil. Mas por trás da simplicidade, eu podia ver a profundidade da compreensão de Michael sobre composição e narrativa.
Para cada canção que ele executava, Michael sabia exatamente o que ele queria que a multidão visse, o que ele queria projetar, o que ele pretendia dar. Quando ele se apresentava, sua ambição era filtrada em todos os aspectos do seu ser, ele se tornava a canção. Você pode ver isso mais claramente em Billie Jean, mas estava lá em Thriller também.
Além da música, dança, vocais e do estádio em si, havia uma sensação de energia e magia que transcendia os elementos individuais do desempenho. A soma era maior que suas partes, algo maior e mais original do que qualquer um, inclusive eu, poderia ter esperado.
O público sentia a magnitude do brilho que Michael colocava em seu desempenho. Cada momento de criação de Billie Jean tinha sido líder até este momento, como se toda vez que ele cantasse a canção, antes tivesse sido apenas um ensaio para o seu lançamento nesta noite especial. Ele era UM com sua Arte.
Esta transformação era uma arte que Michael praticava e dominava. Ele me disse: 'Qualquer coisa que você diga ou faça, ou queira que o mundo veja, mentalize e ela acontecerá.' Michael pregava sobre canalizar o Poder do Universo muito antes de livros espirituais como O Segredo serem publicados.
Ele me disse que eu poderia conseguir qualquer coisa, se eu acreditasse nela. Eu tento aplicar essa filosofia a todos os aspectos da minha vida. Quando eu sei o que quero, estou imagino plenamente o resultado final. Dessa forma, toda a energia que eu coloquei ao longo do caminho me focam na direção certa: o produto final.
Billie Jean era originalmente intitulada Not My Lover (Não é minha amante). Quincy Jones, co-produtor de Michael em Thriller, na verdade, não a queria no álbum, mas Michael insistiu e ele estava certo. Tudo o que Michael fez foi incrível, mas se eu tivesse que escolher um desempenho de sua obra como a quintessência e culminação, seria Billie Jean. Toda vez que eu o vi desempenhar foi um momento impecável, cativante no tempo. Ele sempre me deu arrepios.
Como a turnê avançava, eu passei a conhecer alguns outros amigos e associados de Michael. Em Santiago, Chile, o dermatologista de Michael pagou-lhe uma visita. Michael tinha uma doença de pele chamada vitiligo. Ele havia me contado sobre ela no início daquele ano, em Neverland, explicando o que causava manchas na sua pele e tirar a sua pigmentação.
Ele me mostrou algumas fotos de pessoas que tiveram casos avançados, aqueles cuja cor de pele era escura. tinham manchas dramáticas e desfigurantes de branco por todo o corpo. Michael me disse o quanto ele odiava a doença, mas como ele se sentia feliz de ser capaz de pagar o tratamento, que envolvia clarear o restante de sua pele para uniformizar a cor. Michael disse que o seu dermatologista, Dr. Arnold Klein, era o melhor no negócio, todo mundo o procurava, mesmo Elizabeth Taylor.
Uma mulher chamada Debbie Rowe, que trabalhou para o Dr. Klein como uma enfermeira, acompanhou-o a Santiago para tratar a pele de Michael e para ver alguns de seus shows. (...) Na turnê eu testemunhei Michael trabalhar com Brad Buxer, o músico, na canção Stranger in Moscow.
Moscou tinha sido uma parada antes da turnê, antes de Eddie e eu termos chegado. Durante a sua estada na cidade russa, Michael estava se sentindo profundamente triste e sozinho por causa das alegações que ele estava enfrentando. Ele estava sentado no chão do closet em seu quarto de hotel, chorando, quando a música chegou até ele.
Brad foi diretor musical Michael musical e produtor musical pessoal de Michael, na época, e havia uma proximidade única com a sua colaboração. Michael contou a Brad a ideia para a música, dando-lhe uma melodia. Brad, que tinha montado um estúdio de gravação em seu quarto de hotel, criou a música em torno dessa melodia.
Eles trabalharam na música constantemente, Michael cantando elementos e dando batidas para Brad, e Brad os transformava em música. Ao assistí-los compondo, eu vi como uma canção começa com uma ideia, com acordes simples, e aumenta à medida que o tempo passa.
Michael dizia que ele gostava de deixar uma música se criar por si mesma. Ela lhe diria o que precisava. Ele espontaneamente começar a cantar e dançar em volta do hotel, enquanto a música evoluia em seu coração e mente.
Stranger in Moscow sairia no álbum HIStory. Será sempre uma das minhas músicas favoritas porque eu assisti Michael criar e produzi-la do início ao fim. Eu estava mesmo no set, quando gravou o vídeo, cerca de três anos mais tarde. Foi a música que me fez cair no amor com a arte de fazer música.
Michael foi me apresentando para um mundo extraordinário. Além de experimentar os concertos e a música, eu estava viajando, vendo novos lugares, conhecendo fãs e dignitários. Meu mundo inteiro ampliou dramaticamente e de forma permanente. Eu vi que o mundo era muito maior do que toda a escola secundária.
Eu aprendi a apreciar e respeitar as diferentes culturas. Mas a minha maior revelação pessoal foi descobrir a emoção de fazer arte significativa e ter as pessoas reagindo a ela. Michael, como meu mentor, reconheceu esse impulso e o alimentou em mim.
Quanto a Eddie, Michael viu os seus interesses e talentos e o orientou em outra direção. Eddie sempre foi um músico fantástico. Quando ficou mais velho, ele iria expandir seu conhecimento aprendendo os aspectos técnicos da produção de gravações. Michael sempre disse para Eddie: 'Seja um mestre nisso. Sua hora vai chegar. Seja paciente. Continue escrevendo. Mantenha o foco.'
Eu mal vi que sob a tutela de Michael, Eddie e eu estávamos tendo algo como experiências paralelas. Próximos como estávamos, nós não falamos muito sobre o que estava acontecendo na turnê, com Michael, e dentro de nós mesmos. Estávamos muito ocupados vivendo.
O que era quase impossível para nós compreendermos foi que, ao mesmo tempo que Michael nos uma experiência de mudança de vida, ele estava enfrentando um dos momentos mais difíceis de sua própria vida.'








Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 14:44


'O ano é 1993. Pense em todas as coisas horríveis que você ouviu sobre Michael Jackson em torno deste tempo. Pense em todas as piadas em programas de fim-de-noite, todos os rumores feios, todas as acusações e todos os nomes.
Agora imagine sendo a pessoa - a pessoa inocente - para quem toda esta energia e ódio ridículo e negativo está sendo dirigido. Imagine o estrago que lhe causaria, mesmo o mais forte dos homens.
Michael era um profissional. Embora as suas performances nunca sofressem durante esta época do julgamento, ele mesmo o fez. Ele dizia: 'Eu tenho pele de rinoceronte. Eu sou mais forte do que todos eles.' mas Eddie e eu pudemos ver a verdade por trás da bravata. As acusações que o pai de Jordy tinha feito contra Michael foram uma fonte de ansiedade implacável para ele.
À noite, às vezes, ele desabafava:
'Eu não acho que vocês percebam' ... e nós certamente não o fazíamos... 'Eu tenho o mundo inteiro pensando que eu sou um molestador de crianças. Vocês não sabem o que se sente ao ser falsamente acusado, ao ser chamado de Wacko Jacko. Dia após dia, eu tenho que subir no palco e me apresentar, fingir que tudo está perfeito. Dou tudo o que tenho, eu dou o desempenho que todos querem ver. Enquanto isso, meu caráter e reputação estão sob constante ataque. Quando eu saio fora dessa parte, as pessoas olham para mim como se eu fosse um criminoso.'
Eu acho que sem o nosso conhecimento, proteger ao meu irmão Eddie e a mim deram a força necessária para que Michael continuasse a turnê, enquanto ele pudesse. Especialmente Eddie, que tinha apenas 11. Michael era o responsável por nós. Ele não poderia desmoronar na frente das crianças. Ele tinha que ser forte para nós, e de alguma maneira, isso o ajudou a manter-se.
Quando chegamos na Cidade do México, ninguém, incluindo o próprio Michael, sabia que seria a última parada da turnê. Quer seja pela angústia mental causada pelas acusações de pedofilia ou o desgaste físico por realizar tantos shows, Michael estava em profunda dor, a cada noite.
Durante cada show, ele perdia muito líquido e estava em risco de desidratação, e ele precisava de um médico, às vezes dois deles, para ajudá-lo a se recuperar. Eles o visitavam durante todo o dia para dar-lhe os nutrientes e hidratá-lo. Ele bebia Ensure, um complemento de vitaminas e proteínas, para se reabastecer.
Mas, então, à noite, um médico sempre vinha antes dele dormir, para dar-lhe o que ele chamava de 'remédio'. Eu era uma criança. Tudo o que eu sabia era que o médico lhe dava este medicamento para ajudá-lo a adormecer. Só mais tarde eu saberia que era Demerol.
Michael foi introduzido à prescrição médica, em particular o Demerol, antes de eu conhecê-lo. Em 1984, seu cabelo pegou fogo enquanto ele estava gravando um comercial da Pepsi. Ele sofreu queimaduras de segundo e terceiro grau no couro cabeludo e no corpo. Eram terrivelmente dolorosas e os médicos prescreviam analgésicos.
Agora, em turnê, e novamente em profunda dor física, Michael havia voltado a essas drogas.Talvez ele estivesse simplesmente seguindo as ordens dos médicos: a sua adrenalina estava tão alta após cada show, que esta seria a única maneira dele poder dormir.
Por tudo o que sei, os tratamentos podem ter sido ideia dele. No entanto, ao longo do tempo, Michael começou a confiar no Demerol para relaxar após os shows, e muito provavelmente para escapar do estresse esmagador, da pressão e das responsabilidades de sua vida extraordinária.
Quem pode realmente imaginar como era para ser Michael? Fãs devotados gritavam em torno dele o dia todo, e à noite ele se apresentava por várias horas, como o Rei do Pop. Voltando para casa, ele teria que dar a marcha à ré, tentando descansar, a fim de fazer tudo de novo no dia seguinte.
Como impossível devia ser baixar do nível hiperativo do show para a calma completa do sono. Não era um caminho natural para um ser humano viver. Só uma máquina poderia ter feito isso. Esta era a sua agenda, o dia-a-dia. E então, em cima de tudo isso, o peso esmagador das falsas acusações de abuso sexual infantil.
Eu não poderia dizer que ele estava chateado, cansado ou oprimido, mas quando meu pai periodicamente se juntava a nós durante a excursão, ele via que Michael estava sob muito estresse e que isso o afetava de forma física.
Como eu vejo agora, quando ele ficava completamente esgotado e sobrecarregado, Michael tinha apenas duas opções. Uma delas seria dizer: 'Eu não posso mais fazer isso' e ir embora. Mas Michael era um perfeccionista. Ele não queria mostrar fraqueza.
Ele queria provar ao mundo que ele era inocente das acusações contra ele e que ele era forte o suficiente para combatê-los. Então, para ele, desistir não era uma opção. Sua única outra opção era usar algo que significaria que ele poderia simplesmente suportar. Michael não estava tentando obter alta. Ele tinha que ir em frente com sua vida, apesar das pressões intoleráveis, e ele fez isso da única maneira que poderia.
Na época, o remédio que Michael usava para dormir não afetou minha experiência com ele. O médico vinha, em seguida, e Michael ia para a direita da cama. Eu entendia que ele estava tomando remédio para ajudá-lo a dormir. Eu não sabia nada sobre a prescrição do remédio para dor. O médico estava lá para se certificar de que ele estava saudável.
Para o jovem adolescente que eu era, o mundo ainda era um simples lugar em preto-e-branco, onde os médicos sempre prescrevem medicamentos para curar seus pacientes. Eu supunha que meu amigo estava em boas mãos. Agora, quando olho para trás nessa viagem através dos olhos de um adulto, posso discernir um par de casos em que o estresse vivido por Michael diariamente, e a devastação que estava causando, eram evidentes.
Um exemplo ocorreu quando Eddie, Michael e eu estávamos fazendo o trabalho escolar. Michael parecia bem. Normal. Então, de repente, no meio de uma conversa, ele disse algo muito estranho. 'Mamãe' ele disse: 'Eu quero ir para a Disneylândia e ver o Mickey Mouse.'
Fiquei surpreso, confuso.
'Cabeça-de-maçã! Você está bem?' perguntei. Ao som da minha voz, Michael voltou à realidade. Ele parecia não perceber o que ele acabara de falar.
Quando eu repeti as palavras de volta para ele, ele disse: 'Deve ser o medicamento. Às vezes, o remédio me faz isso.' Essa foi a primeira vez que eu senti que ele não estava lá. Eu estava preocupado e, mais tarde, eu perguntei ao médico sobre isso.
Ele disse que esse lapso de Michael era um efeito colateral do remédio que ele tomava, que não era nada para se preocupar. Eu tinha treze anos de idade. Mais uma vez, eu confiei nos médicos. Por que não deveria? Só agora é que me parece que, se em um momento de confusão psíquica, Michael revelava suas verdades mais profundas, era simplesmente que ele queria ser um garoto cujos pais o levassem à Disneylândia.
Outra vez, em Santiago, houve o incidente na banheira quente do hotel. Eddie, Michael e eu estávamos em imersão na banheira de água quente, talvez brincando e vendo quanto tempo poderíamos manter nossa respiração subaquática.
(Por alguma razão, sempre que Michael fosse nadar, ele usava calças de pijama e uma camiseta. Ele nunca usava roupa de banho.)
Michael, de repente, disse: 'Eu vou segurar minha respiração' e mergulhou. O tempo passava. Mais tempo se passava. Olhava para Eddie nervosamente. No começo, eu poderia ver as bolhas subindo de seu nariz. Em seguida, não houve mais bolhas. Finalmente, eu não aguentei mais. Mergulhei para baixo e puxei Michael até à superfície. Eu disse: 'Cabeça-de-maçã, você está bem?' Ele estava consciente, mas não estava em si.
'Sim, eu não sei o que aconteceu' respondeu ele. 'Devo ter caído no sono.'
Isto pode soar estranho, mas apesar da maneira que possa parecer, eu estou quase certo que ele não estava usando remédios. Eu o conheci ao longo dos muitos anos e tive a oportunidade de desenvolver uma boa ideia de quando ele estava em algo e quando ele não estava, e em retrospecto, eu realmente acho que neste caso ele estava sóbrio.
Ele tinha um olhar atordoado em seu rosto, como se ele realmente não pudesse acreditar no que tinha acontecido. Ele continuou pedindo desculpas e dizendo que ele não queria nos assustar. Ele sabia que dependíamos dele e ele não queria mostrar a sua vulnerabilidade.'








Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 18:05


'No entanto, achei que Michael estava bem até que, antes de um dos shows na Cidade do México, Elizabeth Taylor, de repente, apareceu. Michael adorava certos ícones do cinema e Elizabeth era um de seus favoritos.
Ele se identificava especialmente com astros infantis atuais e antigos, como Elizabeth tinha sido, porque ele sabia que eles compartilharam algumas das mesmas experiências com as quais ele cresceu.
Meu pai foi realmente o homem que arranjou para que Michael e Elizabeth Taylor se encontrassem pela primeira vez. Foi o que aconteceu quando uma das filhas de Elizabeth estava se casando e ela estava hospedada no Helmsley Palace, ao mesmo tempo que Michael.
Embora ele estivesse saindo naquele dia, ele chamou meu pai ao seu quarto e disse: 'Dominic, por favor, entregue este bilhete a Elizabeth Taylor. Eu realmente adoraria conhecê-la.'
Ele entregou ao meu pai um bilhete escrito à mão. Meu pai o entregou devidamente à estrela quando ela voltou para o seu quarto, após o casamento. Quando Michael voltou para o hotel, dois ou três meses mais tarde, ele ficava perguntando ao meu pai: 'Você deu a carta a Elizabeth? Tem certeza de que ela a recebeu?'
Ele não podia acreditar que ela não havia entrado em contato com ele.
Um mês depois, Elizabeth finalmente o chamou, e na próxima vez que meu pai o viu, Michael, feliz, relatou que ele e Elizabeth jantaram. O resto é história. Ela era uma mulher amorosa, e foi muito maternal com Michael. Eles jantavam juntos quando seus caminhos se cruzavam e trocaram favores entre si: ela lhe emprestou seu chalé em Gstaad, ele recebeu seu oitavo e último casamento, com Larry Fortensky em Neverland.
Ela o visitou no hotel na Cidade do México, e Michael a considerava uma aliada confiável, então quando ela apareceu, ele ficou, inicialmente, emocionado. Mas nos bastidores, antes do show, Elizabeth levou a mim e a Eddie de lado:
'Michael tem que ir embora por um tempo' ela disse-nos. confidencialmente. 'Ele não está se sentindo bem, e vamos buscar ajuda para ele. Após o show, ele entrará no avião e nós o levaremos a um lugar seguro.'
Era isso. Michael estava indo para a reabilitação.
Michael, Eddie e eu estivemos juntos por quase dois meses quando, de repente nossa aventura Huck Finn* (* referência a um livro de aventuras) teve um fim abrupto. Michael sabia que Eddie e eu éramos parte de algo maior. Viemos com nossos pais, nossos irmãos e irmãs.
Nós tínhamos sido todos da família para ele durante o momento mais difícil que ele tinha experimentado em sua vida. Ele encontrou pessoas que o apoiaram e amado por quem ele era, não importa o que os outros diziam sobre ele.
Muitas vezes eu me pergunto o que foi que ele viu em mim e eu acho que a resposta era simples: nos meus olhos, ele se sentiu reconhecido, visto como seu eu real. Eu gostava dele, pelas mesmas razões que ele gostava dele mesmo. Ele era simplesmente um dos meus melhores amigos.
Eddie e eu assistimos o show final da noite, mas sabíamos que tudo tinha mudado. O resto da turnê seria cancelado e isso nos fez muito triste.
Após o show, Eddie e eu fomos com Michael para o aeroporto, onde um jato particular estava esperando. Nós dissemos nossos adeuses no carro, todos nós chorando como bebês. Michael embarcou no avião, que logo partiu para Londres, onde ele estava para entrar em reabilitação.
Ninguém além de nós sabia que Michael havia ido embora. Quando chegamos ao hotel, um guarda de segurança com uma toalha escura sobre a cabeça acenou para os fãs e entrou no hotel com a gente, fingindo ser Michael.
Naquela noite, Eddie e eu subimos na cama de Michael e ficamos acordados, conversando noite adentro. O quarto parecia estranho e vazio sem ele. Meus pais já estavam a caminho para nos encontrar, pois eles estavam planejando a visitar-nos novamente na Cidade do México.Quando eles chegaram, Bill Bray explicou a súbita mudança de planos.
Michael havia cancelado o restante da turnê e entrara em reabilitação. Os meus pais viram que Michael não estava bem, que ele precisava de uma pausa nas apresentações sem escalas. Eles não pensaram que ele estava entrando em reabilitação porque ele estava viciado em drogas, ou que tinham deixado os seus filhos aos cuidados de alguém que estava usando drogas, um pensamento que assustaria qualquer pai.
A relação de Michael com as drogas, que um dia se tornaria muito mais complicada e evidente, não estava em seu radar. De qualquer forma, eles estavam certos em confiar em Michael, ele nunca teria deixado que nada interferisse com o cuidado de seus filhos.
Nos últimos anos, Michael explicou-me que o cancelamento da turnê não teve nada a ver com o vício em remédios. Foi por causa que a data de sua próxima apresentação na turnê seria em Porto Rico, em solo americano, e se ele tivesse entrado nos Estados Unidos neste momento, havia uma chance muito real de que ele tivesse sido preso sobre as acusações de abuso sexual infantil.
Para evitar sua prisão, sua equipe veio com uma maneira de tirá-lo do resto da turnê. A única maneira de garantir que a parte da turnê que foi cancelada seria coberta pelo seguro seria se Michael optasse pela causa de um problema médico.
Então ele disse ao mundo que ele tinha um problema com remédios. Foi humilhante, outro sério golpe à sua reputação, mas ele não tinha outra opção viável.
Deixar a turnê em circunstâncias tão humilhantes deve ter sido devastador para Michael. Quanto a mim, no meu mundo próprio muito menor, depois de voar pelas cidades exóticas ao redor do mundo e fazer parte da turnê de um dos artistas mais famosos do negócio, tendo que retornar à oitava série, em Nova Jersey, seria um duro despertar.'








Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 18:09



'Eddie e eu deixamos o México em 13 de novembro de 1993, nossa fantástica viagem foi inesperadamente interrompida. Voltar à escola e me readaptar à minha rotina normal foi difícil. Antes da turnê, eu estava empolgado em conhecer uma nova escola em uma nova cidade.
Minha mãe me levou para comprar roupas novas e tudo, mas minha chegada dramaticamente tardia lançou um holofote sobre mim, e minha desculpa por faltar à escola era algo alucinante. Eu era famoso entre os meus colegas da oitava série, antes mesmo que eu pudesse conhecê-los.
Michael estava sendo acusado de abuso sexual infantil, e lá estava eu, um garoto que havia viajado com ele. Do lado de fora, eu tenho que admitir, ele parecia muito estranho. Nem todo mundo conhecia Michael bem o suficiente para confiar-lhe a maneira como meus pais fizeram.
Até mesmo o promotor enviou ao meu pai um fax expressando preocupação de que seus filhos estavam em risco, passando seu tempo com Michael Jackson. Meu pai ignorou. Talvez não surpreendentemente, a imprensa estava animada sobre mim e Eddie.
Eles montaram acampamento fora da nossa nova casa. Uma repórter, Diane Dimond, correspondente do Hard Copy, apareceu na porta da frente e enfiou um microfone no rosto do meu pai. As pessoas me seguiam quando eu saía da casa.
Às vezes, a mídia chegava fora da escola, fazendo perguntas às crianças, sobre mim. Os nossos novos vizinhos, que eram ainda estranhos, mais tarde disseram aos meus pais que os repórteres haviam oferecido notas de cem dólares para os seus filhos se eles pudessem obter fotografias nossas. A escola emitiu uma nota dizendo aos estudantes para não falar com a imprensa.
Dada toda essa confusão, Michael enviou seu chefe de segurança, Wayne Nagin, para ficar com minha família e nos ajudar a administrar até que a situação se acalmasse. Meus pais tentaram não fazer uma grande coisa sobre o que estava acontecendo. Se mantiveram simples, dizendo para Eddie e eu: 'Cuidado com o que você diz. Vá viver a sua vida.'
Mas a minha vida tinha mudado. Quando eu andava por um corredor na escola, ouvia outros alunos sussurrando: 'Esse é o garoto que estava com Michael Jackson.' Algumas pessoas pensaram que eu era estranho. Outras pessoas ficaram intrigadas. A garota mais popular da escola queria sair comigo. Isso foi legal.
Eu estava feliz de ir às festas com ela, mas eu sabia que seu interesse não tinha realmente a ver comigo. Fiz amizade com um cara chamado Brad Roberts, que entendeu que eu estava sendo julgado e era uma espécie de protetor para mim: eu sabia que ele estaria à minha volta.
Normalmente eu não me importava com um pouco de atenção. Um brincalhão incansável, eu fazia coisas como, secretamente fazer brilhar pontos de laser sobre as pessoas e vê-las tentar descobrir de onde a luz estava vindo. Eu era aquele tipo de criança. Mas, neste ponto, eu queria mesmo era mudar o foco para longe de mim mesmo.
A experiência de entrar na escola nesse ano mudou-me. Eu não era estúpido. Eu sabia que a atenção resultou da minha associação com Michael. Passei a ter muito cuidado com quem eu escolhia para ser seu amigo, o que eu dizia, e para quem eu dizia. E eu era geralmente reservado, mantendo minha boca fechada sobre tudo o que eu tinha acabado de experimentar.
Se a minha experiência poderia ter me dado algum status momentâneo, eu não estava interessado. Por alguma razão - provavelmente pelo exemplo dos meus pais - eu fui educado para ser leal. Eu queria proteger Michael e eu não sabia quem eu podia confiar.
Eu não sabia quais poderiam ser os motivos das pessoas, especialmente depois das acusações de Jordy. Foi difícil colocar minhas experiências com Michael de lado, mas a discrição veio com o território. Foi nessa época que eu realmente aprendi a dividir a minha vida. De um lado, estava a minha família e a minha vida social na escola, e na outra era a minha vida com Michael.
A maioria dos adultos fazem esse tipo de coisa em um grau ou outro: há uma divisão natural entre vida profissional e vida doméstica. A divisão entre o público e o privado que evoluiu na minha vida não era diferente. Eu nunca mencionava Michael, que era uma parte muito importante da minha vida. Passeios com ele, férias, telefonemas, risos, preocupações, lições de vida - eu guardava tudo para mim. Eu me tornei uma pessoa que pensava cuidadosamente antes de falar. Essa cautela nunca me abandonou.
No começo, Michael estava em um hospital de reabilitação em Londres. Minha família e eu falamos com ele, ao telefone, todos os dias, durante horas. Passávamos o telefone entre nós para lhe fazer companhia. Chegou a um ponto em que tive que instalar o que chamamos de uma bat linha só para ele.
A linha 1 era o telefone da casa, a linha 2 era o fax e a linha 3 era linha dedicada de Michael. Ele reclamava sobre a equipe do hospital que o tratava. O lugar era quase como um ala psiquiátrica - dizia ele - e ele sabia muito bem que ele não era louco.
Um dia, ele não aguentou mais e fugiu para a rua. Alguns atendentes foram atrás e o trouxeram de volta. Finalmente, Elton John entrou em cena e coordenou sua transferência para outro local de reabilitação de uma propriedade particular nos arredores de Londres, que era muito mais da velocidade de Michael.
Logo após a transferência de Michael, ele nos pediu para ir visitá-lo na reabilitação. O dia de Ação de Graças estava próximo, então meus pais deram o ok e Wayne levou a mim e a Eddie para Londres, durante quatro ou cinco dias.
Esta nova reabilitação se localizava em uma casa no campo, um ambiente aconchegante, lugar confortável,completo com lareiras. Michael estava realmente feliz por ver nossos rostos familiares. Ele nos deu uma turnê, apresentando-nos aos amigos que tinha feito e explicando sua rotina, como uma criança mostrando sua escola.
Pensando nisso, foi provavelmente, a experiência mais próxima de ir a uma escola que Michael já havia tido. Os pacientes tinham uma programação diária, passando o tempo com jogos, lendo, assistindo filmes e fazendo artes e ofícios. Michael era uma espécie de orgulho da obra que ele estava fazendo. Ele nos mostrou um dinossauro de papel que tinha feito e sorriu como uma criança.
Durante essa visita, Michael ficava para lá e para cá ao telefone, com o advogado Johnnie Cochran. Eles estavam falando sobre a resolução do processo de pagamento de família de Jordy - uma quantidade substancial de dinheiro para retirar as suas acusações.
Michael não queria resolver (desta forma). Ele era inocente e não via nenhuma razão para pagar às pessoas para que parassem de espalhar mentiras sobre ele. Ele queria lutar. Mas as coisas não eram assim tão simples. O fato é que Michael era uma máquina de fazer dinheiro, e ninguém queria que ele parasse de ser isso.
Se ele gastou seu tempo fora de sua carreira por um período de dois a três anos em julgamento, ele iria parar de produzir os bilhões de dólares em todo o mundo que o tornaram uma indústria. Porque as taxas legais de um julgamento custariam muito mais do que qualquer liquidação. Sua companhia de seguros, que era quem arcaria com esses prejuízos, estava determinada a resolver.
Johnnie perguntou se ele realmente queria ir a julgamento, se estava disposto a ter toda a sua vida exposta ao escrutínio público. Se ele concordasse, Michael poderia chamá-lo um dia: seguir em frente com sua vida e voltar a fazer o que ele fazia melhor. E assim Michael concordou em se contentar com o que eu acredito que foi algo na faixa de US $ 30 milhões.
Como eu viria a entender, ele não teve muita escolha na questão. No final do dia, a decisão de combatê-la em juízo ou resolver fora dos tribunais estava nas mãos da companhia de seguros.
O acordo tramitava antes de chegarmos à Inglaterra e foi finalizado enquanto nós estávamos lá. Michael agora estava livre para retornar aos Estados Unidos, e ele estava ansioso para voltar para casa. Então, depois de apenas dois dias em Londres, Eddie e eu nos juntamos a Michael em um jato particular para Neverland, para terminar a nossa visita.
Foi difícil para Michael voltar à Neverland, sabendo que havia sido invadida pela polícia, em busca de provas contra ele. Sua equipe já havia limpado, é claro, mas os itens pessoais, como livros, ainda estavam faltando e seriam devolvido apenas gradualmente.
Michael sentiu que a sua privacidade havia sido invadida. Mas Neverland ainda era sua casa, e era o lugar mais seguro.'









Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 18:13


'Michael tentou o seu melhor para não colocar o peso de seus problemas em nós. Houve momentos em que eu poderia dizer que sua mente estava em outro lugar, e ele se escusava de fazer um telefonema. Mas ele não queria a mim e a Eddie lidando com assuntos de adultos, e nós permanecemos, na maior parte, alegremente ignorantes, dando ênfase no 'alegremente'.
Enquanto Eddie e eu estávamos em turnê com Michael, tínhamos desenhado o projeto para os carrinhos de golfe, para usar em Neverland. Michael tinha ordenado a realização (do projeto) e eles estavam esperando por nós. Meu próprio carro de golfe!
Era praticamente tão grande negócio como conseguir meu primeiro carro, e era um sinal de que eu tinha um convite aberto para Neverland. Macaulay Culkin, a quem eu tinha encontrado um par de vezes em Nova York, por causa de Michael, era, juntamente com seus irmãos, um convidado freqüente em Neverland. Ele e Michael eram amigos desde que Mac atuou em Home Alone (nota do blog: 'Esqueceram de Mim' na versão brasileira).
Mac já tinha o seu próprio carrinho de golfe, o seu era roxo e preto. O meu era verde claro e preto. O de Eddie era preto com uma imagem de Peter Pan na frente. Os carros eram equipados com leitores de CD com um sistema de som soberbo. Nós pulávamos naqueles carrinhos e dirigíamos por toda parte, em grande velocidade.
Eu era mais aventureiro do que sou agora, e eu ia tão rápido quanto eu podia pelas íngremes estradas estreitas de terra, que se estendiam a partir do rancho para as montanhas, com quedas abruptas de ambos os lados.
À noite, como de costume, Michael, Eddie e eu fazíamos as camas, levávamos os cobertores e travesseiros para o chão do quarto de Michael. Como resultado das denúncias e da ação da Justiça, as inocentes qualidades infantis de Michael foram deturpadas como algo patológico e assustador, na percepção do público, mas nenhuma destas conversas tinha influenciado os nossos acordos de dormir, e nenhum de nós interrompeu este costume.
Todo mundo sabia que não deveria pensar em tomar o espaço ao lado da lareira. Esse era meu. Chamávamos essas camas improvisadas de 'gaiolas', e se alguém chegasse perto da minha, eu diria: 'Ei. Essa é a minha gaiola. Não pense em roubar minha gaiola!!' Eu colocava música clássica e adormecia ouvindo belas melodias junto ao calor acolhedor do fogo.
No entanto, porque eu, muitas vezes, tinha problemas para dormir, quando a casa estava escura e silenciosa, muitas vezes eu ia ao banheiro de Michael para ouvir música. Isso pode soar estranho, mas o banheiro tinha um incrível sistema de som com qualidade de estúdio, com alto-falantes Tannoy e tudo mais.
Michael tinha os alto-falantes instalados porque ele gostava de ouvir música enquanto ele se vestia e se preparava para o dia, e ele fazia bastante deles: Michael levava um longo, longo tempo para ficar pronto. Michael achava divertido que eu raramente dormia. Ele gostava de sugerir que eu mudasse a minha cama direto para o banheiro. Mas, às vezes, no meio da noite, ele perdia o sono e vinha ouvir (música) comigo.
Naquele banheiro, Michael mantinha uma porção de sua própria música: demos de coisas que ele queria gravar ou músicas nas quais ele estava trabalhando,ainda inacabadas. Então, era à noite, sozinho, que é principalmente quando eu mais as tocava, músicas que Michael nunca tinha liberado ou ainda em desenvolvimento. Às vezes, eu me sentava naquele quarto durante horas, ouvindo algumas músicas repetidas vezes. Era como se fosse meu próprio concerto particular.
Uma das músicas inéditas que eu mais amava era Saturday Woman, sobre uma garota que quer atenção e vai para festas em vez de utilizar o seu tempo em seu relacionamento. O primeiro verso era: 'Eu não quero dizer que eu não te amo. Eu não quero dizer que eu discordo ... ', então Michael murmurava o resto das linhas, porque ele não tinha certeza ainda.
O coro era: Ela é uma mulher de sábado. Eu não quero viver minha vida sozinho. Ela é uma mulher de Sábado.. eu não quero viver a minha vida toda sozinho. Ela é uma mulher de Sábado. Eu gostava de Turning Me Off', uma canção up-time que não tinha feito para o álbum Dangerous.
Uma canção chamada Chicago 1945, sobre uma menina que estava desaparecida; uma bonita canção chamada Michael McKellar, e uma canção que, eventualmente, saiu em Blood on the Dance Floor chamada Superfly Sister. Eu escutei essa música repetidamente por anos, antes de ser lançada.
Durante a gravação de uma canção chamada Monkey Business, Michael tinha esguichado seu chimpanzé Bubbles com água e gravou ele gritando em resposta, você ouve isso no início da canção. Essa música só estava disponível em uma edição especial do álbum Dangerous. Outra canção que eu amei foi chamada de Scared of the Moon, que sairia em Michael Jackson: The Ultimate Collection.
Michael me disse que escreveu essa faixa depois de ter um jantar com Brooke Shields, durante o qual ela lhe disse que uma de suas meia-irmãs tinha medo da lua. Ele disse: 'Você pode imaginar? Estar com medo da lua?'
Algumas das músicas que eu ouvia eram tão ásperas que elas eram apenas acordes com notas de melodias, mas eu penso comigo mesmo que ásperas e sem forma como elas eram, provavelmente poderiam ser hits. Eu conhecia aquelas canções inéditas tão bem que eu comecei a tocá-las no piano. Michael brincava: 'Veja, agora você está roubando minhas músicas. Você não tem mais permissão para ouvi-las!'
Ele dizia isso brincando e realmente meu jeito de tocar piano era ruim o suficiente que só ele era capaz de obscurecer o valor das canções, mas ele deixou claro que ele não queria me ver tocando sua música para qualquer um fora de nossa família.
Ele tinha a desconfiança que alguém pudesse roubar suas ideias, uma desconfiança que parecia inofensiva, no momento, era acerca da posse de um artista sobre a sua visão. Eventualmente, porém, diante dos nossos olhos, veríamos essa desconfiança se expandir muito além de sua música para se tornar uma parte dominante de sua personalidade.
Uma vez, no Beverly Hilton na Universal Studios, eu estava fazendo tudo o que foi que eu fazia no piano, e eu vim com alguns acordes. Toquei-os por um tempo, e antes que eu percebesse, eu juro que Michael estava tocando os mesmos acordes da canção em The Way You Love Me.
Eu lhe disse: 'Onde está a minha parte (nos direitos) da publicação?' Brincando, é claro, mas ele me levou a sério e insistiu que os acordes que ele estava usando eram diferentes. Michael e eu lutamos o tempo todo sobre quem estava pegando de quem.
Estar naquele banheiro era uma das minhas coisas favoritas sobre Neverland. Eu estava lá quase todas as noites. Tocava principalmente música suave: mesmo a música que ouço hoje tende para tristes e deprimentes. Mas, sentado ali, sozinho com os incríveis Tannoy e as inéditas canções de Michael Jackson, eu estava feliz.
Novamente, eu gosto de pensar que essa descontração jovial que Eddie e eu oferecemos a Michael o ajudou a suportar as tensões de sua vida. Eu permanecia em sua companhia, e eu o mantinha positivo. No entanto, havia rachaduras na fachada, momentos em que os olhos, de repente, escureciam e ele parecia flutuar para muito longe.
Eu sei que o argumento para a resolução por fora do tribunal com a família Chandler fazia um certo sentido, mas eu tenho que dizer que por mais incrível que o advogado Johnnie Cochran fosse, eu não acho que ele deveria ter assumido esse caso. Michael nunca mais foi o mesmo depois disso. Não lutar pela verdade custou um alto preço para ele. Ele foi o maior astro do mundo inteiro. As acusações não resolvidas lançaram uma sombra sobre seu caráter.
Elas danificaram sua reputação. Elas ameaçaram o seu Legado. E elas feriram a sua alma. A partir de então, as pessoas não souberam no que acreditar sobre Michael Jackson. Acima de tudo, eles desconfiaram sobre o seu Amor pelas crianças, algo que foi fundamental para o seu ser e que feriu muito mais do que o circo que a mídia havia armado sobre as acusações.
Durante a turnê Dangerous, Michael visitava orfanatos e hospitais. Em cada cidade que visitávamos, nós levávamos brinquedos para essas crianças, e ficou claro que Michael desejava poder adotar todos eles. Ele não podia ver uma criança sofrendo.
Houve momentos, durante as visitas, em que Michael desandava a chorar porque ele não aguentava ver uma criança com dor. Ele era movido e inspirado pela inocência e a pureza da juventude, e sempre dizia que, de todas as criaturas do mundo, as crianças eram as mais próximas de Deus.
Depois que a pureza e a genuinidade do amor de Michael pelas crianças foi posta em questão, ele se tornou um homem diferente. Inevitavelmente, suas relações com as crianças mudaram para sempre. Os dias da liberdade inocente com a qual ele brincava com as crianças estavam perdidos para sempre.
Além disso, agora ele podia ver o alvo que ele havia se tornado para as pessoas que estavam à procura de explorar suas excentricidades, para fins cruéis e egoístas.'


























Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 18:17


'Excluindo a família, Michael parou de sair com garotos da mesma forma como havia feito antes. Não valia a pena o risco. Além disso, se eu tivesse que resumir a mudança que eu vi, eu diria que Michael perdeu a confiança.
Não apenas em si mesmo, do jeito que ele faria com ousadia e fazer sem pensar duas vezes o que ele tinha vontade de fazer, não importa o quão não-convencional ou imaturo que poderia ter parecido, mas nos outros também.
Ele perdeu sua fé na decência fundamental dos seres humanos. Onde uma vez ele via apenas o lado bom das pessoas, agora estava preocupado com as intenções daqueles que o cercavam. Ele questionava as suas motivações.
Ele achava que todos ao seu redor estava tentando tirar vantagem dele, para manipulá-lo. Esse detalhe da desconfiança (que ele expressou sobre outras pessoas tentarem roubar suas ideias musicais) começou a se espalhar para outras áreas de sua vida.
Às vezes, mesmo que ele encontrasse alguém cujas intenções eram boas e sinceras, ele procurava razões para duvidar dessa pessoa. Ele criava cenários em sua cabeça que não existiam na realidade, como uma forma de garantir que ele nunca mais seria pego de surpresa. Minha família, no entanto, ficou isenta desta desconfiança crescente de Michael. Eddie e eu éramos crianças inocentes, e sua fé em nossos pais nunca vacilou.
Quanto à sua própria família, permanecia com ele, com a notável exceção de sua irmã La Toya. Ela emitiu um comunicado afirmando que ela pensava que as alegações poderiam ser verdadeiras. Mais tarde, ela disse que fez isso sob coação de seu marido abusivo. Michael finalmente a perdoou, mas ele realmente não a queria muito (por perto) depois disso.
Quanto ao resto de sua família, eu não vi Michael ter muito contato real com eles, mas eles lhe deram apoio em público, e Michael sempre disse que os amava e sabia que eles estavam do seu lado. Minha sensação era de que eles teriam feito mais para mostrar seu apoio, mas Michael os mantinha à distância, enquanto ele continuava mantendo outras tantas pessoas à distância.
Ele nunca explicou por que os membros de sua família foram excluídos da sua pequena esfera de intimidade, mas com o tempo, eu vi ele fazer tudo o que poderia para se proteger de inimigos reais e imaginários. A única coisa que eu nunca imaginei foi que um dia ele gostaria de acrescentar meu nome à lista.
Eddie e eu voltamos à escola, mas logo estávamos de volta a Neverland. Naquele Natal, o Natal de 1993, foi o primeiro Natal que minha família passou com Michael. Michael foi criado como Testemunha de Jeová, o que significava que, á medida que havia crescido, sua família nunca havia comemorado aniversários ou feriados.
Ele gostou da experiência do Natal, pelo menos uma vez com Elizabeth Taylor, mas como convidado de alguém da família, não como um membro da sua própria. Foi uma de suas fantasias ter uma grande família com quem pudesse partilhar a tradição de Natal. Então, desta vez toda a minha família viajou para Neverland, que foi rapidamente se tornando a minha casa longe de casa.
A casa foi decorada por fora com luzes brancas de Natal, grinaldas na porta, e guirlandas circundando os corrimões. No hall de entrada, havia um chapéu de Papai Noel na estátua do mordomo. Uma árvore grande e bonita dominava a sala de estar.
Na véspera de Natal, uma mulher vestida como Mamãe Gansa* apareceu na casa.
Nós todos nos sentávamos ao redor do fogo, até mesmo meus pais, tomando chá e comendo biscoitos enquanto Mamãe Gansa nos lia rimas e cantava para nós. Eu sei. Mamãe Gansa não é exatamente uma personagem do Natal. Mas ela se encaixava perfeitamente em Neverland.
Na manhã seguinte era dia de Natal. Foi a pressa habitual para abrir os presentes. Michael preparou o momento de forma clássica, escolhendo presentes debaixo da árvore e entregando-os. Michael compartilhava o meu sentido de humor invulgar: como eu já disse, estávamos sempre fazendo piadas uns sobre os outros.
Assim, para o Natal daquele ano, ele me comprou dez presentes. Dez! O que poderia haver neles? De um cara que você recebe o seu próprio carro de golfe personalizado sem nenhuma razão, o que poderia haver, eventualmente, em dez presentes de Natal? Abri um, por primeiro.
Era... um canivete. Ok, essa foi uma piada muito boa, pois afinal de contas, em sua companhia eu já tinha comprado todos os canivetes na cidade de Gstaad. Todos nós tínhamos dado boas risadas sobre isso, e, em seguida, Michael, que neste momento estava falhando miseravelmente em esconder um sorriso maroto, disse-me para continuar.
Então, abri o segundo: outro canivete. E outro. Até o momento eu estava feito, eu tinha dez canivetes idênticos. Nós rimos do início ao fim. Para não ficar atrás, tive um presente muito especial pronto para Michael.
O que você pode dar para um cara que pode comprar o mundo? Eu tinha preparado uma pilha de rolos de papel de toalha de banheiro, sacos plásticos, embalagens vazias e doces, envolvendo cada item com cuidado e colocando-os em uma caixa.
Sim, eu dei a Michael uma caixa de lixo para o Natal. Quando ele abriu, ele disse, imitando perfeitamente a imagem da sinceridade: 'Oh, muito obrigado. Você não deveria ter se incomodado. Você realmente não deveria ter.'
A partir de então, Michael sempre passou o Natal com minha família, em Neverland ou em Nova Jersey. Ele sempre aparecia em Nova Jersey, com um balde gigante de chiclete Bazooka. Michael constantemente mastigava grandes quantidades, fazendo bolhas enormes. Mascar chicletes como ele mastigava era perfeitamente aceitável para ele, mas sempre que eu fazia isto, ele dizia: 'Você pode, por favor, fechar a boca? Você parece uma vaca.'
Bazooka era seu chiclete favorito. Ele sempre dizia: 'É o melhor chiclete do mundo, mas você tem que manter gomas novas em sua boca.'
Na véspera de Natal, não haveria um peru enorme no jantar. Se estivéssemos em Neverland, poderíamos esperar uma aparição da boa senhora Mamãe Gansa, às vezes um mágico, e os presentes inusitados que você jamais poderia imaginar o que seriam:
Um ano de fornecimento de tampões, um pacote apetitoso de restos de comida do nosso jantar de véspera de Natal, uma coleção de anti-sépticos bucais e pastas de dente (uma referência a nossa antiga piada sobre um acusar ao outro de mau hálito).
Era histérico. Era estranho. Era tradição. Em suma, era Michael.'































Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 18:23


'Aquele ano de 1993, com as acusações por parte da família Chandler, havia sido o mais difícil da vida de Michael. Mas agora que o caso tinha sido resolvido, ele voltava sua atenção para um novo álbum: HIStory. Ele estava trabalhando nele no Hit Factory, estúdio de gravação em Nova York, que fica no Midtown, no Trump Tower.
Eu estava, é claro, ainda na oitava série, era um estudante corriqueiro, mas um jogador de futebol decente. Fiz alguns amigos e me estabeleci em uma vida bastante banal suburbana.
Mas quando Michael chegava à cidade, eu tinha uma outra vida. Depois da escola, meu irmão Eddie, eu e às vezes, o nosso irmão mais novo - Dominic - íamos para a cidade, passar a noite com Michael, então acordávamos cedo para sermos levados de volta a Nova Jersey, no carro de Michael.
Nos fins de semana nós queríamos visitá-lo ou ele vinha para ver toda a família, em Nova Jersey. Passávamos tanto tempo com ele quanto podíamos. Eu sei que não é encarado como normal um jovem largar tudo e correr para passar o tempo com um amigo adulto mundialmente famoso, mas parecia completamente normal e divertido para mim.
O apartamento de Michael no Trump era na parte de cima, com vista espetacular e acessórios em ouro nos banheiros. No segundo andar, havia três quartos. Ele transformou um deles em um mini-estúdio de dança, retirando os móveis e os recolocando em outro lugar.
Michael fazia uma versão disto em quase todos os lugares em que ia. No estúdio estavam os maiores oradores que já vi em toda minha vida: eles deviam ter cerca de cinco metros de altura. Michael também tinha uma câmera de vídeo na sala de dança, que ele usava enquanto estava trabalhando na coreografia para seus vídeos ou shows.
Quando ele estava dançando, deixava a música guiá-lo, e como resultado, após isto, ele não poderia sempre lembrar a seqüência exata de seus movimentos. Assim, ele revia as fitas para ver o que ele gostava e queria relembrar e reutilizar.
Nos fins de semana na cidade, muitas vezes íamos ao cinema ou livrarias, mas o que mais me lembro com carinho sobre essas visitas, era que Michael me apresentou às alegrias dos livros. Eu tinha dislexia, e a leitura sempre foi difícil para mim, mas quando eu reclamava que eu não gostava de ler, ele dizia:
'Bem, então você vai ser burro e ignorante para o resto de sua vida. Frank, você pode fazer o que quiser neste mundo, mas se você não tem conhecimento, você não é nada. Se eu lhe desse um milhão de dólares agora, você aceitaria? Ou você gostaria de ter o conhecimento de como fazer seus próprios milhões?'
Eu sabia que a resposta correta a esta pergunta era: 'Vou levar o conhecimento.'
'É isso mesmo. Porque com o conhecimento você pode dobrar o primeiro milhão em dois.
O primeiro livro que Michael me fez ler foi O Poder do Pensamento Positivo. Eu vi como as ideias que o livro citava se ligavam a algumas das coisas que Michael tinha estado a falar. Fiquei intrigado, e foi assim que a barreira entre mim e a leitura foi interrompida.
Assim como eu segui o exemplo de Michael nas lojas de discos, curioso sobre o que ele estava interessado em ouvir, comecei a ler os livros recomendados e ele acompanhava tudo o que acontecia, pela leitura.
Durante esse período, eu conheci os sobrinhos de Michael -Tito, Taj, TJ e Taryll -pela primeira vez. 3T, como o grupo musical que se formou foi chamado, ainda tinha que lançar seu primeiro álbum. Mas eu tinha ouvido as músicas e era um grande fã.
Desde o início, eu amei Taj, TJ e Taryll, que eram apenas alguns anos mais velho do que eu. Nós costumávamos dizer que eu estava indo para se tornar o quarto membro do 3T, e o grupo seria chamado 3TF.
Os sobrinhos de Michael também eram realmente ligados nos livros, e neste aspecto, eles foram uma inspiração a mais para ler. Na livraria, Michael dizia: 'Peguem o que vocês quiserem. É um investimento.'
Então, nós todos comprávamos um monte de livros, voltávamos para o Trump, onde cada um de nós iria encontrar um lugar para se espalhar com seus livros, canetas e cadernos. Nós chamávamos isto de nosso 'treinamento'. Nós dizíamos um ao outro: 'Hora de treinar!' - encontrar um lugar confortável e ler por horas.
Michael nos disse que devíamos amar nossos livros. Ele nos trouxe o hábito de beijar cada canto de um novo livro, como ele o fazia. Quando ele lia algo incrível, ele começava a bater palmas, ria e beijava o livro.
'O que você leu?' Todos nós perguntávamos... 'O que você aprendeu?'
'Não se preocupe' ele dizia. 'Só sei que acabou. É melhor vocês tomarem cuidado!! Eu vou dominar o mundo!'
Nós tentávamos agarrar o livro de suas mãos, mas ele provocava, deixando-o fora do alcance de nossas mãos.
'Não, não... Você não consegue ler isso ainda.'
Tenho certeza que se você tivesse perguntado a um típico americano como seria passar uma noite num quarto de hotel com Michael Jackson, seus três sobrinhos músicos e alguns amigos, eles nunca iriam imaginar essa cena.
Quanto ao que minha família sabia, durante este período, Michael estava dividindo todo o seu tempo entre trabalhar em seu novo álbum e sair com nós, as crianças. Nós estávamos com ele o tempo todo. E não tínhamos ideia de que ele estava se apaixonando. Ou, pelo menos, era a sua versão sobre apaixonar-se.
Então, em uma noite de primavera em 1994, quando Eddie e eu éramos os únicos a passar a noite com Michael, o telefone nos acordou a todos até às quatro da manhã. Era Wayne Nagin. Depois de atendê-lo ao telefone, ele nos contou que no dia seguinte sairia a notícia que ele tinha se casado com Lisa Marie Presley.
Eu estava incrédulo. 'O quê? Você se casou?' Eu perguntei a ele. 'Nós nunca sequer soubemos que você estava namorando alguém!'
Eu conhecia o nome de Lisa a partir das histórias contadas por Michael. Ele nos disse que, no passado, quando o Jackson Five se apresentava, às vezes, Elvis aparecia em seus shows, levando Lisa com ele. Mesmo quando criança, parecia que eles tinham uma paquera e Michael sempre teve um lugar especial para Lisa em seu coração. Mas eu não tinha visto nada disso. Eu acho que ninguém o viu, também.
Mas era verdade. Antes que Michael chegasse a Nova York nesta viagem mais recente, ele se casou com Lisa Marie. Mesmo os meus pais não tinham conhecido a respeito. Eu suspeito que Michael não lhes contou, porque quando lhe perguntariam o inevitável: 'Por quê?' ele não seria capaz de responder.
Ele não saberia como. Essa era apenas a maneira de ser de Michael. Ele manteve as várias partes de sua vida separadas uma da outra, e as suas razões para fazê-lo eram suas.
Agora que sabíamos, nós aceitamos de bom grado o casamento de Michael sem qualquer explicação em tudo, mas ele nos disse que ele tinha tomado a decisão por razões comerciais. Na época, ele estava fazendo negócios com o príncipe Al-Waleed bin Talal, que era conhecido como o Warren Buffett árabe.
Eles eram parceiros de negócios em uma empresa recém-formada chamada Reino Entertainment. De acordo com Michael, o príncipe e seus colegas gostavam de fazer negócios com os homens que tivessem família, e por isso ele queria Michael casado, como seu parceiro. Especialmente após as alegações, em 1993.
O príncipe estava investindo muito dinheiro no Reino Entertainment e acreditava que, ao se casar, Michael iria restaurar a sua imagem maculada. Assim, Michael tinha casado com Lisa Marie Presley. Ou então, era a história de Michael.
Meu pai, que tinha a perspectiva de um adulto em todo o caso, viu um cenário mais simples. Ele acreditava que Michael queria ser pai e esperava que ele tivesse filhos com Lisa Marie. Foi um namoro nada convencional, com certeza, mas Michael não levava uma vida convencional.
Será que Michael amava Lisa? Eu me faço essa pergunta nesse momento. Mas olhando para trás, tenho a dizer que se ele fosse se casar com alguém, ela seria a única. Primeiro de tudo, ele pensou que era uma grande história: o Rei do Pop casa com a filha do Rei do Rock. E, certamente, se alguém entendia o estilo de vida de Michael, esse alguém era Lisa.
Mas era mais pessoal do que isso: Michael confiava em Lisa. Depois do que ele tinha acabado de passar com os Chandlers, o sentimento de confiança era fundamental. Além disso, seu relacionamento anterior a toda a loucura da última década... ele a adorava e aos seus jovens filhos, Benji e Danielle.
Eles viajavam e visitavam orfanatos em conjunto. Tenho certeza que ele abriu seu coração para ela. O que fica em questão é o quanto Michael realmente queria ter um relacionamento adulto, e se ele era mesmo capaz de sustentar um.
Michael me disse que, ao crescer, tinha um gosto ruim na boca sobre o casamento. Assistindo seus irmãos suportar divórcios, ele resolveu nunca estar na mesma posição. Ele estava preocupado em passar por um divórcio e perder todo seu dinheiro.
Ele disse: 'Eu não posso sair e encontrar qualquer pessoa aleatória. Na minha situação, em quem posso confiar?'
A partir dessa perspectiva, era fácil entender por que Lisa foi uma escolha sábia.
Mas as questões que ele teve com as mulheres corriam mais profundo do que os temores sobre o custo financeiro do divórcio. Como eu, ele teve as paixões da juventude em que ele adorava as mulheres icônicas, pendurando suas fotos em suas paredes.
Michael tinha 35. Devido a sua posição no mundo, alguns destas mulheres foram Tatum O'Neal, Brooke Shields, Lisa Marie, que agora lhe eram acessíveis, mas não tenho certeza dele ter preferido as imagens à realidade.
No entanto, Michael estava se dando uma chance, fazendo o seu caminho, a notícia estava prestes a vazar. No telefone, Wayne Nagin disse que iria encontrar a mim e a Eddie no carro. Tivemos que deixar o hotel imediatamente, antes que as hordas de repórteres buscassem a Michael.
Michael sempre protegeu a mim e à minha família da mídia o melhor que pôde, como ele viria a proteger seus próprios filhos. Meia hora depois, corremos para o carro com cobertores sobre as nossas cabeças. Nós abaixamo-nos até que Wayne nos disse que ninguém estava nos seguindo. Wayne nos levou para casa em Nova Jersey, e com certeza, em um par de horas, a notícia do casamento de Michael e Lisa estava sendo transmitida em todo o mundo.
Um mês ou dois depois, em agosto, ele e Lisa voltaram para Nova York. Michael queria que a minha família a conhecesse. Então, todo o clã - meus pais e todos os cinco filhos - partiu em um carro para o edifício Trump e, de lá, seguiu a van de Michael para o Hit Factory. Nós nos reunimos em uma sala privada que o estúdio tinha criado para Michael. Estava cheia de doces, bebidas e brinquedos.
'Lisa' - Michael disse - 'conheça os Cascio. Esta é a minha família de Nova Jersey. Todos vocês, conheçam a minha esposa, Lisa.'
Foi estranho ouvir Michael chamada Lisa de 'sua esposa'. Mas, para ser honesto, eu achava que ela era sexy. Lisa foi muito boa para nós, embora um pouco quieta. Quem poderia culpá-la por ser reticente? Éramos um grupo de sete ítalo-americanos e havia um monte de personalidades diferentes na sala.
Eu imagino que ela estava tentando achar seu lugar. Eventualmente, ela entrava na conversa e claramente fazia um esforço e nós todos a acolhemos em nossa família.'




















Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 18:28


'Enquanto Lisa estava em Nova York com Michael, os víamos com freqüência, mas logo ela voou de volta para Los Angeles, e nós não a vimos novamente até que ela visitasse Neverland para o Ano Novo, em dezembro de 1994.
No Natal daquele ano, Michael e Lisa me deram uma máquina DAT e um mixador de estúdio. Muito mais útil do que dez canivetes. Talvez Lisa colocasse sua opinião sobre os presentes: afinal, foi ela quem me deu meu presente incrível. Na véspera do Ano Novo, fomos ao teatro de Neverland para assistir a bola cair na Times Square. Michael gostava de ver Dick Clark participar desse processo.
Nessa altura, Lisa e eu tínhamos chegado a nos conhecer um ao outro. Ela ficava mais confortável em torno de todos nós. Depois de sua volta, meu relacionamento com Michael mudou ligeiramente, como poderia não mudar?
Eu já não ficava em seu quarto com ele em Neverland. Mas estava tudo bem quanto a isso. Eu gostava de ficar nos bangalôs e eu estava aberto para o que Michael quisesse. Eu nunca tive a sensação de que eu estava perdendo ele, de qualquer maneira.
Apesar de seu casamento, o comportamento de Michael não mudou muito em torno de nós, e eu imagino que isso significava que Lisa estava vendo agora um outro lado dele. Não era apenas sobre seu novo marido gostar de brincar com balões de água.
Eu não achava muito sobre isso na época, mas agora que eu sou adulto, parece-me que pode parecer estranho para uma mulher recém-casada descobrir que seu marido já amava e parecia ser uma parte de outro família. Claro, Lisa Marie tinha que entender que em se casar com Michael, ela não teria uma vida convencional.
Mas não me surpreendeu ao saber que ela não tinha ideia de quanto tempo ele realmente passava conosco, ou se ela sabia, que ela tinha assumido as prioridades dele, começando a mudar uma vez que ele era casado.
Ainda assim, não era difícil ver os problemas que ele trouxe para o casamento, e o problema dele sendo um marido. E havia também o fato de que Michael não gostava de confronto. Lembro-me do dia em que ele começou a falar de permanecer no apartamento de Lisa em Los Angeles, com ela e seus filhos.
'Ela gosta de confrontar' dizia ele. 'Quando ela reclama, eu começo batendo palmas e sorrindo.'
Não havia sinal de autoconsciência em seu tom, a sensação de que talvez ele poderia ter lidado com a situação de forma mais madura. De qualquer forma, parecia satisfeito com a sua própria reação.
'Isso funciona?' Eu perguntei.
'Bem, isso a faz parar, e então eu lhe pergunto o que a fez discutir.'
Não é exatamente um diálogo que um terapeuta de casais aceitaria. Eu tive uma sensação de que as coisas não estavam indo muito bem. Tinham casado por um capricho, sem desenvolver qualquer capacidade de se comunicar sobre os problemas que podem surgir em sua vida juntos, e tinham expectativas muito diferentes para o relacionamento.
Por todo o seu estudo sobre as pessoas, seus gostos e desgostos, o seu profundo reconhecimento das palavras e o ritmo dos corações das pessoas sensíveis ao toque ... bem, Michael não parecia trazer qualquer profundidade ao seu casamento.
Michael também era uma estrela, alguém que tinha definido muito bem os seus caminhos. Ele estava habituado a estar sozinho e fazer o que ele quisesse, sempre que o quisesse. Em seus relacionamentos passados, eu imagino, os homens devem ter mimado Lisa.
Era algo que ela e Michael tinham em comum: seus mundos giravam em torno deles, mas essa dinâmica se tornou difícil para eles, tomar conta um do outro. Lisa tentou entender e acomodar-se à personalidade de Michael, mas eu acho que o ônus de fazer o trabalho de relacionamento caiu inteiramente em cima dela.
Tanto quanto eu poderia dizer, Michael nunca esteve emocionalmente lá com Lisa. Ela definitivamente tentou fazer o casamento funcionar, mas deve ter sido difícil para ela descobrir qual era o seu papel na vida complicada de Michael.
O álbum HIStory foi lançado em Junho de 1995. Michael não queria lançar um álbum de dois discos. Isso aumentaria o preço e Michael queria manter a sua música acessível para seus fãs. Mas a Sony queria fazer um disco de greatest hits e mais todas as músicas novas, e foi assim que o álbum saiu.
Ele foi bem recebido pela crítica e nomeado para cinco Grammys. Se tornou o disco duplo mais vendido de todos os tempos, de um artista solo.
Michael teve um intervalo entre o lançamento do álbum e o início de uma grande turnê, e foi durante este período que seu casamento com Lisa fracassou.
No final, a união durou cerca de um ano e meio. Quando eles se separaram no final de 1995, Michael afirmou que uma das razões principais é que Lisa estava com ciúmes de nós (ela nos chamou de a 'família de Jersey') e do relacionamento que tinha com a gente.
Ele preferia passar mais tempo com a gente do que com ela. Pessoalmente, eu não tinha visto nenhuma prova disso, e eu não acredito que minha família tivesse muito a ver com o fracasso do casamento, mas tenho certeza que Lisa tinha esperança de construir uma vida com Michael.
E eu posso certamente imaginar que esta vida não incluía uma família de New Jersey. Michael passou um pouco da responsabilidade para a minha família, talvez como uma forma de nos dizer o quão importante nós éramos, ou talvez para se convencer de que Lisa lhe pedia para fazer sacrifícios impossíveis, mas acredito que isso era apenas parte da rotina de sua vida maior, que ele não estava disposto a mudar.
Havia também a questão das crianças. Ambivalente como ele pode ter sido sobre ter um relacionamento sério com uma mulher, havia uma coisa que Michael tinha certeza: ele desejava ser pai. Em um ponto ele queria adotar uma criança da Romênia com Lisa, mas ela não gostou da ideia. Então ele queria ter um filho com ela, mas ela não estava pronta.
Globalmente, embora eles fizessem amor e tivessem uma quantidade enorme de respeito um pelo outro, eu não acho que eles estivessem conectados emocionalmente o suficiente para sustentar um casamento a longo prazo. Michael habitava o seu próprio mundo e tinha pouca vontade de sair dele ou ajustá-lo. Ele não sabia como estar em um relacionamento e ele não estava disposto a aprender.
Ele só sabia o que ele sabia. Casamento - com a sua partilha, conflitos e compromissos - simplesmente não funcionava para ele. Quando ele e Lisa se separaram, ele me pareceu estar um pouco triste, mas não inteiramente de coração partido. Isso, mais do que qualquer outra coisa, me disse que estavam em melhor situação um sem o outro.
Da minha perspectiva, Lisa Marie desapareceu tão abruptamente como tinha chegado. Aparentemente, ela e Michael estavam por perto, mas eu raramente voltei a vê-la. Embora eu nunca tenha tido ciúmes de Lisa, quando Michael me disse que estavam se separando, tenho que admitir que eu me senti um pouco aliviado.
Quero dizer, eu era um adolescente e ele era meu amigo. Em muitos aspectos, era como se fôssemos colegas do Ensino Médio, brincando juntos, se divertindo, conversando sobre as meninas.
Quando vocês são amigos de colégio e um dos caras namora com uma garota, as coisas inevitavelmente mudam. Eu sabia que ter uma esposa significava que eu iria ver menos Michael, mas eu aceitei a Lisa e gostava dela. É isso o que os amigos fazem.
Afinal, eu esperava ter a minha própria garota um dia, e quando esse dia chegasse, eu gostaria que Michael fizesse o mesmo por mim, como eu tinha feito por ele. Quando ele e Lisa se separaram, tudo o que significou para mim era que eu tinha o meu amigo de volta.'






Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Ter 17 Jul 2012 - 18:33


'Seis meses após o divórcio de Michael e Lisa, eu e ele embarcamos em uma clássica aventura de Buddy: uma viagem. Durante o verão de 1996, depois do meu segundo ano do ensino médio, e pouco antes dele começar o que seria o período de dois anos de turnê para o álbum HIStory, Michael e eu fomos para a Europa juntos. Porque os meus irmãos estavam com problemas na escola, era só nós dois.
Michael veio visitar minha família em Nova Jersey, antes de sairmos para a Europa. Uma tarde estávamos jogando videogame quando de repente ele disse: 'Frank, eu tenho que lhe dizer algo, mas por favor não mencione a ninguém.'
'Claro. O que é?' Eu perguntei.
'Eu vou ser pai.'
'O quê? Como?' Fiquei surpreso, para dizer o mínimo.
'Debbie está me dando o maior presente do mundo.'
A Debbie a quem ele se referia era Debbie Rowe. Ao longo dos anos, Michael tinha confiado no Dr. Klein e Debbie sobre o quanto ele queria ser pai, e como era difícil porque ele não podia confiar em ninguém.
Então, de acordo com Michael, um dia Debbie lhe disse: 'Você merece ser pai, e eu quero tornar o seu sonho em realidade. Vou gerar o seu bebê e fazer de você um pai.'
Quando ele me disse isso, ele estava o mais feliz que eu já vi, e fiquei emocionado por ele. Eu não fiquei chocado. Eu sabia que Michael poderia fazer qualquer coisa acontecer. Como ele estava explicando como tudo isso tinha acontecido com Debbie, ele disse:
'Espere um pouco. Eu quero tocar algo para você.'
Ele tocou uma fita em que ouvi a voz de Debbie. Ela disse algo como 'Michael, eu quero fazer de você um pai. Este é o meu presente para você. Eu não quero nada de você. Na verdade, se as crianças perguntarem onde sua mãe está, diga-lhes que ela morreu em um acidente de carro.'
Michael confiava em Debbie, e eu vi o porquê. Debbie trabalhava em torno das celebridades todos os dias. Ela não estava chocada. Tampouco era impulsiva. Em vez disso, ela era uma pessoa que ponderava os pensamentos, e tinha uma licenciatura em Psicologia.
Se ela fez esta oferta, a fez de forma consciente e estava fazendo isso porque ela realmente acreditava que Michael seria um grande pai. As intenções de Debbie eram verdadeiras. Ela quis dizer o que ela disse.
Michael iria ser pai. Fazia todo o sentido. Como meu pai diria mais tarde, Michael tinha muita prática 'correndo' com os Cascios.
Nossa primeira parada foi em Londres, onde Michael teve algumas reuniões. Depois que as suas obrigações ali foram feitas, ele teve algum tempo livre antes de ter sido programado para gravar duas canções em um estúdio na Suíça, e ele decidiu tirar proveito dele. No hotel ele veio a mim com a seguinte sugestão:
'Ei, vamos dirigir através do campo para a Escócia.'
Ele sempre voava, durante as turnês, voava por fora das cidades, e assim ele raramente tinha a oportunidade de passar algum tempo explorando-as. E com ele se preparava para ser pai, ele descobriu que essa poderia ser nossa última chance por um tempo para embarcar em uma viagem sozinhos.
'Absolutamente', eu disse. 'Vamos fazê-lo.'
Antes de entramos no ônibus que Michael tinha fretado para a viagem (o que... você pensou que íríamos fazer isso em um fusca?) nós fomos fazer compras de mantimentos. Ele disse: 'Nós vamos fazer um mapa mental.' Agora, crescendo na esfera de Michael significava absorver a sua filosofia one-of-a-kind.
Todos aprendem de formas diferentes, e eu tive um professor raro e inspirado. Um mapa mental, como eu aprendi naquele dia, era um livro no qual teríamos que colar fotos de coisas que nos inspirava: lugares, pessoas, imagens das quais gostamos e o que esperávamos alcançar.
Materiais necessários: pilhas de revistas cheias de fotos, cadernos em branco, cola e tesoura. Compras feitas, embarcamos em um ônibus grande de luxo equipado com confortáveis ​​sofás e camas, e logo estávamos partindo de Londres a caminho de Loch Lomond.
Um motorista e dois seguranças nos acompanharam. Michael e eu tínhamos o quarto na parte de trás do ônibus. Quando não estávamos no cenário, nós estávamos na sala de trás, fazendo nossos mapas mentais. Fazer mapas mentais era novo para mim, mas não foi o primeiro exercício que Michael tinha me dado sobre a forma como eu poderia conceber e planejar meu futuro.
Michael já havia me dado alguns de seus livros favoritos sobre o sucesso: O Maior Vendedor do Mundo, O poder da sua mente subconsciente, Visualização Criativa, e muitos, muitos outros ao longo destas linhas. Agora, enquanto trabalhávamos em nossos mapas mentais, ele me ajudou a ver que as oportunidades eram intermináveis.
Não havia limite para o que se poderia alcançar. Ele falou sobre como seu álbum Off the Wall vendeu extremamente bem, e que depois ninguém pensou que ele poderia superar o seu sucesso. Ouvir isso só fez com que ele ficasse ainda mais determinado em seu próximo álbum, Thriller, que seria o álbum mais vendido de todos os tempos.
Na verdade, seu objetivo com Thriller era vender cem milhões de cópias no mundo todo. Essa era a sua meta, e ele conseguiu. 'O talento que é dado por Deus te leva tão longe neste mundo... ' ele me disse. Ele alcançou o sucesso porque acreditava que ele iria fazê-lo.
À medida que a paisagem deslumbrante rolava, Michael estava deitado na cama, e eu me sentei no chão do ônibus, nós folheávamos revistas, recortávamos imagens, provocávamos nossos pensamentos com palavras e frases, falando sobre os castelos dos quais Michael queria ser dono, sobre as garotas que ele gostaria de namorar (a princesa Diana estava no topo da sua lista), quais hotéis e resorts eu fantasiava possuir, o Awards da Academia e o Grammy que eu esperava ganhar.
Eu estava prestes a completar 16, eo mundo parecia ilimitado. Era fácil para mim ouvir Michael dizer que ele queria um castelo e responder: 'Sim! Eu quero um castelo, também!' Foi o momento perfeito e o lugar perfeito para ter fantasias desproporcionais e refletir sobre o sentido da vida.
Michael também recentemente tinha me apresentado à meditação. Na primavera antes de de nossa viagem para a Europa, eu tinha passado duas semanas de minhas férias com Michael em um bangalô no Hotel Beverly Hills. Eu sabia que ele muitas vezes meditava, e nessa viagem eu lhe disse que queria experimentar também. Ele me incentivou desde o início.
'Você deve definitivamente fazer isso. É um tempo para pensar por si mesmo, limpar a cabeça, e manifestar o que você gosta. Quando você medita, é como plantar uma semente. Você planta uma semente em sua mente, e sua mente irá manifestar a realidade.'
Quando estávamos hospedados no Hotel Beverly Hills, o motorista de Michael, Gary, se tornou um guia de meditação. Agora, Gary não era exatamente o candidato mais óbvio para ser um guru espiritual, especialmente considerando o quanto tempo Michael e eu o fazíamos de alvo de nossas piadas bobas.
Eu conheci Gary quando ele nos pegou - a mim e a Eddie - no aeroporto a primeira vez que fomos para Neverland. Gary era do Texas, e ele gostava de escrever música. Ele era muito sincero sobre suas canções, e elas eram tão ruins que chegavam a ser grandes. Uma vez ele disse: 'Sr. Jackson, eu gostaria que o senhor ouvisse essa canção que eu escrevi ontem à noite. Trata-se de um falcão vermelho.'
'O que inspirou essa música?' Michael perguntou.
Gary disse-nos que ele estava parado em sua janela e um pássaro (não um falcão) voou e fez um barulho que parecia de Gary como as palavras 'falcão vermelho'. A história de sua inspiração fez a mim e a Michael rachar de rir. Ele tinha uma outra canção chamada Powder Blue. Conhecíamos cada palavra.
'Gary, você deve sair em turnê' - Michael dizia - 'As meninas vão brigar por você.'
'Puxa, Sr. Jackson, eu não penso assim', Gary respondia.
Em 1996, Michael tinha feito um concerto para o sultão de Brunei em seu quinquagésimo aniversário. Ele levou a mim, Eddie e Dominic à Brunei com ele. Estávamos hospedados em uma das casas de convidados do sultão.
(Ele tinha cerca de 20 casas de hóspedes, todas compostas com porteiros e cozinheiros, que teriam sido considerados casas de luxo nos Estados Unidos.)
Antes de nós partirmos para Brunei, Gary tinha nos dado uma fita cassete de seus maiores sucessos. Eu nunca vou me esquecer de quando nós quatro de nós rodamos em um carrinho de golfe em torno da propriedade do sultão.
Já estávamos a cinco minutos da casa quando Michael percebeu algo. 'Oh não!' Exclamou. 'Esquecemos o Greatest Hits de Gary!' Viramos o carrinho de golfe ao redor e dirigimos de volta para pegar a fita. Enquanto nos dirigíamos em torno dessa terra estrangeira, nós quatro cantávamos as músicas de Gary a todos pulmões.
Conhecíamos cada palavra de cada música. Nós éramos seus maiores fãs (e possivelmente os únicos). Nós brincávamos com Gary, mas era só porque nós o amávamos. Ele estava com Michael há muito tempo e era completamente leal.
E, no entanto, quando chegou à meditação, um Gary amigável e ingênuo provou ser um instrutor natural. Ele me ensinou a técnica no Hotel Beverly Hills. Em seu quarto de hotel ele tinha feito um pequeno santuário com velas e um lenço espalhados no chão.
Ele me disse para fechar os olhos e respirar fundo. Gary estava fazendo muito a sério, e assim o fiz também. Após vários dias desta prática, ele me deu o meu mantra, um som que eu continuo a usar para me colocar em um estado meditativo, no qual eu não estou pensando, mas estou ao mesmo tempo no controle de meus pensamentos.
Agora, durante a nossa viagem de ônibus pela Escócia, Michael e eu começamos a meditar juntos. Michael controlava o tempo, e nós meditávamos durante vinte e cinco minutos, com um descanso de cinco minutos no final. A partir de então, sempre que estávamos juntos, fazíamos um ritual de meditação pelo menos uma vez por dia. Mantínhamos o foco. Era como ter um amigo no ginásio. Depois desta viagem, meditar era algo que continuaríamos a fazer juntos por anos.
E assim fizemos nossos mapas mentais, meditado, e pensando sobre como nossas mentes funcionam e quais eram os nossos lugares no Universo. Eu ainda tenho o mapa mental que eu fiz naquela época, e olhando para trás, vejo as fantasias que eu tinha então, elas evoluíram para as metas que eu tenho hoje.
Eu queria apartamentos em Los Angeles, Nova York e na Itália,todos eu acabei tendo, em um momento ou outro na minha vida. Eu queria ter um hotel e um time de futebol, e ambos esses sonhos quase se tornaram realidade. Eu queria produzir filmes e música, no que eu estou trabalhando agora. E eu queria ser modelo. (Eu tinha dezesseis anos. Dê um desconto ao garoto.)
Sem perceber, no momento, uma das primeiras lições que eu tinha absorvido de Michael tinha a ver com entender as oportunidades que vêm com o poder, a ambição e o autoconhecimento. Pensar nesses termos é suficiente para fazer uma criança crescer para mudar o mundo.
Com frequência, gostávamos de pedir ao motorista para parar o ônibus. Nós tínhamos de sair e olhar em volta, e Michael falava sobre onde estávamos, o que estávamos vendo, e por isso era importante. Lembro-me de parar o ônibus para assistir a um por do sol em particular.
Havia uma extensão de grama verde, belas e altas árvores moldaram nossa visão.
'Olhe para isso' - disse ele - 'Você sabe que há um Deus, quando você vê uma paisagem como essa. Nós somos tão afortunados por ter a oportunidade de viajar assim. Se as pessoas vissem isso todos os dias, eles provavelmente cuidar melhor desta terra.'
Michael me ensinou a ver a natureza. Se eu não o tivesse tido como um guia, eu nunca poderia ter aprendido a fazer uma pausa na beira da estrada e deixar a paisagem tem seu efeito sobre mim. Eu não me importo o quão cafona pareça. Michael estava aberto sobre amar a nossa terra com grande paixão. Ele queria ajudar a preservá-la para sempre. Eu o ouvi dizer isso antes, tanto na pessoa e na sua música, mas agora, como tomamos tempo para apreciar a obra de Deus, o senti de uma nova maneira.
Um dos livros que Michael me disse para ler na viagem foi Jonathan Livingston Seagull*...
... de todas as gaivotas, vi que havia mais vida além de ser uma gaivota, mais do que aquilo que estava bem na frente dele. Michael queria viver dessa maneira, voar além de todas as expectativas, para viver uma vida extraordinária. Ele instigou essa ambição em mim muitas vezes, me perguntando:
'Você quer ser Jonathan, ou uma das outras aves?'
Essa viagem de ônibus foi um dos momentos mais memoráveis ​​que passei com Michael. Nunca se tornou cansativo. Nós nunca brigamos. Andamos pela Escócia, falando sobre a vida, a ligação, e como as milhas desligaram o odômetro, a nossa troca tornou-se menos o de um professor e seu aluno e mais de seus pares.
Não importava que eu fosse mais de vinte anos mais jovem. Pela primeira vez, Michael e eu começamos a ter um diálogo real.
'Tudo o que você tem que fazer' - ele disse - 'é estudar essas imagens e essas palavras. Olhe no espelho e diga a si mesmo o que você quer que aconteça. Faça isso todos os dias, e isso vai acontecer.'
'Só isso?' Eu perguntei. 'Isso é tudo que você precisa fazer?'
'Não é apenas sobre os pensamentos e palavras. É uma emoção que se move através de seu sangue. Você tem que sentir e viver todos os dias até que você acredite.'
'Uau', eu disse. Eu fiquei encantado. 'Isso faz muito sentido. Então é isso que você faz com sua música!'
'Sim, Frank, exatamente, correto! E logo eu vou usar a mesma fórmula para fazer filmes.'
Nossas trocas eram sinceras e significativas para nós dois. Eu ainda era jovem, é claro, mas Michael viu que eu estava curioso e ambicioso, e como meu professor de vida, ele abraçou a oportunidade.'






Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 7:38



.
My Friend Michael (21)

'Nessa viagem, a viagem era mais importante que o destino. Mas, eventualmente, o nosso grande ônibus passou por uma estrada de cascalho rumo a um hotel-castelo em Loch Lomond.

Já estava escuro quando chegamos. Fomos recebidos por um recepcionista com óculos redondos. Eu acho que seu nome era Herron. Ele parecia calmo e profissional, mas ao andar pelo nosso quarto, ele disse:

'Bem, há um fantasma no seu quarto.'

Michael e eu olhamos um para o outro.

'Ótimo, um fantasma. Qual é seu nome?' Michael perguntou.

'O nome dela é Katherine', respondeu Herron.

Era o nome da mãe de Michael.

Chegamos ao quarto e nos acomodamos depois da meia-noite. Os seguranças foram para a cama, mas Michael e eu estávamos vagueando. E parecia que tínhamos estado dentro daquele ônibus desde sempre. E havia um fantasma em nosso quarto. De jeito nenhum nós estávamos prestes a ir dormir. Sem perder o ritmo, Michael disse: 'Vamos explorar.'

Andamos pelos corredores vazios: era um grande hotel. Onde estavam todos os outros convidados? nós nos perguntamos. Estavam todos dormindo? Nós nos dirigimos para fora, junto ao lago, para ver se nós poderíamos chamar o Monstro do Lago Ness.

Então, esse era o lago errado. Ness era um monstro misterioso. Quem sabia onde ele poderia aparecer? Além disso, era muito bonito junto ao lago. O ar estava fresco e frio, embora não houvesse sinal de Ness. Michael disse:

'Este lugar é estranho. Por que não há carros no estacionamento?'

De repente Herron, vestido de preto, apareceu ali mesmo ao nosso lado. Um reflexo da lua brilhava em seus óculos redondos. Ele nos assustou.

'Posso ajudar?' - ele perguntou em um estranho tom monótono - 'Eu não quero que vocês vão longe demais e se percam.'

O castelo assombrado, o lago, o recepcionista assustador. Era saído de um episódio de Scooby-Doo. Eu tinha certeza de que se alguma vez eu visse o fantasma de Katherine, eu seria capaz de puxar a máscara para revelar que ela era realmente ninguém menos que Herron, vestindo-se como parte de algum esquema que ele tinha inventado a fim de se tornar rico.

'Oh, eu sinto muito', Michael disse, tentando o seu melhor para disfarçar quão estranho tudo parecia para nós.

'Eu só queria ver a propriedade. É tão bonita.'

Michael amava ser gentil com as pessoas, ser efusivo e lisonjeador, então ele começou falando sobre a forma como estávamos encantados com o hotel, o quanto ele era original, e como Herron estava fazendo um trabalho maravilhoso cuidar do mesmo.

Eu me diverti. Então nós perguntamos a ele tudo sobre o monstro do Lago Ness e se ele já o tinha visto.

'Eu nunca o vi', disse Herron, provavelmente pensando em dizer: 'Vocês, turistas idiotas. Esta é Lago Lomond.'

Houve um silêncio constrangedor. Em seguida, Michael disse: 'Está frio aqui fora. Nós vamos descansar um pouco.' Nosso anfitrião nos levou de volta para o hotel. O lugar estava quieto como um túmulo, e até agora pensávamos que éramos definitivamente os únicos hóspedes.

Depois Herron nos acompanhou de volta ao quarto, agradecemos, lhe demos 'boa noite' e fechamos a porta atrás de nós. Mas nós ainda não estávamos nem remotamente cansados. Não havia nada a fazer além de continuar a nossa investigação deste grande e vazio hotel.

Nós saímos para o corredor. Lá, andando pelo corredor, estava uma jovem mulher em um belo vestido de noiva branco. O cabelo dela estava volumoso em cima e em cascata sobre os ombros em cachos longos. Ela olhou para nós sem abrandar. Em seguida, ela se foi. Michael e eu ficamos em silêncio, atordoados. Se isso não fosse o nosso fantasma, Katherine, então quem diabos era ela?

Essa visão deveria ter nos assustado, mas em vez disso, continuamos na direção oposta ao susto, é claro, espreitando em torno dos cantos e testando as portas trancadas. Então vimos um sinal para uma piscina coberta. Abrimos a porta, e lá estava ele, de novo: Herron.

Era depois da meia-noite, mas lá estava ele, com seus pequenos óculos redondos, fazendo a limpeza da piscina. Esse cara estava em todo lugar. Pedimos desculpas novamente, dizendo que só queríamos ver o belo hotel, e voltamos ao nosso quarto.

Sentamos na cama, falando sobre esse lugar estranho. Por que eles nos dizem que havia um fantasma no nosso quarto? Como iríamos dormir? De repente, as cortinas se moveram. Eu comecei a saltar sobre os meus próprios pés, mas Michael me fez um sinal com a mão:

'Espere um segundo, disse ele. 'Você não precisa nem ter medo de um fantasma. Se você não desafiá-los, eles não vão fazer nada para você. Basta dizer uma pequena oração e eles vão embora.'

Ele não tinha medo. E porque ele não estava, eu também não estava mais. Com ou sem fantasmas, agora estávamos com fome. Havia alguma comida neste lugar? O menu disse que havia serviço de quarto 24 horas, de modo que pedimos omeletes e Tabasco. Michael e eu amávamos omeletes e Tabasco. Pedimos cerca de quatro ou cinco omeletes com Tabasco*.



Quando a comida chegou e abrimos a porta, estava Herron ali, segurando a bandeja. (Pelo menos não era o fantasma Katherine) Era impossível ficar assustado degustando omeletes e Tabasco. Comemos até as cinco da manhã.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 7:42



.
My Friend Michael (22)

'Nossa próxima parada na rota cênica para a Suíça foi em Paris, onde Michael iria me apresentar a alguém que se tornaria uma figura conhecida em nossas vidas. Eu estava resfriado. Michael iria gravar algumas músicas na Suíça, e sempre que ele tinha que gravar ou se apresentar, ele tornava-se especialmente preocupado com os germes e em ficar doente.

Toda vez que eu tossia, Michael usava um ventilador para arejar o ar ou uma toalha para tentar se proteger. Ele realmente não aguentava, se alguém espirrasse em torno dele: ele saía da sala.

Assim, em Paris fiquei no meu quarto e não vi Michael por um dia inteiro. No dia seguinte ele me chamou para seu quarto. 'Eu gostaria de apresentá-lo a alguém', disse Michael. 'Você pode chamá-lo de pequeno Michael.

Veio um garoto de treze anos de idade, com cabelos longos, vestido exatamente como Michael. Ele usava calças pretas, mocassins, um chapéu fedora, uma camisa vermelha e delineador. Ele realmente era um Michael em miniatura, o que achei bonitinho... embora um tanto estranho. Jantamos juntos.

O pequeno Michael (cujo nome real, eu viria a descobrir, era Omer Bhatti) realmente não fala Inglês. Ele ficava quieto, e quando ele falava, falava tão rápido que eu não conseguia entender uma palavra. Mas eu fui educado, como sempre era.

Em algum ponto durante a noite, Michael me puxou de lado e revelou que o pequeno Michael era seu filho.

Huh? Seu filho? Eu nunca tinha ouvido falar desta criança, nunca o vi, não lembro uma única referência a ele, nos dez anos que eu tinha conhecido Michael. Mas no mundo de Michael, eu sabia que podia esperar o inesperado. Este era mais um momento imprevisível. Eu comecei a rir, dizendo: 'Você está falando sério?'

Michael me disse que uma vez, em uma excursão, ele havia conhecido uma garota loira norueguesa e que ele teve um caso com uma fã, pela primeira vez. Esta menina tinha engravidado, mas quando ela teve o bebê, ela literalmente enlouqueceu, dominada pela ideia de que ela estava tendo bebê de Michael Jackson.

(Eu sei o que você está pensando. Acredite em mim, eu tive minhas dúvidas, também.)

Agora, sua história foi essa: a mãe estava em uma instituição mental. O bebê supostamente foi adotado por uma mulher norueguesa chamada Pia, que era enfermeira no hospital psiquiátrico, ou algo parecido. Ele tinha sido adotado por Pia e seu marido, Riz Bhatti.

Então, como disse Michael, ele estava na Tunísia, na turnê HIStory. Quando Michael estava em turnê, os fãs se reuniram muitas vezes fora do hotel, cantando e dançando para ele. Eu tinha visto ele convidar os fãs aleatórios até o quarto de hotel para conhecê-los e tirar algumas fotos.

Às vezes, os fãs tentavam dançar como Michael. Foi muito engraçado de se ver que eu teria que cobrir o rosto e sair correndo da sala para não fazer um espetáculo de mim mesmo.

Assim, Michael estava na Tunísia, e ele ouviu falar sobre um garoto que tinha ganhado algum tipo de competição de dança como cover de Michael Jackson, possivelmente, um dos garotos no meio da multidão em frente ao hotel. Michael queria conhecê-lo, de modo que o vencedor, Omer, foi levado até o quarto de hotel.

Quando Michael viu, notou as semelhanças em sua aparência e se perguntou se isso poderia ser seu filho a partir do caso em 1984. De fato, como quis o destino, ele era aquela criança, ou pelo menos, foi o que Michael disse.

Como é que eu iria responder a isto?

Foi uma ótima história, porém improvável, e Michael realmente tentou me convencer de que era verdade. Ele estava absolutamente certo de que ele finalmente havia encontrado o seu filho há muito desaparecido. Ele sempre soube sobre ele e agora ele o traria para perto.

Michael esperava que eu acreditasse na história, e ele continuou tentando me fazer acreditar, mesmo que nós dois soubéssemos que não havia um pingo de verdade na coisa toda. Finalmente, depois de passarmos alguns minutos indo e voltando sobre o assunto, eu não via mal algum nisso, então eu cedi e disse:

'Ok, esse é o seu filho.'

Em última instância, era inofensivo, mas era também um indicativo de algo que não era. Omer foi o início de uma tendência que estava se desenvolvendo na vida de Michael. Ele tinha começado a se cercar de pessoas que o colocaram em um pedestal, que diziam o que ele queria ouvir e faziam o que ele queria que eles fizessem.

Essas pessoas fizeram a sua vida mais fácil, e talvez estar rodeado por pessoas sim lhe davam a sensação de segurança que ele precisava, mas eu sempre achei que ser verdadeiro era mais importante do que bajular. Mesmo indo junto com a inofensiva história de Michael sobre Omer, foi difícil para mim. Ser um amigo de verdade significava ser verdadeiro, e eu queria seguir esse princípio, não importando o que custasse.

Depois de Paris, Omer retornou para sua suposta família adotiva na Noruega, enquanto Michael e eu continuamos na Suíça, onde ele estava agendado para gravar duas músicas: Blood on the Dance Floor e Elizabeth, Eu te amo - a última foi uma homenagem a Elizabeth Taylor, que ele iria apresentar com ela em uma celebração de seu aniversário de 65 anos, quase um ano depois, em fevereiro de 1997.

Na Suíça, paramos na casa de Charlie Chaplin, perto de Vevey e visitamos o seu túmulo, para que Michael pudesse homenageá-lo.Tivemos um jantar com sua família, incluindo sua bonita neta, por quem eu tive uma grande paixão. (Sim, eu tinha um monte de paixões)

Charlie Chaplin tinha sido um dos heróis de Michael, uma das pessoas que ele considerava um grande artista, inovador e / ou visionário, cuja vida e realizações que ele estudava em profundidade: Walt Disney, Bruce Lee, Fred Astaire, James Brown e Charlie Chaplin.

Com Disney, ele aprendeu que poderia criar um mundo fora de suas fantasias. De Charlie Chaplin, Bruce Lee e Fred Astaire, ele aprendeu atitudes, posições, maneiras de se mover que ele incorporou às histórias coreografadas, que ele queria nos contar e os fez por si mesmo.

Na maior parte das vezes em que estávamos na Suíça, Michael trabalhava no estúdio, mas ainda encontrávamos algumas horas de reposição para visitar um museu em Zurique. Em tenra idade, Michael tinha me apresentado à arte, e tentávamos ir a museus, sempre que viajávamos.

Assim que entramos neste museu particular, conhecemos a diretora, uma mulher de meia-idade muito bacana, com óculos e cabelo curto. Quando se tratava de bom humor, Michael e eu sempre tivemos uma ligação única, e ele parecia compreender intuitivamente as idéias malucas que sempre apareciam na minha mente.

Assim, quando a diretora do museu veio para nos cumprimentar, eu vi um brilho familiar nos olhos de Michael e em seus pensamentos. Isso seria divertido. Michael e eu tivemos uma brincadeira favorita. Nós amávamos agir como se levássemos muito a sério um assunto completamente inventado ou trivial, só para ver as reações das pessoas.

Uma vez que tínhamos alugado uma casa em Isleworth, na Flórida, Michael ficou interessado em imóveis na área e um agente imobiliário foi nos levando para a casa de Shaquille O'Neal, que na época estava tocando para o Orlando Magic. Shaquille era um grande fã de Michael, para que o agente tinha arranjado uma reunião.

Enquanto nos dirigíamos para a nossa nomeação, Michael disse: 'Uau, que belas árvores thesasis. Elas são incríveis!'

Não há tal coisa como uma árvore thesasis, é claro, mas quem iria questionar Michael Jackson?

'Sim, elas são lindas, não são?', disse o agente. Michael passou a ter uma longa conversa com ele sobre árvores thesasis. Foi hilário.

Pensando nesse momento e em outros, eu disse para a diretora do museu: 'Que perfume você está usando? É uma delícia. Michael, você tem que sentir seu perfume, é incrível.'

Cheirei um pulso enquanto Michael cheirava o outro. Ele disse: 'Você cheira tão bem.'

Ela disse: 'Oh, eu vou te dar o nome. Vou escrevê-lo para você.'

Agora que tínhamos o nome, eu mudei para o cabelo. 'Seu cabelo. É lindo. O que você faz com ele?'

Ela disse: 'Nada de especial, eu apenas o lavo.' E então ela disse: 'Na verdade, eu uso um spray que dá volume.' Eu a fiz escrever o nome do spray junto com seu perfume.

Agora, apesar de Michael ser realmente apaixonado pela Arte, este museu era nada menos do que horrível. Mas isso não importava para nós. Michael encontrou o que deveria ser a pintura mais hedionda daquela sala e exclamou:

'Oh meu Deus, temos que parar por aqui!' Ele fingiu ser superado pela beleza da tela. 'Sinto muito, mas você por acaso tem um lenço?'

'Está tudo bem?' Eu perguntei a ele.

Ele apenas balançou a cabeça.

'Sentimentos' ele disse, como se profundamente comovido. 'Esta obra de arte é especial.'

'Sim, eu sinto a sua beleza, também' eu disse, mantendo o meu rosto em uma linha reta como o de Michael.

A diretora ficou claramente impressionada. Ela disse: 'Vocês têm uma conexão incrível com a arte!'

Agora, Michael estava fingindo chorar. A diretora se virou para mim e disse: 'Uau, ele é muito sensível!'

'Sim, muito sensível', eu respondi. 'Ele me ensinou tudo que sei sobre estética. Eu sinto o que ele está sentindo, mas eu apenas contenho um pouco melhor os meus sentimentos.'

'Vocês' disse ela, parando dramaticamente por um momento, 'são tão especiais.'

Continuamos esta jornada, entretendo-nos pela alternância entre lhe fazer perguntas aleatórias sobre a arte de baixa qualidade e elogiando o seu vestido, exclamando: De que material é feito? Você tem que sentir esse material.'

Os caras da segurança com Michael balançavam a cabeça em desaprovação a nós o tempo todo. Nosso comportamento foi desagradável, com certeza, mas foi muito divertido.

Às vezes, nossas brincadeiras não eram tão elaboradas. Houve época, no sul da França, por exemplo, quando fomos ver o príncipe Al-Waleed bin Talal e jogamos pingue-pongue em uma mesa de ouro. Estávamos hospedados em um hotel de luxo.

Lá embaixo, a vida noturna nunca pára. Uma noite, Michael e eu estávamos de pé na varanda do seu quarto de hotel, vendo as pessoas jantando às três da manhã, quando Michael disse: 'Devemos fazer uma brincadeira.'

Enchemos um balde com água e ... splash! O jogamos na varanda sobre as pessoas que jantavam, desavisadas. Nós abaixamos a cabeça e voltamos para o quarto antes que alguém pudesse nos ver. Ninguém nunca descobriu que nós éramos os culpados.

Pelo tempo que Michael passou no estúdio de gravação na Suíça, eu tinha que voltar para a escola. Quando eu voei para casa sozinho no Concorde, eu estava sentado ao lado de um homem que usava um terno. Rapidamente, meu companheiro de assento e eu entramos em uma conversa sobre a espiritualidade, negócios e vida em geral. Depois de alguns minutos, o homem perguntou: 'Em que linha de negócio você está?'

Surpreso com a pergunta feita sobre a minha idade, eu respondi: 'Senhor, quantos anos você acha que eu tenho?'

Ele disse: Vinte? Trinta?'

Eu respondi: 'Senhor, eu tenho 16.'

Com um olhar de espanto no rosto, ele disse: 'dezesseis?' Como você sabe todas essas coisas com 16?'

Fiquei lisonjeado e insultado em parte, por ele pensar que eu fosse muito mais velho do que eu era. Eu gostei da idéia de ser sábio além dos meus anos, mas eu não queria ser visto como um homem velho. E, no entanto, percebo que, ao longo dessa viagem, eu tinha crescido de muitas maneiras.

A amizade que tinha começado na turnê Dangerous já tinha evoluído para algo completamente diferente. Pela primeira vez, senti muito claramente que eu estava crescendo, que eu havia me tornado mais sintonizado com o mundo, que as experiências que eu estava tendo com Michael tinha praticamente me equipado para poder me manter uma conversa com qualquer pessoa, em qualquer lugar.

Michael tinha notado a mudança em mim também e tinha começado a falar para mim de uma maneira diferente do que antes. Embora nunca tivesse realmente me tratado como uma criança, mesmo quando eu era uma, ele agora discutido tudo o que estava acontecendo em seu mundo comigo. Ele deixou claro que ele valorizava minha perspectiva, jovem e inexperiente como era.

No entanto, apesar dessa mudança em sua atitude, e apesar da minha nova maturidade, eu não acho que qualquer um de nós tivesse a menor idéia do que estava reservado para nós, ou para onde a nossa amizade acabaria por nos levar.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 7:43



.
My Friend Michael (23)

'Quando a minha amizade com Michael estava evoluindo, Michael estava passando por suas mudanças, ele estava se preparando para ser pai, um papel que ele levava muito a sério. Michael como um pai fazia muito mais sentido para mim do que Michael como um marido.

Talvez estar com Lisa, amando seus filhos e querendo ter um filho com ela, lhe fez ver que ele estava pronto para ter seus próprios filhos. Assim como Michael agia como uma criança, às vezes, a verdade é que ele era um homem adulto, e ele sempre cuidou das crianças em sua vida do jeito que um pai responsável o faria.

Durante anos ele teve essa experiência comigo, meus irmãos e minha irmã, e ao longo da nossa longa amizade, eu o vi em tempo parcial sendo pai de todos os meus irmãos mais novos. Seus instintos eram excelentes: ele sabia como ouvir as crianças e sua paciência com elas era infinita. Além disso, ele pesquisava os pais do jeito que ele fazia com suas paixões através de outros livros.

Em nossas muitas idas às livrarias, Michael sempre se enchia de livros sobre paternidade e educação de filhos. Ele estava determinado a ser o melhor pai que poderia ser, procurava compreender a psicologia das crianças e o significado de suas interações com seus pais.

Os cuidados de Michael com todos os elementos de sua experiência começaram no momento em que seu filho foi concebido. Ele sabia, antes do bebê nascer, que iria chamá-lo de Prince. Ele disse que o nome tinha corrido em sua família há gerações.

Michael gravou a si mesmo dizendo:

'Prince, eu sou seu pai. Eu te amo, Prince. Eu te amo, Prince. Você é maravilhoso. Eu te amo.'

Ele também gravava a leitura de livros infantis e romances clássicos, como Moby Dick e A Tale of Two Cities. À noite, Debbie colocava fones de ouvido sobre a barriga ou as rodava em volume alto para que quando o bebê nascesse, a voz de Michael lhe fosse familiar.

Eu estava empolgado por Michael, em grande parte, porque eu tinha toda a confiança de que a paternidade só iria fortalecer nossa amizade. No passado, eu estava preocupado sobre como a nossa relação mudaria se Michael realizasse o seu sonho de ter sua própria família. Uma vez, ele chegou perto da adoção. Na época, eu perguntei-lhe: 'Se você tiver uma família, você vai se esquecer de nós?'

'Vocês são minha família' ele me disse. 'Você nunca precisa se preocupar com isso.'

Mas ele também aproveitou o momento para me lembrar quão sortudo eu era por ser saudável, ter uma mãe maravilhosa, pai e irmãos, e ter o tipo de infância amorosa que eu tinha. Quando ele disse isso, eu percebi o quanto Michael era uma parte de todas as coisas que eu deveria apreciar e sentir-me afortunado por tê-lo.

Ele havia sido um terceiro pai para mim. Quando fiquei mais velho e passei a tomar mais e mais as minhas próprias decisões, as suas palavras de conselho ficaram comigo tanto quanto ou mais do que os dos meus pais. É por isso que eu digo com confiança que Michael Jackson deveria ser um pai.

Depois daquela conversa, minhas inseguranças sobre o impacto de Michael estar começando sua própria família desapareceram. O fato dele ter um bebê me parecia a coisa mais natural do mundo. Mas eu ainda estava um pouco chocado em Novembro de 1996, poucos meses antes de Prince nascer, quando Debbie e Michael se casaram.

'Por que casar?' Eu perguntei a Michael. Depois de toda a experiência com Lisa Marie, era difícil entender por que Michael iria querer dar esse passo novamente.

Mais uma vez ele me disse que o poderoso príncipe saudita Al-Waleed bin Talal havia influenciado sua decisão. Quando o príncipe descobriu que Michael teria um filho, ele gostaria que ele fosse casado. Michael não queria comprometer a sua relação de trabalho com bin Talal, então ele se casou com Debbie.

Ou então essa foi a sua história. E assim como tinha feito com Lisa, Michael minimizou a importância do casamento, insistindo que era apenas uma formalidade.

'Debbie não quer nada de mim', insistiu. 'Tudo com o que ela se preocupa são com seus cavalos. Além disso, ela é a mãe do Prince.'

Eu acho que fazia sentido pela sua lógica. Era agradável estar ao redor de Debbie, a sua dinâmica era amigável, ela parecia ter seus melhores interesses no coração, e talvez a aparência de uma estrutura familiar tradicional fosse bom para o bebê.

Prince nasceu em 13 de fevereiro de 1997. Eu estava em Nova Jersey, quando o telefone tocou. Michael estava ligando do carro, ele trouxe Prince do hospital para Neverland. Ele falou com minha mãe em primeiro lugar; então ela passou o telefone ao redor, e o parabenizaram de volta.

Michael dizia que segurar o bebê era o sentimento mais incrível do mundo, disso é que a vida era feita. Eu me lembro de todas as imagens de bebês que Michael tinha colocado nas paredes de quartos de hotel ao redor do mundo.

Por todo o seu talento, tudo o que tinha para dar ao mundo, ele ansiava por isso mais do que qualquer outra coisa: um bebê para cuidar e amar. Sua alegria era quase palpável. Conforme conversávamos, eu lhe contei que a TV que estava na sala estava mostrando as câmeras de televisão que seguiam a van de Michael todo o caminho até o rancho.

'Eu posso ver você na TV' disse a ele. Era engraçado saber que a imagem que eu estava vendo na tela da TV estava sincronizada com as palavras que estávamos falando ao telefone, como uma espécie de bate-papo de vídeo primitivo.

Para a maior parte do primeiro ano de vida de Prince, Michael ainda estava no concerto de número 82, na cidade de número 58, na HIStory Tour. Mas o bebê teve um nome apropriado: ele era o pequeno príncipe de Michael.

Todos os planos de Michael neste momento giravam em torno de seu filho: ele não acreditava que um bebê deveria ser arrastado de cidade em cidade, então deixou Prince em Paris, era uma localização central em termos de itinerário da turnê, com duas babás para cuidá-lo, dia e noite.

Cada noite, depois de ter terminado o seu concerto, Michael voava de volta para seu apartamento na Champs-Élysées em um jato particular. Sempre que ele não estivesse se apresentando, ele estava com Prince. Era um calendário difícil, mas Michael estava tentando ser um pai e uma mãe para seu filho.

Minha mãe, meus irmãos Aldo e Dominic, e minha irmã, Nicole Marie, acompanharam Michael na maior parte da HIStory Tour, juntamente com Prince e as babás. Eddie e eu não podíamos nos afastar do ensino médio, mas escapamos pelo tempo suficiente para encontrar com o bebê na Disneyland de Paris.

No hotel, como ele fazia sempre que viajava, Michael fazia questão de criar um ambiente livre de estresse e que fosse estimulante para o bebê. Minha mãe lembra que sempre havia bela música de harpa tocando e que ela, Michael e as babás liam para Prince desde o dia em que nasceu. Fiquei feliz em segurá-lo. Ele dormiu em meus braços, como os bebês sempre o fazem.

As babás se chamavam Pia e Grace, e eu viria a conhecer bem, as duas. Pia, que era a babá inicial, passou a ser a 'mãe' de Omer Bhatti, o 'filho' de Michael.

Não muito tempo depois de Michael ter me apresentado a Omer, ele me disse que Omer, verdade, não era realmente seu filho. Seus pais eram Pia e Riz - o casal que, na história original de Michael, eram seus pais adotivos.

Eu nem mesmo fiquei surpreendido. Omer se parecia com Pia e Riz. Por meio de uma explicação, Michael me deu a mesma razão que ele havia dado para seus casamentos com Lisa Marie e Debbie Rowe. Ele precisava mostrar ao príncipe saudita e ao resto do mundo empresarial árabe que ele tinha uma família.

Eu não tinha certeza de como descobrir um filho há muito perdido, ilegítimo, para impulsionar a imagem de Michael com bin Talal, mas era a sua história. Questionável como era, eu comprei (as histórias) de Lisa Marie e Debbie, e agora eu estava comprando a de Omer.

Pelo menos ele foi coerente em suas explicações.

Omer e sua família começaram a comemorar os feriados com a gente, o que fazia sentido, dado que Pia estava trabalhando como babá de Prince. Riz, o pai de Omer, publicava notas e tomava conta dos carros na Califórnia. Omer foi a primeira criança a gastar muito tempo com Michael desde as alegações de 1993, mas Michael tinha tomado gosto por toda a toda a família, e ele orientou a Omer e o tratou como a um filho.

Eu gostava de estar em torno de Omer. Ele era um garoto legal: a minha única queixa era de que ele ainda falava tão rápido que eu estava constantemente pedindo-lhe para abrandar. Meu apelido para ele era 'pequeno macaco'.

Enquanto isso, Michael e Debbie pareciam estar se dando muito bem. Eles falavam ao telefone de vez em quando. Não havia nenhum romance ou intimidade entre eles, mas Michael amou verdadeiramente Debbie como a uma amiga. Ele era infinitamente grato a ela por lhe fazer um pai. E ela acreditou nele como um pai.

Como eu havia descoberto aos cinco anos de idade, Michael não teve problemas para se conectar com as crianças. Ele tinha uma capacidade inata de ver o mundo através dos olhos de uma criança, e ele não teve que mudar em tudo para se tornar o tipo de pai que queria ser.

Seu coração e mente há muito tempo estavam comprometidos com o desafio. Uma vez que Prince havia nascido, Michael quis outra criança quase que imediatamente, assim que os dois poderiam crescer juntos. Cinco meses após Prince nascer, ele e Debbie arranjaram uma outra gravidez.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 3 1, 2, 3  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum