.:: Dangerous MJ ::.
Bem vindos a Dangerous MJ. Para visualização de alguns tópicos é necessário estar cadastrado. Não leva nem um minuto! Cadastre-se!

@@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Página 3 de 3 Anterior  1, 2, 3

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 15:08



.
My Friend Michael (49)

'Em 18 de novembro de 2003, Number Ones foi lançado, mas a estréia do álbum foi imediatamente superada pela maior notícia. No dia após o lançamento, eu estava de volta a Nova Jersey, trabalhando com Vinnie por conta do novo merchandising de Michael.

Michael tinha ido a Las Vegas, onde ele estava filmando o vídeo para a música One More Chance, mas a produção tinha sido interrompida por causa de outro conflito com Tommy Mottola. Michael queria que meu irmão Aldo e minha irmã, Nicole Marie, ambos bailarinos, participassem no vídeo, mas Tommy Mottola não queria que crianças aparecessem nele.

Marc Schaffel estava ao lado de Michael, quando ouviu a discussão acalorada de ambos.

'Danem-se vocês' disse Michael, através de Marc Schaffel, que estava servindo como intermediário a Tommy. Eu não vou fazê-lo sem as crianças. Estamos fechando.'

One More Chance era uma das novas faixas em Number Ones, e a Sony precisava do vídeo para promover o álbum. Meses de trabalho e preparação tinham ido para a criação de um estúdio em Las Vegas.

'Eu não gosto do conceito, de qualquer maneira.' Michael disse a Tommy. 'Ele parece muito com Smooth Criminal. Temos de fazer algo novo e fresco, de qualquer maneira. Vamos derrubá-lo nós mesmos, na estrada.'

Assim, a produção de vídeo foi cancelada. Através de Marc, Michael planejou uma viagem de seis meses para a Europa, África e Brasil, durante a qual ele iria filmar o vídeo. Ele e sua comitiva estavam programados para partir no dia seguinte, mas seus planos estavam prestes a mudar.

Eu era oficialmente sem-teto, como eu tinha sido parte da minha vida adulta. Michael tinha me condicionado a ser um cara de hotel. Então, Vinnie e eu estávamos acampados na casa dos meus pais, trabalhando com a TV ligada, quando percebemos uma chamada de notícias na tela.

Ele dizia que o rancho de Michael estava sendo invadido pela polícia. Uma vista aérea de Neverland surgiu na tela. A chamada nos dizia que havia denúncias de que Michael havia cometido "atos obscenos e lascivos" com um menor com idade inferior a 14.

Vinnie e eu olhamos um para o outro horrorizados, então voltamos para a tela. P*****.

'Quem fez isso?' Vinnie perguntou. 'Quem acusou Michael?' A notícia não dava o nome do acusador, mas não precisava de um. Eu sabia que isso vinha dos Arvizo. Chamei meus pais, e tentamos chegar a Michael, mas não conseguimos.

Todos os nossos telefones tocavam - uma mistura de amigos e colegas, preocupados, querendo saber o que estava acontecendo. Alguém confirmou que os acusadores eram os Arvizo. Claro, quem mais poderia ter sido?

Nós já estivemos aqui antes. Eu era jovem na época, mas eu tinha visto os anos de danos que tais primeiras acusações tinham infligido no coração de Michael, assim como sua imagem pública. Novamente, ele estava sendo atacado por mentirosos.

Nunca havia confiado nos Arvizo, e agora o pior tinha acontecido. Por que Michael não tinha rompido os laços com a família por volta de 2000? Por que ele os convidou de volta em sua vida para o vídeo de Bashir? Porque tivemos que levá-los a lidar com as consequências?

Eu estava zangado com a mãe de Gavin, é claro, mas eu também estava com raiva de Michael, por tolamente permitir a ela fugir com suas manipulações sobre seus filhos e com raiva de mim mesmo, por não agir de forma mais agressiva. Afinal, tinha amplos motivos para duvidar das intenções de Janet desde o início, ainda tínhamos ficado de lado, enquanto ela criava essa situação.

Todas as alegações eram bobagens. Não havia nada de ambíguo sobre a coisa toda. Essas pessoas estavam atrás do dinheiro de Michael. Mas ele era inocente, e nós estávamos indo para destruí-los no tribunal. Eu me senti confiante sobre isso.

O que eu não sabia, na época, era sobre a grande batalha que iria acabar por ter de lutar, e quão pesado e exato seria o preço. Eu não tinha idéia que seria uma cunha entre mim e Michael, à qual a maioria das amizades não poderia esperar sobreviver.

Michael, Aldo e Marie Nicole estavam passando o seu último dia em Las Vegas, quando receberam a notícia de que o rancho estava sendo invadido novamente, e logo foram para seu hotel. Mas o hotel não os recebeu, por medo do ataque da mídia iminente.

Eles foram para outro hotel, mas foram rejeitados lá, também. Hotel após hotel os recusaram, por medo da tempestade da mídia. Os três circularam por Las Vegas, sem refúgio, enquanto Michael ficava cada vez mais agitado. Finalmente, Karen foi capaz de garantir-lhes um quarto de hotel.

Pelo que meu irmão e minha irmã me disseram, uma vez que ele chegou até o quarto, Michael ficou transtornado. Ele não podia acreditar que aquilo estava acontecendo. Mais uma vez. Ele foi balístico, derrubando mesas, jogando cadeiras, destruindo tudo à vista.

Se Aldo e Nicole Marie não estivessem lá, eu teria ficado preocupado com sua segurança. A viagem ao exterior foi cancelada, a gravação do vídeo para One More Chance nunca foi remarcada, e Aldo e Marie Nicole voltaram para casa, em New Jersey.

Michael não queria voltar a Neverland, a qual ele sentia, mais uma vez, violada por uma batida policial. Em vez disso, ele alugou uma casa de Coldwater Canyon, em Los Angeles. Uma semana depois, fui visitá-lo, mas porque o promotor estava pensando em me intimar e por haver especulações sobre um mandado de prisão contra mim, eu queria ficar fora do radar. Então eu voei para Las Vegas. O motorista de Michael me pegou e me levou para Los Angeles

Quando cheguei, Randy, o irmão de Michael, estava na casa. Em todos os meus anos com Michael, eu nunca tinha passado algum tempo com Randy, e eu estava um pouco surpreso de vê-lo lá agora, embora fosse claro que ele tinha dado um passo para apoiar Michael.

Ele estava tentando ajudar seu irmão e para ficar a par das coisas, e por Michael, que poderia ser resistente, fui grato. Nós três nos sentamos na mesa da cozinha para nos recuperarmos. Passamos um tempo agradável com Randy. Eu realmente gosto dele, e Michael estava claramente feliz por tê-lo por perto. Eu garanti a ambos que eu faria qualquer coisa que eu pudesse para ajudar e que eu estaria com Michael, até o fim.

Nós saímos somente dois dias depois, tentando não pensar ou falar sobre o que estava na vanguarda de nossos pensamentos. Havia uma pista de boliche em casa, então jogamos. Gary, o mesmo motorista que Michael teve por anos, nos levou a fazer um pouco de compras, e pegamos alguns Kentucky Fried Chicken*.

(O KFC ou Kentucky Fried Chicken é uma rede de restaurantes de comida rápida nos E.U.A. que explora a antiga receita de frango frito do Kentucky - nota do blog)

Depois que as crianças foram dormir, nós abrimos uma garrafa de vinho e contamos piadas. Todos os nossos outros negócios haviam chegado a um impasse quanto à sua prioridade, nossa primeira foi passar o julgamento, mas estávamos otimistas.

Michael se mantinha junto, esperando e esperando o melhor, mas eu podia ver que ele não era ele mesmo. Havia tristeza em seus olhos. Depois da minha estadia em Neverland, voltei para Nova York, supostamente para voltar para minha vida.

Obviamente, eu não poderia trabalhar no relançamento da marca Michael Jackson. Em vez disso, eu comecei a produzir um tributo para Patti LaBelle para a UPN, montando um desempenho de estrela nas Bahamas, para comemorar seus quarenta e cinco anos na indústria da música.

Eu me mudei para um apartamento em Manhattan. Pouco antes do Natal, em 18 de dezembro de 2003, Michael foi oficialmente acusado de sete crimes de abuso sexual de crianças e duas acusações de administração de um agente intoxicante, isto é, os Arvizo estavam reivindicando que ele embebedou Gavin, a fim de molestá-lo.

De acordo com os documentos legais, esses crimes ocorreram em fevereiro e março de 2003, quando estávamos todos em Neverland, após o fiasco de Bashir. Não muito tempo depois de as acusações oficiais serem arquivadas, Vinnie e eu começamos a receber chamadas a partir do escritório da promotoria, dizendo que queriam nos falar, pois tinham ficado em Neverland durante o período em questão.

'Frank' disse Vinnie. 'Olha, eu não sei a nossa posição, mas eu acho que é hora temos um advogado.'

Eu liguei para Al Malnik, que me deu alguns nomes, e eu os escrevi, ainda não processando totalmente tudo o que estava acontecendo.

Após nos encontrarmos com alguns poucos super-advogados, Vinnie e eu fomos ao escritório de Joe Tacopina, em Manhattan. Na sala de espera, a primeira coisa que vi foi uma imagem do advogado com sua esposa e filhos. Um homem de família. Eu gostei disso.

Então, em uma TV, que estava em segundo plano, eu vi Juventus, meu time de futebol favorito, jogando uma partida. Joe me disse que era sua equipe favorita, também. Todos nós três tínhamos o futebol em comum. Ficou estabelecido. Ele era o nosso advogado.

Joe falou com o escritório do advogado de distrito. Eles indicaram que eles estavam indo para um grande júri, que significava que eles achavam que tinham provas suficientes para justificar um julgamento. Sua história foi que Michael e eu tínhamos formado uma conspiração em que o ajudei a ganhar acesso a Gavin, em seguida, teria encobrido várias atividades nefastas e adulterado testemunhas.

Ao longo de várias reuniões, Vinnie e eu demos a Joe um histórico detalhado de nossas interações com os Arvizo. Tenho a certeza que Joe entendeu que eu acreditava que os Arvizo eram mentirosos, que não tínha nada a esconder, e que eu queria fazer tudo o que poderia para apoiar Michael.

Joe pensou que tínhamos evidências consideráveis ​​mostrando que não houve conspiração, mas este era um caso de alto nível com - como ele dizia - um promotor fanático, com uma agenda clara. Ele temia que Vinnie e eu seríamos arrastados porque a ideia de ter havido uma conspiração deixava o caso ainda mais sinistro. Ele iria trabalhar com o advogado de Michael, fornecendo-lhe nossas evidências para apoiar seu caso, sempre que ele precisasse.

Naquele Natal, Joe não queria me ver com Michael. Nós não sabíamos se os encargos seriam trazidos contra mim, e qualquer outro contato que tivesse com Michael seria usado contra mim. Então, meus irmãos Eddie, Aldo e Dominic foram para Los Angeles para passar o Natal com Michael, na casa em Coldwater Canyon, enquanto eu tive um Natal tranquilo com meus pais, em casa.

Michael agiu como Papai Noel - mesmo de tão longe, mandou presentes para mim: uma câmera digital e um iPod. Eu estava grato, ainda mais porque eu tomei isso como um sinal de que ele ainda estava centrado.

Certa manhã, em janeiro, eu desci as escadas para tomar um café e coprar cigarros na loja da esquina. Eu tinha o cabelo comprido, no momento, e eu estava usando meus óculos escuros habituais e um capuz. A televisão estava ligada na loja, passava um show chamado Celebrity Justice.

Enquanto eu esperava para pagar as minhas coisas, uma imagem minha surgiu na tela. Eu assisti horrorizado como o narrador de TV me fez parecer um mafioso de Nova Jersey e alegou que eu tinha tentado sequestrar a família de Gavin Arvizo e os manteve como reféns em Neverland.

A imprensa chegou a relatar que eu tentei raptar os Arvizo e levá-los ao Brasil, possivelmente para fazê-los 'desaparecer'. Isso era história para um grande filme. Voltando para quando eu absorvi o conselho de Michael para ser como Jonathan Livingston Seagull, para levar uma vida extraordinária, sendo falsamente acusado de seqüestro não era exatamente o que eu tinha imaginado.

Uma graciosa senhora de idade na minha frente, na fila, disse:

'Espero que eles peguem aquele bastardo!'

'Eu também' eu disse.

Pensei em todos aqueles momentos em que Michael e eu saímos pelo mundo, assumindo disfarces que ele precisava e que eu usava apenas por diversão. Agora, eu tinha um motivo real para proteger a minha identidade e me senti simplesmente horrível.

Havia pessoas de todo o mundo ouvindo essas acusações ridículas, formando opiniões sobre mim. Uma vez que elas não sabiam a verdade, que razão teriam para não acreditar no que ouviam? E então, eu tive um gostinho do que Michael experimentava em cada dia de sua vida.

A graça salvadora era que em todos os noticiários, e até mesmo nos documentos judiciais, fui chamado de Frank Tyson (e não Cascio). Meus primeiros esforços para separar o trabalho e a família teve um efeito colateral benéfico que eu nunca poderia ter imaginado.

Meu nome de família manteve-se à parte, que não só significou que meus pais estavam um pouco protegidos, mas que eu tinha um lugar para ir. Na minha vida empresarial, voltei a ser Frank Cascio. Fazia um tempo, mas eu estava sozinho de novo.

Eu não havia sido acusado de qualquer crime, mas sabíamos, desde os vazamentos no Celebrity Justice e outras fontes de notícias, que eu estava envolvido, de alguma forma. Mais tarde, em Janeiro de 2004, quando Michael foi acusado, Vinnie e eu estávamos citados como co-conspiradores.

Como Joe explicou o termo co-conspirador, isso significava que não estávamos sendo acusados ​​de quaisquer crimes e que os promotores não tinham nenhuma prova contra nós. Estávamos seguro por agora, mas se Michael fosse condenado, eles provavelmente nos cobrariam. Meu destino, como tinha sido durante a maior parte da minha vida, estava amarrado a Michael.

Logo após a denúncia, eu liguei para Michael. Ele e as crianças tinham voltado a Neverland. Pedi para dizer 'oi' para as crianças, e Prince veio ao telefone.

'Frank..' ele disse: 'Papai está triste. Você vai vir aqui? Papai vai ficar bem?' Ele partiu meu coração.

'É claro que o papai vai ficar bem' eu assegurei a ele.

'Tudo está perfeito. Eu estarei lá assim que eu puder.'

O fato de que eu não tinha sido cobrado na acusação significava que eu não estava prestes a ser intimado ou preso, mas Joe ainda não me queria em contato com Michael. Contra o seu conselho, eu voei para LA com meu pai e Eddie para visitar Michael por um par de dias no rancho.

No avião, sentei-me com o meu irmão, meu pai sentou-se sozinho. Dez anos antes de nós, os três tinham voado para Tel Aviv para tranquilizar Michael que ele tinha o nosso apoio no caso Jordy Chandler. Agora. voltamos para fazer o mesmo.

Como crianças em 1993, Eddie e eu estávamos alegremente alheios às circunstâncias de Michael. Desta vez, éramos adultos, plenamente conscientes da gravidade das acusações e do preço que custaria a Michael.

Quando entramos na casa principal, meu pai cumprimentou Michael e o tranquilizou que estávamos todos lá para ele, as crianças correram até nós e nos abraçaram. Apesar do apelo de Prince (ao telefone), ele parecia feliz e despreocupado. Eles sabiam que o pai estava em apuros, mas Michael teve o cuidado de protegê-los dos detalhes.

Ele sempre foi cuidadoso em protegê-los, no bom e no ruim da fama. Ele não queria que eles fossem cercados por seus fãs ou vê-los em um estádio lotado. Ele não os queria na internet, por medo de que fizessem uma pesquisa em seu nome e vissem os boatos sobre seu pai, eles eram jovens demais para compreender.

E agora ele fazia o possível para protegê-los da loucura batendo à porta. Uma vez que as crianças estavam fora do alcance de nossas vozes, nós falamos sobre o julgamento iminente, e depois tentamos nos divertir.

Em 1993, na turnê Dangerous, distraímos Michael explorando cidades estrangeiras, jogando balões de água pelas janelas dos hotéis e destruindo um quarto de hotel (...aconteceu uma vez, apenas uma vez).

Como adultos, recorríamos a assistir filmes e sair. Nós sempre dizíamos: "Vamos apenas sentar e feder", e isso era exatamente o que fazíamos. Apesar de não dizê-lo abertamente, o que fizemos foi um esforço para demonstrar a Michael que tudo ficaria bem.

Ainda assim, como otimistas que tentávamos ser, era evidente que o peso destas novas alegações era opressivo. Michael estava mentalmente e fisicamente drenado. Ele dormia muito. Eu me peguei pensando de volta, nas lições que ele havia me ensinado sobre como controlar o resultado das circunstâncias.

Eu não sabia se ele estava visualizando o resultado que queria, a fim de fazer acontecer. Nós não estávamos falando esse tipo de conversa.

O que eu sabia era que, mais do que qualquer coisa que eu tinha passado com ele, este seria um teste de sua vontade e de sua fé em si mesmo.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 15:09



.
My Friend Michael (50)

'Uma das primeiras coisas que eu tinha feito, ao chegar no rancho, foi verificar se meu pequeno pacote de maconha ainda estava em seu esconderijo, no meu quarto. Eu estava preocupado que a polícia poderia tê-lo encontrado no ataque e que de alguma forma ela seria usada contra Michael.

Michael sempre foi contra a maconha e outras drogas ilegais. Mas de volta a Miami, um ano antes, Michael havia passado algum tempo com dois dos ex-Bee Gees, Maurice Gibb, que estava em seu leito de morte, e Barry Gibb.

Quando Barry disse a Michael que ele havia gravado suas melhores músicas enquanto fumava maconha, Michael ficou intrigado. Ele era um grande fã dos Bee Gees. As músicas How Deep Is Your Love, Stayin 'Alive e More Than a Woman estavam entre suas favoritas.

E assim, Michael fumou maconha comigo quando estávamos no rancho, trabalhando em vídeos caseiros, e acho que foi a sua primeira vez. Eu me lembro de como, naquele estado mental, as luzes de Neverland vieram à vida.

'Ah, agora tudo faz sentido' Michael disse, enquanto dirigíamos através da propriedade. 'Isto é exatamente o que os índios estavam fazendo quando fumavam o cachimbo da paz.' Gostava (da ideia) que a maconha viesse da terra, o que ajudou a justificar algo que ele sempre tinha sido contra.

Durante o ano passado, nós tínhamos ficado chapados em algumas poucas ocasiões, nas montanhas. Michael era extremamente discreto, ele não queria que ninguém soubesse nada sobre isso. E a boa notícia foi que o segredo estava a salvo.

Assim como saiu, a polícia não tinha encontrado meu pacote, e uma tarde, em uma tentativa de animar a ambos, preparei um cigarro e encontrei Michael no seu escritório, que era uma extensão da casa principal, uma sala quente com pisos de madeira escura, uma mesa bonita, e um sofá.

Seis TVs de tela plana se alinhavam em uma parede - cada qual apresentando um desenho animado diferente. Na parede sobre a lareira, havia um retrato de seis metros de altura de Prince, com a idade de 2 ou 3, dormindo, comigo e com Eddie em pé, um a cada lado dele, mantendo guarda.


'Vamos, vamos fazer uma pausa', sugeri.

'Sim, está bem', disse ele. Saímos e entramos no carrinho de golfe de Michael.

Fomos de carro até as montanhas, e fumamos aquele cigarro, mais quietos do que de costume. Não é que estivéssemos sem assunto, exatamente, mas nós não queríamos falar sobre as acusações iminentes, e nós não poderíamos chegar a qualquer outro assunto para discutir.

Eu queria dizer 'eu avisei...' mas não o fiz. E Michael queria perguntar: 'Como isso aconteceu?' mas não o fez. Em vez disso, ficamos em silêncio e, de vez em quando, eu dizia: 'Você acredita nesta f*** de família?'

'Eu não posso acreditar nesta m****...' Michael respondeu.

Gostaríamos de olhar um para o outro e balançamos a cabeça. Parecia um sonho ruim. Normalmente, teríamos dirigido em torno do rancho, com ou sem o cigarro, tendo a beleza do nosso meio ambiente e apenas curtindo o momento.

Agora nós estávamos tentando, e falhando, em nos distrair da realidade. Pelo meu conhecimento, esta foi a última vez Michael fumou maconha, que foi uma fase de curta duração para nós dois.

Quando chegou a hora para mim, Eddie, e meu pai partirmos, fui ao quarto de Michael para dizer adeus. Apesar de Michael ter voltado a Neverland, ele se recusou a ficar na casa principal, porque ele sentia que tinha sido contaminado pela invasão da polícia.

Em vez disso, ele fugiu para uma das unidades de casas de hóspedes, onde ele ficou com os três filhos. Foi no início da manhã, e Michael ainda estava na cama. As três crianças dormiam no quarto ao lado, de modo que falamos calmamente.

'Temos que rezar' disse para Michael. 'Deus sabe a verdade, e a verdade prevalecerá. Você não tem que pensar duas vezes. Eu estou aqui para você. Minha família está aqui para você. Eu te amo. Eu amo seus filhos. Se você precisar de alguma coisa, qualquer coisa, é só me avisar. Vamos fazê-los parecer com os idiotas que são.'

'Não se preocupe' disse Michael. 'Apenas certifique-se em se manter forte.'

Essa era a sua maneira de reconhecer que eu tinha minhas próprias preocupações sobre o julgamento.

'Reze' disse ele 'e nós vamos comemorar quando tudo acabar.'

Em sua acusação em 16 de janeiro de 2004, Michael havia se declarado inocente de todas as acusações. Então ele saiu e dançou no teto do seu (carro) SUV para as centenas de fãs que se reuniram, para reconhecê-los e mostrar que ele iria lutar com tudo o que tinha.

Este era uma atitude que somente um homem inocente teria. Agora eu lhe disse: 'Quando tudo isso acabar, eu vou subir no carro e dançar com você.'

Eu estava energizado pela minha raiva. Eles achavam que poderiam se safar dessa?

'Ok, Frank' Michael disse, rindo. 'Eu te amo. Tenha um vôo seguro.'

'Certifique-se de tomar banho e escovar os dentes antes de ir ao tribunal, para que você não mate nenhum dos jurados' eu lhe disse, através de um grande sorriso.

Eu beijei seus filhos na testa, que estavam adormecidos, e saí da sala. Meu pai tinha dito adeus na noite anterior, mas Eddie entrou depois de mim para se despedir.

Eu tinha dito adeus a Michael, mas eu gostaria de ter abrandado no meu caminho ainda no carro, guardando um momento para olhar em volta para a bela casa, os fundamentos expostos, o lago, os caminhos, as montanhas. Eu não tinha ideia que seria a última vez que eu veria Neverland.

Depois dessa viagem, AMBOS - meu advogado Joe Tacopina e o advogado de Michael, Tom Mesereau - me instruíram firmemente a não ter qualquer outro contato com Michael. Se eu fosse chamado a depor, e a promotoria me perguntasse: 'Quando foi a última vez que falou com o Michael?' eles queriam que eu fosse capaz de dizer que não tínhamos nos falado desde que as acusações haviam sido arquivadas.

Mesmo eu não tendo sido acusado, Janet Arvizo estava fazendo acusações criminais contra mim, também. Se qualquer evidência se desenvolvesse durante o julgamento para apoiar suas reivindicações absurdas, seria melhor se eu não tivesse comunicado com Michael. Os advogados não queriam que a gente parecesse estar em combinação.

O raciocínio fazia perfeito sentido para mim, mas uma separação forçada de Michael foi um golpe. Tínhamos experimentado os Arvizo juntos; tínhamos sido acusados juntos, e agora não seríamos capaz de apoiar um ao outro, através do julgamento.

Eu tinha confiança de que nossos advogados iriam revelar a verdade, mas o nosso julgamento no tribunal da opinião pública era uma questão separada. Um jornalista chamado Roger Friedman estava cobrindo o julgamento para um blog chamado Fox Entertainment News FOX411.

Ele havia tentado entrar em contato comigo através de amigos mútuos, mas eu não tinha respondido. Eu nunca tinha falado com a imprensa sobre Michael antes, mas desta Friedman Roger estava escrevendo histórias cotidianas e sua informação estava errada.

Agora, frustrado com o que vi em suas colunas, decidi que, se eles estava escrevendo sobre mim, eles poderiam muito bem ter informações precisas. Eu queria que a verdade fosse conhecida.

Vinnie e eu encontramos com Roger em uma cafeteria na 76 com a Broadway. Vinnie colocou uma maleta de metal grande em cima da mesa e a abriu, em toda a sua extensão. Roger se inclinou para frente, para um olhar mais atento.

Dentro havia pilhas de recibos. Explicamos-lhe que estes eram recibos de todo o dinheiro que havia sido gasto enquanto estávamos cuidando dos Arvizo, durante a sua estadia em Neverland. Havia recibos de hotéis, cinemas, restaurantes e spas. A imprensa nos acusava de raptá-la, mas, como ficou imediatamente claro para Roger, estas não seriam as despesas de seqüestradores e sua vítima indefesa.

Nós a mantínhamos confortável e entretida, enquanto esperávamos que a mídia em torno do vídeo de Bashir esfriasse. Após esta reunião, o tom da escrita de Roger pareceu mudar. Eu não era tão frágil como eu tinha pensado. Eu poderia apoiar Michael, mesmo sem falar com ele.

Naquela primavera, antes do indiciamento, Joe falou com Tom Sneddon, o promotor de Justiça do Condado de Santa Barbara.

'Ouça' disse Sneddon 'Frank está em um navio que está afundando. Ele pode tomar nossa embarcação ou afundar com o navio.'

Ele me ofereceu imunidade se eu concordasse em ir ao escritório da promotoria pública, testemunhar contra Michael. Sei que as pessoas que assistem a shows como Law & Order estão acostumados a pensar que a promotoria pública são os 'mocinhos', mas desta vez, eles estavam do lado errado do caso. Mesmo se eu fosse completamente honesto, eles procurariam maneiras de usar o que eu disse (para ser usado) contra Michael.

Joe me explicou que isto era um plano comum do Ministério Público. Ele se encontrou com essas pessoas, e estava certo de que não tinha provas contra mim. Eles estavam blefando. Ainda era dever de Joe me lembrar que eu estava para ser acusado de um crime grave, e que, em tal situação, muita gente iria direto para a promotoria. Era óbvio para mim. Eu lhe disse que estava por Michael e queria permanecer no curso.

Para me distrair, fui visitar Valerie, que estava em Roma, em uma pausa dos seus estudos de pós-graduação. Eu voei para a Itália, passei algum tempo com Valerie, em seguida, jantei com ela e seus amigos. Um par de dias depois que eu cheguei, eu estava deitado na cama, com Valerie ao meu lado, quando o telefone tocou.

Era Joe Tacopina. Ele disse que Vinnie tinha buscado seu próprio advogado. Eu não podia acreditar. Joe me disse para não se preocupar com isso, mas eu estava magoado. Por que Vinnie faria isso? Nós não estávamos no mesmo barco?

Parte da razão pela qual eu queria ficar com Vinnie foi que me senti horrível e responsável pela sua situação. Eu o conhecia desde que eu tinha treze anos de idade. Eu o trouxe para o mundo de Michael, e agora ele estava nessa situação impensável por causa disso.

Liguei para Vinnie, que tentou me acalmar: 'Frank, você não tem nada para se preocupar. Nós ainda estamos trabalhando juntos. Legalmente, é apenas melhor se tivermos advogados diferentes.'

Eu não gostei da ideia, mas se era o que ele preferia... Mas, então, Vinnie decidiu falar com a promotoria. Ele tinha feito algumas leituras sobre outros casos em que pessoas tinham sido falsamente acusadas, e ele e seu advogado decidiram que fazia sentido contar seu lado da história.

Havia tão poucas evidências para apoiar a acusação de conspiração, que Vinnie pensou que ele poderia mostrar ao promotor que não teria um caso sem que isso implicasse em qualquer outra pessoa. Ele explicou que não tinha Janet Arvizo não era refém, que quando ele a levou em torno de diversas nomeações, teve ampla oportunidade para pedir ajuda ou 'escapar'.

Ele achava que isso era uma boa jogada legal de sua parte, mostrar ao público que não tínhamos nada a esconder. Compreensivelmente ele estava cansado de ficar preso num limbo legal, de ser descartado e caluniado por tubarões da mídia.

Por mais que eu aceitasse a sua lógica, conversar com o promotor era como falar com o diabo em meus olhos. Eles estavam construindo um processo contra Michael, Vinnie e eu. Eles já estavam indo a julgamento. A verdade era irrelevante para eles agora, o que importava para eles era construir o seu caso e ganhar.

Eu não podia acreditar que ele tinha feito isso. Eu me senti traído. Pensei que iríamos passar por isso juntos, mas pelo resto do julgamento, e depois, eu não voltaria mais a falar com Vinnie. Finalmente compreendi que Vinnie não têm a mesma história com Michael, ou a mesma lealdade a ele.

Considerando que eu estava disposto a sacrificar qualquer coisa por Michael, Vinnie queria ter certeza de que ele não pegaria nenhum tempo de prisão e se falar com o promotor garantiria isso, ele iria falar com a promotoria.

Fiquei tão chateado com Vinnie que eu não falo com ele há anos. Eventualmente, ele e eu gostaríamos de nos falar, e eu o perdoaria. Vinnie precisava fazer o que era melhor para ele. No final do dia, ele ainda era meu amigo desde a oitava série. As nossas famílias percorreram um longo caminho. Não valia a pena perdê-lo. Gostaríamos de fazê-lo por isso.

Quando voltei para os Estados Unidos, eu continuei trabalhando no show de Patti LaBelle, mas eu caí em uma depressão grave que durou grande parte de 2004. Eu não queria deixar meu apartamento ou estar próximo de alguém.

Eu não queria nem falar com as pessoas no telefone. Afetou o meu trabalho. Recentemente, descobri que eu estava no meu melhor quando eu estava trabalhando ao lado de Michael. Tudo o que passamos, a nossa conexão tinha ido embora, e minha vida estava em espera. Perdi a noção do eu, do que fazer comigo.

Conforme o tempo passava, minha depressão se transformou em um estado do que você poderia chamar de cautela calculada, mesmo paranoia. Eu estava sempre pensando dez movimentos à frente. Eu sentia como se tivesse tudo planejado, mas a necessidade de manobrar com tanto sentimento de cálculo não era bom.

Parecia que cada passo que eu dava, provocava ondas de mudança que eu tinha de prever e controlar, no entanto, esta necessidade de controle era a única maneira que eu poderia combater a impotência de estar no limbo, à espera do fim do julgamento. Finalmente, entendi a paranoia de Michael. Ser falsamente acusado, ser julgado pelo público nos torna uma pessoa desesperada para recuperar o controle.

Escusado será dizer que este foi um momento difícil para a minha relação com Valerie. Nós nos amávamos, e nos preocupávamos, um com o outro. Ela estava indo para a escola, vivendo sua vida feliz de estudante, enquanto eu estava deprimido e infeliz.

Valerie e eu éramos jovens, ainda tínhamos algo a crescer, e estávamos geograficamente distantes, um do outro. Além do fator da longa distância, sempre houve problemas entre nós: o segredo do meu trabalho, o estilo de vida incomum que me envolvia, o compromisso de tempo integral.

O julgamento e meu estado de espírito na época eram a última gota. Durante o julgamento, eu senti como se meu mundo fosse desabar. Meu relacionamento, agora, tinha acabado de se tornar outra vítima.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 15:11



.
My Friend Michael (51)

'O processo judicial finalmente começou em 31 de janeiro de 2005, quando a seleção do júri começou, seguido, um mês depois, pelo próprio julgamento. Não surpreendentemente, um circo de mídia surgiu na vida frenética fora do tribunal, com milhares de repórteres correndo, fazendo cobertura em todas as estações de notícias.

Joe e eu demos escrupulosa atenção para cada testemunha que foi ouvida, e tentei me lembrar de cada detalhe dos eventos que a acusação trouxe à tona, no caso, eu mesmo fui chamado a depor. Ao longo do caminho, Joe e eu tivemos que montar uma defesa no caso de que precisava.

Afinal, meu caso estava amarrado a Michael. Se ele fosse inocentado das acusações contra ele, eu estaria livre, também. Então, Joe trabalhou em estreita colaboração com Tom Mesereau, advogado de Michael. Se uma testemunha de acusação fizesse qualquer tipo de declaração que eu pudesse refutar, Joe passava a minha prova, juntamente com Tom. Fizemos tudo que podíamos para ajudá-los a ganhar o seu caso.

O abuso sexual supostamente teria acontecido entre 20 de fevereiro e 12 de março de 2003, quando todas as partes envolvidas no caso estavam hospedadas em Neverland, imediatamente após os vídeos de Bashir.

Mesmo se eu não tivesse conhecido Michael como eu fiz, pareceu-me absurdo que alguém iria escolher esse momento especial para molestar uma criança: Michael tinha acabado de ser ridicularizado na imprensa por segurar a mão de Gavin, na frente das câmeras no vídeo de Bashir. Por que, de todos os tempos em sua vida, ele escolheria aquele momento de extrema vulnerabilidade e visibilidade para fazer a sua ação nefasta?

Simplesmente não fazia sentido. Além disso, estava muito claro que os Arvizo tinha sido até bons, no início. E outra vez, durante o período em que visitaram regularmente Neverland, em entrevistas que gravaram para o nosso vídeo de refutação e, mais criticamente, nas entrevistas oficiais realizadas pelo Serviço de Crianças e Famílias, falando em apoio a Michael.

Porque este apoio tinha sido repetidamente documentado, o promotor tinha que provar que cada vez que os Arvizo apareciam para apoiar Michael, eles estavam sendo coagidos a fazê-lo.

Cada detalhe do caso da promotoria era uma versão distorcida da verdade. Fui acusado de mostrar pornografia para Gavin e seu irmão na noite em que os meninos tinham pedido para dormir no quarto de Michael. A verdade, claro, era exatamente o oposto: os meninos tinham encontrado o site pornô e Michael deixou o quarto para se certificar de que ele não desempenharia nenhum papel nele.

A acusação alegou que Michael serviu aos meninos suco de Jesus, disfarçado em latas de refrigerante, quando na verdade ele usou latas de refrigerante quando ele mesmo bebia vinho, a fim de evitar o consumo de álcool à vista de crianças. E ele, certamente, nunca lhes deu qualquer.

A lista de mentiras crescia mais e mais. Como se o tratamento da imprensa de Michael ao longo dos anos já não tivesse sido irritante e escandaloso, agora estávamos sujeitos a ver e ouvir as mentiras e deturpações colocadas em registro em um tribunal de justiça, sabendo, ao mesmo tempo, que em breve seríamos obrigados a nos defender de cada um deles. Era uma farsa.

Após a promotoria entregar os argumentos, era a vez da equipe de defesa de Michael discutir o caso. Felizmente, logo Tom Mesereau faria desabar o castelo de cartas dos Arvizo. Este era um caso de ''ela disse / ele disse'' contra Michael e não demorou muito para a família Arvizo inteira ser desacreditada.

Enquanto isso, foi revelado que Janet tinha uma história longa e não muito agradável de usar seus filhos e a doença de Gavin para explorar celebridades, incluindo Jay Leno, Tucker, Chris e George Lopez, tentando usá-los para tudo o que valesse a pena. Ainda mais absurdo, ela tinha reclamado duas vezes de abuso sexual e prisão uma vez contra seu ex-marido, e uma vez contra a loja de departamentos JCPenney.

Com esta última ladainha de reclamações, me lembrei das minhas primeiras interações com ela e me perguntei por que, desde que eu a tinha conhecido, eu não tinha confiado em mim mesmo e tomado uma ação rápida e decisiva. Por que eu não tinha falado com mais força quando Michael tinha tentado defender a família? Como é que nós deixamos essa mulher entrar em nossas vidas?

O clímax, para mim, foi quando Janet testemunhou que acreditava que os associados a Michael - incluindo a mim - planejavam fazer sua família desaparecer.

'E alguém lhe mencionou um balão de ar quente?' Mesereau perguntou.

'Essa foi uma das maneiras...' Janet confirmou. A sala explodiu em risadas. As coisas não pareciam boas para Janet.

E o caso da acusaçào foi revelado para ser travestido, como nós sabíamos desde o começo. Os meninos, Gavin e Star, apesar do fato de que eles obviamente tinham sido ensaiados por sua mãe, contradisseram um ao outro e a si mesmos em seus testemunhos, e caso a acusação foi revelada para ser o travesti soubéssemos que seja desde o início.

Não apenas o depoimento que ouvimos era cheio de inconsistências, mas uma boa parte simplesmente não fazia sentido. Os Arvizo não eram pessoas confiáveis, e sua história não era credível.

Houve, no entanto, um momento comovente no julgamento: ocorreu quando Debbie Rowe foi chamada para assumir o posto. Ela e Michael tinha resolvido seus problemas de custódia um par de anos antes, e agora Debbie veio à frente para apoiá-lo, como tinha feito no vídeo de refutação.

Seu testemunho foi verdadeiro, ela teve a coragem de admitir abertamente seus próprios erros no passado, e ela fez o seu melhor para ajudar Michael. Fiquei contente de ver que seu relacionamento com Michael estava novamente em terra firme.

Eles cuidaram um do outro, eles tiveram filhos juntos, e com este gesto, a sua confiança mútua e amor foram afirmados.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 15:13



.
My Friend Michael (52)

'Michael e eu não tínhamos nos falado desde a última visita que Eddie, meu pai e eu tínhamos feito a Neverland. Como mencionei antes, não era permitido, porque se Michael fosse condenado, então eu poderia enfrentar acusações de conspiração.

Ao longo de 2004, Eddie gastava um tempo falando ao telefone com Michael, e como o passar do tempo, parecia que Eddie entrava em cena para preencher o papel que eu tinha sido forçado a abandonar.

Michael estava acostumado a ter um amigo ao lado dele, um aliado em quem ele poderia confiar, e Eddie foi uma escolha muito apropriada: ele era o próximo na linha, uma espécie de herdeiro, se você quiser.

Fiquei feliz que Michael tinha alguém da família para conversar, pois eu estava preocupado com ele, me lembrava, com triste melancolia, dos momentos maravilhosos que tínhamos compartilhados em Neverland em 2003, antes das alegações de novembro, que lançaram uma mortalha sobre nossas vidas.

Eu sabia que estas alegações colocariam Michael de volta para os anos vindouros, se não para sempre, e eu odiava que eu não poder estar lá para apoiá-lo. Então, até o final do julgamento, os meus pais me entregaram uma notícia chocante. Disseram-me que Michael estava chateado comigo.

Aparentemente, ele tinha dito que eu não estava disposto a testemunhar em seu nome. Isso era ridículo, e nada poderia estar mais longe da verdade. Um dos sobrinhos de Michael, Auggie, me chamou para relatar a mesma notícia. Michael tinha dito a ele que eu não estava indo para testemunhar, e ficou chateado, pisando ao redor e dizendo:

'Você acredita que Frank não está aqui para mim, na hora da minha necessidade? Ele era como um filho para mim. Ele me traiu.'

'Auggie, eu nunca faria isso', eu disse.

Durante o curso do julgamento, eu tinha feito uma entrevista em um especial de Catherine Crier e também apareci no programa Good Morning America. Na entrevista, defendi Michael e desacreditei a família Arvizo. Eu era uma das poucas pessoas que vieram para a frente, a fim de defender publicamente Michael, e eu fiz isso por minha própria conta e risco.

Se o veredicto não fosse a favor de Michael, era eu quem iria arcar com as conseqüências da minha posição pública. Mas eu sabia a verdade, e eu acreditava que o mundo precisava saber. Eu não poderia ficar em torno, passivamente.

A verdade é que eu estava ansioso para testemunhar. Eu, de todas as pessoas, sabia exatamente o que tinha acontecido durante as visitas dos Arvizo no rancho, e eu queria ver a justiça ser feita. Eu nunca fui chamado pela acusação, afinal, eu teria sido uma testemunha hostil.

Originalmente, o plano era para eu ser uma das últimas pessoas que seriam chamadas para depor pela defesa, perto do final do testemunho. Mas quando a data para eu aparecer se aproximava, Joe Tacopina me chamou e me disse que ele e Tom Mesereau já não pensavam que meu testemunho faria sentido para o caso.

'Tom acha que ele tem esse caso ganho, onde ele quiser.' disse ele. 'Ele não precisa colocá-lo lá em cima.' Tom não queria expor em interrogatório meus vinte anos de convívio com Michael. Além disso, Joe disse, a dúvida razoável que precisava ser estabelecida. a fim de ganhar o caso já provado.

O problema era que Michael não tinha ouvido falar dessa maneira. Ele tinha dito que eu me recusara a depor. Se eu já achava que as minhas suspeitas de que alguém da organização de Michael me queria longe, fossem mera paranoia da minha parte, aqui estava uma evidência irrefutável de que não eram.

Esta era a sabotagem suprema. 'Mas de onde ela vinha?' Perguntei a mim mesmo. Quando ninguém poderia me dar uma resposta, eu me tornei obcecado em encontrar a fonte da traição. Eu devo ter pedido uma centena de vezes ao meu advogado Joe:

'Joe, você não disse a eles que eu não queria testemunhar, não é?'

Isto me deixou louco na época, e ainda me assombra.

Eu estava furioso porque alguém estava mentindo sobre mim para Michael novamente, mas ainda pior do que a mentira (a qual tínhamos resistido, anteriormente) era o fato de que Michael acreditava. Ele ter acreditado, da outra vez, que eu seria capaz de usar minha influência para pedir propina era ruim o suficiente, mas isto estava a léguas além disso.

A idéia de que eu não apoiaria Michael contrariava a tudo o que eu acreditava sobre mim, sobre quem eu era, em tudo o que importava para mim. Como poderia Michael, depois de tudo o que tínhamos passado juntos, depois de tudo o que um tinha feito pelo outro, sendo um para o outro, compartilhado um com o outro... como poderia acreditar em algo que era tão totalmente contrário à minha pessoa?

Ele me levantou, pelo amor de Deus. Ele sabia tudo sobre mim. Minha vida inteira eu não tinha feito nada, além de apoiá-lo e protegê-lo. Eu sabia que não era perfeito, que eu cometia erros, mas eu também sabia que as minhas intenções sempre foram boas e as minhas prioridades sempre foram claras.

Michael sabia disso também. No entanto, apesar de tudo isso, Michael se virou contra mim, e o fez com facilidade e segurança. Michael disse aos seus familiares, membros da minha família e amigos em comum:

'Você acredita no que Frank fez agora? Ele não está me defendendo, no momento da minha necessidade.'

As palavras que Michael me falou quando eu cheguei para trabalhar com ele, ficaram ecoando na minha cabeça:

'Frank, você está em uma posição de poder. As pessoas vão ficar com ciúmes de você. As pessoas vão tentar nos colocar um contra o outro. Mas eu prometo que eu nunca vou deixar isso acontecer.'

Estas palavras acabaram por ser proféticas, mas em vez de estar por mim, como ele prometeu que iria fazer, ele parecia ter esquecido a sua própria previsão. Michael não teve fé em mim. Eu sabia que Eddie tinha ouvido de Michael, e quando Michael duvidou de mim, eu esperava que Eddie o corrigisse. Mas Eddie decidiu que ele também sentia que eu não estava apoiando Michael.

Quando eu apareci no (programa) 20/20, ele pensou que eu estava tentando chamar a atenção para mim. Isso não fazia sentido. Se eu quis atenção, era no meu próprio interesse, para assumir o posto e testemunhar, não me recusei a depor.

E então eu comecei a achar que o meu irmão era parcialmente responsável pela minha alienação de Michael. Se ele provocou ou não, meu irmão ainda poderia ter dito: 'Michael, você sabe muito bem que Frank não fez essas coisas. Você está errado. Ele te ama.' Eddie não o fez.

Meu irmão foi pego no meio. Eddie, como eu, cresceu com Michael. Mas ao contrário de mim, sua imagem idealizada de Michael da infância, ainda estava intacta. Ao longo dos meus anos com Michael, eu tinha aceitado as suas imperfeições. Eu fui o primeiro a defendê-lo, isto significava aceitá-lo e protegê-lo de suas faltas.

Michael nunca mostrou seu lado mais sombrio para a minha família. Eddie não o tinha visto em sua desconfiança completa, impulsivamente cortando as pessoas da sua vida. Ele não viu a batalha de Michael com os remédios prescritos ou como era difícil para ele enfrentar seus problemas financeiros.

Como resultado, quando Michael se voltou contra mim, Eddie confiou no julgamento de Michael na forma como um filho obediente confia em um pai. Meu irmão e eu sempre estivemos juntos, mas o julgamento nos afastou da mesma forma que me afastou de Michael, também. Eu tinha perdido Vinnie, eu tinha perdido Michael, e agora parecia que eu tinha perdido meu irmão.

Era inevitável que o conflito entre mim e Eddie e as dificuldades do julgamento iriam se espalhar para o resto da minha família, minha diversão, o negócio do restaurante da família. Eles foram esmagados, e tanto quanto me amavam, eles não tinham idéia de como se relacionar comigo. Francamente, eu não os culpo. As coisas tinham se complicado de forma que eu jamais poderia ter previsto.

Minha mãe gosta de manter sua vida simples: ela quer ouvir que eu estou bem, e a maior parte da nossa dinâmica era que eu nunca entrava em detalhes de um problema com ela, até que o problema já fosse resolvido. Ela não sabia ou não entendia o porquê do meu irmão e Michael estarem aborrecidos comigo.

Tivemos muitas conversas sobre isso, mas eu mesmo não conseguia explicar o que tinha se tornado tão terrivelmente errado. Meu pai era o único que realmente parecia entender o que eu estava passando. Eu iria até ele, quando eu estava chateado ou precisava falar.

No entanto, sem Michael, sem New Jersey como o porto seguro que sempre tinha sido, eu me sentia isolado e sozinho. Se eu aprendi algo nos meus anos com Michael, foi separar a mim mesmo do mundo, a fim de me proteger, e assim, neste momento, eu instintivamente recuei mais em mim mesmo.

A depressão que havia começado em 2004 me preparou para uma longa estadia durante os últimos meses do julgamento. Eu me tornei um recluso.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 15:14



.
My Friend Michael (53)

'O veredicto foi entregue em 13 de Junho de 2005. Eu estava na casa dos meus pais, assistindo TV com minha família inteira, e por algum motivo que eu não posso mais me lembrar, eu estava de pé sobre uma cadeira. Michael foi considerado inocente de todas as acusações, e eu estava livre.

A boa notícia de Michael foi a minha boa notícia. Se ele tivesse sido considerado culpado, o promotor provavelmente teria me indiciado sob a acusação de conspiração e eu teria enfrentado a possibilidade de dois a seis anos de prisão.

Mas no espaço de poucas palavras, toda a bagunça feia se tornou história. Nós todos começamos a chorar, pulando para cima e para baixo, e abraçando uns aos outros.

Após o veredicto, Michael ligou para a nossa casa em Nova Jersey, para conversar com todos. Sua conversa comigo, veio sem nenhuma surpresa, era um pouco estranha.

'Você está bem?' eu perguntei.

'Estou feliz de ouvir a sua voz' respondeu Michael. 'Passamos por isso, mas não era bom. Isso me esgotou, Frank. Eu tenho que sair daqui. Eu quero sair do país. Eles não me merecem. Todos eles podem se f****. Eu não quero mais nada com os Estados Unidos. Eu nunca mais vou voltar.'

Nós não falamos sobre ele acreditar que eu tinha me recusado a testemunhar em seu nome. E não houve reconhecimento da provação que eu mesmo havia passado durante o julgamento. Senti que ele estava fazendo a chamada, porque ele precisava fazer isso, mas eu poderia dizer, pelo seu tom de voz, que este não era o momento certo para lidar com a questão.

Após o veredicto de inocente, Michael foi para o Bahrein. Parte de sua razão para ir para o estrangeiro é que ele já não se sentia como se tivesse uma casa nos Estados Unidos. Ele disse, publicamente e em particular, que sentia que Neverland havia sido violada pela invasão da polícia.

Neverland, sua casa amada, representava o amor de Michael pela pureza e pela inocência, e estas foram as mesmas qualidades que o julgamento tinha posto em dúvida. Assim, ele abandonou o rancho, e ao fazê-lo, ele abandonou um de seus sonhos mais queridos, também.

Uma saudação da All-Star para Patti LaBelle: Live from Atlantis foi ao ar em 08 de novembro de 2005. Sentado nos bastidores, observando as Bluebelles* reunidas, foi um prazer musical e um alto na carreira.

(*Patti Labelle e as Bluebelles: grupo de canto feminino norte-americano, muito popular nos anos 60 e 70 - nota do blog)

Após o show acabar, eu senti um momento de orgulho e felicidade. Mas não durou muito tempo. O show correu bem, mas seu sucesso foi um conforto pequeno para mim. Eu estava fora de contato com as minhas próprias emoções. Eu me sentia dormente.

Michael convidou minha família para ir a Bahrein para celebrar o Natal com ele, mas eu não fui. Eu estava negociando com Russell Simmons, um dos fundadores da Def Jam, para fazer um concerto em homenagem, celebrando suas contribuições para o hip-hop.

Eu usei isso como uma desculpa para não ir, mas a verdadeira razão foi que eu estava com raiva. Por mais que eu quisesse deixar o passado para trás, tanto quanto eu acreditava em ser magnânimo, o fato era simplesmente que eu não era.

Eu ainda não podia acreditar que Michael tinha duvidado de mim, duvidado da minha inabalável lealdade a ele, principalmente depois de todo o medo, ansiedade e depressão que eu tinha passado desde novembro de 2003.

Eu não queria vê-lo ou falar com ele. Parte de mim queria arejar, mas os anos me fizeram teimoso. Quando Michael tinha me convidado para trabalhar com ele, eu sabia que ele estava me convidando para um percurso íngreme, e eu fui de bom grado.

No processo, eu tive o melhor momento da minha vida, e se eu tivesse sofrido por episódios de Michael duvidando de mim, eu vivi aquela montanha-russa com paciência e tolerância, tanto quanto eu podia reunir. Mas para toda a loucura que nós compartilhamos, o julgamento foi o mais duro percurso que eu já tinha tomado.

Aguentei isso por causa dele, por causa da nossa ligação, por causa da minha lealdade. Depois de viver sob a sombra dele por mais de dois anos, eu achava que merecia uma chamada de telefone 'real', um arejar verdadeiro. Uma conversa com um amigo, não alguma resposta aleatória.

Após o julgamento, Michael não parecia querer ter qualquer contato comigo. E não é como se ele desaparecesse no ar. Ele estava em uma comunicação regular com o resto da minha família, porém me evitava.

Dada a sua fácil aceitação da mentira que foi dito sobre a minha falta de vontade de depor, eu não necessariamente esperava um encontro simples e alegre. Mas eu esperava que ele falasse. Eu esperava ter uma chance de me defender. E eu esperava, em algum momento, um pedido de desculpas.

Talvez eu estivesse sendo egoísta ou imprudente. Certamente o que ele tinha passado era maior e mais difícil do que o que eu tinha suportado. No entanto, o que Michael não sabia era o que eu tinha passado com ele, eu também tinha experimentado um dos momentos mais difíceis da minha vida.

Michael era uma porção de coisas para mim - chefe, mentor, irmão, pai - porém mais do que qualquer outra coisa, ele era o velho, o mais próximo amigo. Quando ele me afastou, me senti confuso e perdido. Eu tinha visto ele fazer isso com outros amigos e colegas, mas eu sempre pensei que a combinação da minha lealdade e nossa história me tornaria isento. Claramente, eu estava errado.

Russell Simmons à parte, eu não sabia o que fazer comigo mesmo. Tinha sido difícil procurar mais trabalho, enquanto o julgamento estava acontecendo. E eu não tinha certeza por onde começar. Eu não tinha nenhuma intenção de bater na porta de um emprego.

Por toda a minha experiência, existem algumas lacunas fundamentais na minha história de trabalho. Eu não estava acostumado a aparecer em um determinado lugar em um determinado momento, e eu não estava acostumado a ter um chefe, um verdadeiro chefe, 'diga-me o que fazer'.

Eu pensei que eu gostaria de continuar produzindo concertos e shows, na teoria, mas eu não me sentia como eu mesmo. Eu sempre tinha sido um pouco desligado, mas agora eu era praticamente impermeável. Eu me senti um tanto arrogante, metido, até mesmo um pouco estranho.

Talvez o pior efeito da minha infelicidade era que eu tinha pego a desconfiança de Michael. Eu não confiava em ninguém. A verdade era, por mais dramático que pareça, que eu havia perdido a minha fé na humanidade.

Dentro de alguns meses, eu me recompus e me estabeleci em um escritório na Fifth Avenue, o primeiro escritório que eu já tive. Eu comecei a reconstruir. Acontece que eu tinha habilidades, e eu tinha adquirido uma reputação como um cara que poderia fazer as coisas. Eu sabia como promover relacionamentos, fazer negócios, e trazer financiamentos.

As pessoas vieram a mim para lidar com vários negócios, e eu comecei a tomar honorários de consultoria. Eu comecei a ver que se afastar de Michael era a única maneira de descobrir que eu poderia alcançar o sucesso sem ele. Foi uma lição importante.

Minha identidade própria, que tinha sido envolvida na dele, por tanto tempo, começou a surgir. Pela primeira vez na minha vida adulta, eu estava me colocando em primeiro lugar.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 15:16



.
My Friend Michael (54)

'Michael e eu sabíamos que estávamos nos devendo uma aproximação real, mas o confronto direto não era o estilo de Michael. Em vez disso, a restauração da nossa amizade foi autorizada a evoluir ao longo do tempo. Não era o que tinha sido, mas recuou para ele, nos falando ocasionalmente, ao longo de 2006.

Michael foi passar um tempo em Las Vegas com seus filhos, ocasionalmente voltando para Los Angeles para aparecer no tribunal para se defender nos vários processos menores, que continuaram a atormentá-lo. Toda vez que ele ligava, eu sentia que ainda havia uma distância entre nós.

Ele queria falar, ouvir a minha voz, mas não era o tempo certo para a conversa que eu precisava ter com ele. Nós dois evitávamos o assunto. Ele perguntava no que eu estava trabalhando, o que eu estava fazendo.

Eu contei a ele sobre o meu escritório em Manhattan e lhe contei sobre alguns dos projetos que eu tinha nos meus planos. Eu sempre fazia questão de lhe agradecer, dizendo:

'Eu não seria capaz de pensar da maneira que faço e fazer o que eu estou fazendo, se não fosse por você.'

Eu me lembro dele me dizendo: 'Frank, é só pegar uma coisa feita. Concluir uma coisa. Não trabalhar em trezentas coisas. Ou nada será feito.'

Ele estava certo. Eu estava trabalhando em trezentas coisas. Eu pensava que era normal, porque é isso que eu e ele sempre tínhamos feito. Mas Michael era como uma madura companhia Fortune 500*, enquanto eu era apenas um iniciante.

(*Fortune 500 é uma publicação anual nos E.U.A. listando as 500 empresas mais bem sucedidas do ano - nota do blog)

Nossas conversas eram breves. Ele não queria falar sobre o julgamento, o nosso conflito, nada disso. Não houve a resolução, mas quanto mais conversávamos, mais eu comecei a entender que o julgamento tinha sido tão difícil para ele, que ele não podia suportar recordá-lo.

Considerando que eu precisava falar sobre isso, colocar as coisas em ordem para seguir em frente, Michael estava muito traumatizado sobre isso, para discuti-los. Falar para mim significou lidar com essa dor, e ele simplesmente não estava pronto para fazer isso, ainda.

Mas logo ele começou a dizer aos nossos amigos em comum o quanto ele sentia minha falta e o quanto bem eu estava indo. Ele disse às pessoas que ele falava comigo o tempo todo e tudo estava muito bem. Não era a verdade, mas Michael sabia que o que ele dissesse, chegaria até a mim.

Sabendo que Michael não gostava de confrontos, eu entendi que essa era sua maneira de me estender a mão, sem realmente pegar o telefone para chegar a mim.

As chamadas de Michael geralmente saíam do azul. Um dia, na primavera de 2007, o telefone tocou e era ele, me pedindo para acompanhá-lo à Irlanda. Dois anos se passaram desde o veredicto, e ainda não tínhamos falado sobre os problemas que o julgamento havia engendrado.

Michael estava no telefone por apenas um momento, mas isso era, eu senti, pela primeira vez desde o julgamento, que ele realmente chegou até mim, pedindo para me ver, em pessoa. Eu disse a ele que eu ficaria feliz em me juntar a ele.

Ele disse 'Ok, eu vou pedir a alguém para chamá-lo, para trabalhar a logística.'

Dois dias depois, eu recebi um telefonema de Raymone Bain, agente e gerente geral e pessoal de Michael, que estava (brevemente) administrando o seu mundo. (Ela também, eventualmente, veio a processá-lo.)

Suas palavras foram chocantes e inesquecíveis:

'De acordo com o Sr. Jackson' anunciou ela, 'se você vier para a Irlanda, vamos prender você.'

Levei um momento para assimilar o que ela dissera. Eu poderia tê-la ouvido direito?

'Espere um segundo', disse.

Eu estava em meu escritório na cidade, e num piscar de olhos, em uma conferência com meu pai. Eu estava cansado de ter a minha palavra contra a de todo mundo. Eu queria uma testemunha. Raymone Bain também trouxe alguém ao telefone.

'Eu sou um deputado' a nova voz disse. 'Se você vier para a Irlanda, você será preso.'

'Você está brincando comigo?' Eu disse. 'O que você está falando?'

'Michael diz que você está chamando ele no estúdio e o perturbando' Raymone Bain respondeu.

Isso era demais. Eu nem sabia onde Michael estava trabalhando!

Meu pai falou:

'Eu não sei quem você é...' disse ele '...mas aqui é Dominic Cascio. Espero que Michael me ligue nas próximas 24 horas. Depois de uma relação de 20 anos? Isso é inaceitável.'

Michael ligou para meu pai no dia seguinte e pediu desculpas. Ele disse que não sabia sobre a chamada.

Para este dia, eu sinceramente não sei se Raymone, por alguma razão, fez o oposto do que Michael lhe pediu para fazer, ou se, em sua desconfiança, ele havia mudado de idéia sobre me convidar para a Irlanda.

Michael disse ao meu pai que iria pedir desculpas para mim, mas a chamada nunca veio.

Ele pode ter ficado constrangido, ou ele poderia ter decidido que ele queria, primeiramente, me ver em pessoa.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 15:17



.
My Friend Michael (55)

'Nós preparamos uma festa surpresa para o aniversário de 50 anos de minha mãe, em Nova Jersey, em 19 de agosto de 2007. Mais tarde, naquela noite, quando os convidados haviam ido embora, Michael apareceu na casa.

Ele estava com seus três filhos, bem como seu labrador preto, Quénia, e um gato. Meu pai me chamou na cidade e disse:


'Eu acho que você deveria voltar para casa esta noite, mas certifique-se de vir sozinho.'

Assim que ele disse isso, eu sabia que Michael estava na casa. Eu não tinha visto o meu velho amigo por três anos, não desde que eu tinha ido para Neverland, quando as acusações foram anunciadas. Fui para Nova Jersey, naquela noite, e foi bom vê-lo e às crianças.

Mas não havia nenhuma maneira que eu poderia fingir que eram águas passadas e que estava tudo bem. Eu disse a Michael: 'Nós precisamos conversar.'

'Ok' respondeu ele.

Eddie, que por essa altura se via como protetor de Michael, saltou:

'Você tem cinco minutos' ele anunciou, com um tom arrogante. Meu irmão realmente acreditava que eu tinha traído Michael. Eu teria agido da mesma forma, se eu tivesse pensado a mesma coisa, sobre alguém.

'Sério? Eu tenho cinco minutos com o Sr. Jackson?' Eu retornei. Fiquei indignado, e voltando-se para Michael, eu continuei: 'É isso? Eu recebo cinco minutos com você?'

'Eu nunca disse isso' disse Michael, e com isso, ele me seguiu até meu antigo quarto, que tinha sido transformado no estúdio de gravação de Eddie. Eddie estava bem atrás dele. Pedi ao meu irmão para ir embora, mas ele se recusou.

'Não, é melhor que você vá!' disse Michael, e relutantemente, Eddie obedeceu.

'Primeiro de tudo...' eu disse para Michael '...se eu quiser falar com você por quatro horas, eu vou.'

'Frank, acalme-se' disse ele. 'Você sabe como é seu irmão.'

Eddie estava em pé, junto à porta, querendo voltar, mas Michael disse:

'Não, está tudo bem. Precisamos conversar.'

Olhei para Michael ... e simplesmente desandei a chorar.

'Como você pôde deixar isso acontecer?' Eu exigi. 'Você me conhece melhor do que ninguém. Você sabe onde meu coração está. Como você pôde deixar essas pessoas ficarem entre nós? Por que você acredita neles? Por que você quer acreditar neles? Você diz que eu te traí. Como eu te traí?'

Todas as perguntas que eu tinha guardadas por quase três anos, vieram à tona, cada uma praticamente saltando sobre a outra. No meio desta torrente, eu disse a Michael:

'Só para registrar, eu tenho a consciência limpa. Não fiz nada de errado. Eu não me arrependo de nada que fiz. Eu estava cem por cento lá para você, em todos os sentidos, qualquer um poderia sempre estar lá para outra pessoa. Você me disse que você foi traído por tantas pessoas. Você me ensinou a ser fiel, e eu fui. Eu sempre fui e sempre serei. Onde estava a sua lealdade?'

Michael estava calmo:

'Bem, alguém me disse que você não queria depor. Que você não iria testemunhar no momento em que eu necessitava. Isso me machucou, depois de tudo o que eu fiz por você' respondeu ele.

'Quem lhe disse isso?' Eu perguntei, com raiva. 'Não é verdade. Seu advogado, Tom, disse ao meu advogado, Joe, que não precisaria de mim para testemunhar.'

'Eu não me lembro quem me disse. Isso é o que me disseram.'

'Por quem?' Eu insisti.

'Eu não me lembro. Me foi dito.'

Enquanto eu falava, Michael estava deitado na cama, com os pés para cima, relaxando, enquanto ele me deixava desabafar.

'Por quem?' Eu repeti com veemência. Aquilo estava me deixando louco. Tinha sido há anos. Tentava me acalmar e lutava para manter minhas emoções sob controle, mas não era fácil.

'Você disse que isso não ia acontecer' eu finalmente fui capaz de dizer em voz baixa. 'Desde a primeira vez que comecei a trabalhar com você. Agora, você está dizendo às pessoas que eu traí você, que eu não fiquei do seu lado.'

Eu caminhava, como eu faço, para a frente e para trás da cama.

'Esse não foi o caso. E você não me ligou para descobrir a verdade, porque você acreditou no que você queria acreditar, que eu te trai. Você queria ser a vítima, dizer que você me ajudou e eu f*** com você, mas eu nunca fiz isso com você. O que eu fiz para que você me odeie tanto? Você não tem idéia de como você me machucou. Você sabe como fazer isso. Por que você apenas não ligou e me perguntou, você mesmo, em vez de deixar sua imaginação te levar?'

Neste ponto, eu estava sentindo como minhas palavras apaixonadas finalmente começaram a mergulhar nele. Michael ficou em lágrimas, levantou-se e me deu um abraço.

'Sinto muito' disse ele. 'Você sabe que eu te amo como um filho. Eu sinto muito que te fiz sentir assim. Vamos apenas seguir em frente com isso. Eu poderia ter ido a qualquer lugar do mundo, mas eu estou aqui com você e sua família. Eu quero seguir em frente.'

Ele pediu desculpas pela chamada louca que me ameaçava prender-me, se eu fosse para a Irlanda. Explicações eram algo que eu nunca esperava ouvir de Michael Jackson. Eu estava familiarizado com a sua desconfiança, havia lidado com isso há anos, o que eu não podia aceitar era que tinha sido dirigida a mim, e eu nunca tive a real certeza se ele compreendia seus próprios medos e defesas.

Ele tinha passado por muita coisa em sua vida, e eu me lembrei, como sempre fazia, que eu não tinha andado em seus sapatos. E então, eu decidi que já era o suficiente. Eu vi que ele estava realmente arrependido. Suas desculpas, arrependimento e paz era tudo que eu queria.

'Eu não quero ter uma relação de trabalho com você...' eu disse a ele '...Eu só quero ser seu amigo, e eu preciso de você para ser meu amigo. Eu preciso de você na minha vida.'

'Eu quero o mesmo' disse Michael.

Nós tínhamos sido amigos por mais de vinte anos, e ainda, de alguma forma, tínhamos esquecido como toda a história que vivemos, ainda nos unia. Eu conhecia as falhas de Michael, mas eu ainda culpava as pessoas ao seu redor, por seus excessos. Não pude deixar de querer cuidar dele. Velhos hábitos são difíceis.

'Você está cercado por idiotas de novo' eu disse. 'É preciso ficar longe dessas pessoas loucas. Faça-me um favor, comece a trabalhar. Voltar para o que você faz melhor.'

Ele balançou a cabeça, um leve sorriso nos lábios. Ele gostou do som daquilo. Continuei:

'Olhe, há um estúdio na casa da minha família. Comece a trabalhar, comece a escrever, comece a produzir.'

"É engraçado você dizer isso...' Michael disse '...porque eu só tive essa conversa com seu irmão.'

No final, Michael e eu conversamos por duas horas. No início, Eddie nos interrompia a cada dez minutos, pensando que Michael estava sendo forçado a uma conversa que não queria ter. Mas Michael continuava a dizer-lhe que estava bem, e finalmente, parou de tentar controlar a situação.

Não falamos sobre o julgamento. Eu poderia dizer que Michael não queria ir para lá. Em vez disso, ficamos em território neutro, conversando sobre sua casa no Bahrein, uma nova gravadora que ele queria formar com o príncipe de Bahrain, e sobre como as crianças estavam.

Senti, em planos experimentais, que Michael ainda estava buscando o equilíbrio. O resultado do julgamento era aparente. Mas eu poderia dizer que ele iria se recuperar a partir deste. Michael era como um gato com nove vidas.

Quando nossa conversa chegou ao fim, eu abri a porta e disse:

'Você pode vir agora, Eddie' como se tivéssemos dez anos de idade.

Michael e eu saímos de lá. Ele e sua família passaram os próximos quatro meses em Nova Jersey, e durante esse tempo, começamos a reconstruir a nossa amizade. Ficamos juntos por aí, falando sobre a música e as memórias, conversando como sempre fazíamos.

Eu estava trabalhando em Manhattan, mas eu ia e voltava para New Jersey com freqüência, para ver Michael e as crianças. Comemoramos o aniversário de 49 anos de Michael, que caía dez dias após os 50 anos de minha mãe, com um grande jantar de família. Minha mãe cozinhou, e nós também pedimos pizza, porque Michael amava pizza.

O tempo passado no Bahrein após o julgamento tinha sido uma boa pausa para ele. Ele precisava de tempo e de distância, tempo para si mesmo, e ele parecia rejuvenescido. Ele estava vivo e animado, voltando a ser criativo e livre.

Ele e Eddie estavam trabalhando no estúdio durante o dia, e ele estava brincando com uma idéia para um desenho animado que ele esperava produzir. Ele estava feliz por estar em torno de minha família, com quem ele poderia ser ele mesmo.

Não havia nenhum sinal de que ele estava em qualquer tipo de medicamento. Ele estava de volta a ser Michael. Um dos quartos no andar de cima havia sido transformado em uma sala de aula e um professor chegava em casa, todos os dias.

Michael se deitava tarde, e fazia questão de acordar cedo todas as manhãs, para ajudar seus filhos se prepararem para a escola. Minha mãe os alimentava, mas Michael era o único que os vestia - e muito bem, como se estivessem indo para a escola fora da casa, e fazia com que seus dentes fossem escovados.

Durante a nossa longa conversa, Michael e eu tínhamos conversado sobre trabalhar em nossa amizade - não negócios, apenas amizade - e fomos fiéis à nossa palavra. Quaisquer questões pendentes foram finalmente deixadas de lado.

Nós brincávamos ao redor, recordando o velho Gary e as músicas malucas que ele costumava escrever e sobre a época em que Michael e eu estávamos na Disneylândia de Paris, no passeio do Peter Pan, quando paramos em frente ao robô da Wendy.

'Ela é tão linda!' Michael tinha suspirado, e então olhamos um para o outro e soubemos imediatamente o que tinhamos que fazer. Eu não tenho orgulho disso, e era errado, mas tinha que ser feito. Para mostrar nossa admiração, levantamos a saia de Wendy e deixamos as nossas assinaturas no robô.

E tenho certeza de que, até hoje, no passeio de Peter Pan em Disneyland Paris, se alguém, alguma vez, for tão ousado a ponto de levantar a saia do robô da Wendy, irá encontrar a minha assinatura e a assinatura de Michael, apostando nossa reivindicação. Na verdade, eu menti quando disse que eu não era orgulhoso deste momento. Eu realmente sou.

Enquanto isso, as coisas estavam indo bem no estúdio com o Eddie. Assim como Michael tinha me preparado para fazer negócios com ele, ele era o mentor dos talentos musicais de Eddie desde tenra idade, sempre prometendo que, se ele trabalhasse duro, um dia ele teria sua chance.

Mesmo que Eddie fosse o meu irmão mais novo, eu sempre olhava para ele de muitas maneiras. Fiquei feliz que eles estivessem trabalhando juntos, e feliz que Michael estava fazendo música novamente. Os dois, juntamente com nosso grande amigo James Porte, escreveram doze canções, três das quais Breaking News, Keep Your Head Up e Monster, que aparecem no último álbum de Michael, Michael.

As coisas pareciam estar no caminho certo na vida de Michael, na minha vida e na nossa amizade. Mas os meses e meses de ressentimentos e amargura vieram com um preço pesado, e apesar das mudanças para melhor em outras áreas, meu irmão e eu ficamos incapazes de nos reconectarmos.

Tínhamos uma rixa um contra o outro, e embora nós a mantivéssemos em cheque por causa de Michael, era evidente para qualquer um que passasse algum tempo em torno de nós, que as coisas entre nós não estavam em todo o caminho que costumava ser.

Éramos civilizados um com o outro, mas ainda não tínhamos feito a nossa paz. Não estava claro se alguma vez o faríamos.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 15:19



.
My Friend Michael (56)

'Pelos próximos dois anos, Michael e eu ficávamos em constante contato telefônico, como amigos. Ele estava trabalhando em This Is It, uma série de cinquenta concertos que seria realizada no O2 Arena, de Londres, a partir de julho de 2009.

Os shows seria seu 'canto do cisne'. Mesmo seus filhos, que nunca puderam vê-lo se apresentar ao vivo, estariam presentes - pela primeira e última vez.

Por sugestão minha, Michael trouxe de volta um de seus ex-administradores, Frank DiLeo, que não tinha trabalhado com ele desde que eu era criança, e DiLeo estava presente na Victory Tour.

Em algum momento, Frank entrou em contato comigo para pedir que eu me juntasse a ele em Londres, para trabalhar nos shows. Ele foi ficando mais velho e sentia que ele precisava de alguma ajuda.

'Você vai ter que discutir isso com Michael...' eu disse '...mas se ele está aberto a isto, estou também estou.'

O momento era certo para mim. Eu estava olhando para o meu próximo show, e eu me sentia próximo de Frank, que tinha sido um grande mentor para mim. Mas deixei a decisão nas mãos de Michael. Eu não queria me forçar no trabalho.

Pouco depois, Michael e eu tivemos uma breve conversa. Ele me disse que meu irmão Eddie e James Porte estavam voando para Londres, estavam pensando em trabalhar lado a lado com ele, nos dias de folga, para produzir o álbum que já tinham começado em Nova Jersey.

Michael gostava das sinergias criativas entre os três e estava entusiasmado em fazer música novamente. Ele estava dando a Eddie a chance que ele sempre lhe prometeu. Este era o momento de Eddie. Michael disse o quanto estava feliz de ter de volta Frank DiLeo em sua vida, e então ele chegou ao ponto da chamada: ele queria que eu me juntasse a eles, em Londres.

'Frank vai entrar em contato com você' disse ele. 'Basta resolver tudo com ele e mantê-lo confidencial. Não diga nada a ninguém.'

Sorri quando ouvi isso. Algumas coisas nunca mudam.

'Estou muito orgulhoso de você' eu disse. 'Eu te amo'.

'Eu também te amo' disse ele. 'E agora eu tenho que ir. Estamos indo no ensaio, agora.'

Seria um pequeno passo para mim e Michael em nossa jornada para a reconciliação, e para toda a amargura e conflitos dos últimos anos, eu sabia como as coisas poderiam ser grandes. Era a sua última série de shows, e eu queria ser uma parte dela.

Eu estava na Itália, em espera, esperando e esperando para ir para Londres, quando Michael morreu em 25 de junho de 2009. Tinha sido há dez anos, para o dia e a noite do concerto de Michael Jackson & Friends, em Seul. Dez anos exatamente, desde a noite eu comecei a trabalhar com Michael.

Em Castelbuono, após escutar a notícia da morte de Michael no meu celular, eu andava para cima e para baixo pelas ruas de paralelepípedos, por alguns minutos, enquanto um amigo dirigia meu carro para casa e meu primo Dario esperava ao lado de seu carro, deixando-me processar meu estado de choque e tristeza.

Eu estava em um nevoeiro mental, e sentia como se o mundo estivesse girando em torno de mim. Memórias aleatórias surgiam das profundezas e então, retornavam para elas. Breves momentos do passado, alguns felizes, outros tristes, alguns pequenos ou grandes, alguns de partir o coração ou engraçados, vinham e desapareciam.

Eu ainda estava nesse estado quando eu subi no carro de Dario. Parte de mim ainda espera que esta seja mais uma artimanha de Michael. Michael tinha um histórico de datas de concertos em falta. Ele encerrou a Dangerous Tour cedo, é claro, e mais tarde ele cancelou os shows do Milênio.

Mas eu estava pensando particularmente em um tempo em 1995, quando eu tinha quinze anos. Michael deveria se apresentar em um especial para a HBO, e eu estava ansioso para ir ao show. Mas uma semana antes do especial, ele disse:

'Frank, eu tenho que lhe dizer algo. O show não vai acontecer.'

Um conselheiro espiritual tinha dito isso a ele. Na verdade, pouco antes do show, ele entrou em colapso no ensaio. O show foi cancelado. Agora, eu não poderia ajudar na esperança de que isso fosse algum tipo de esquema elaborado, para sair dos concertos.

Como o meu primo me levou para casa, liguei para minha família de volta aos Estados Unidos. Todo mundo estava chorando, mas ninguém podia acreditar que Michael tinha partido. Sua morte era surreal. Eu até falei com meu irmão Eddie, as nossas diferenças se dissolveram nas lágrimas da tragédia.

Não havia palavra que qualquer um de nós poderia encontrar, um para o outro. Fiquei ali sentado, junto ao telefone com minha família, tentando fazer sentido de tudo, quando um deles me informou que Michael tinha morrido de uma overdose de medicamentos.

Quando ele estava em nossa casa em Nova Jersey, eu sabia que ele não estava em nada (ele não queria nem tocar em vinho) por isso, a notícia veio como uma surpresa para mim. Mas no momento de sua morte, ele tinha estado sob pressão para se apresentar, fazendo desencadear seus problemas no passado.

Tantas vezes Michael tinha me dito que ele iria 'morrer de um tiro'. Essa foi sempre a expressão que ele usava, e sempre que ele dizia isso, eu pensava que, inevitavelmente, seria de um tiro, mas no final, ele foi morto por um tipo diferente de tiro.

Para mim, a maior diferença entre ser baleado e morrer de uma injeção era que a última envolvia uma escolha, uma decisão consciente. Michael tinha chamado os médicos e lhes pedido uma injeção em inúmeras ocasiões. Ele sempre teve a opção de parar este tipo de tiro. Naquele momento, tudo parecia um desperdício para mim.

E ainda assim, eu sabia que era muito fácil culpar Michael por trazer isso em si mesmo e, mais ainda, que era injusto. A dor e o sofrimento em Michael eram reais e profundos. Sim, havia maneiras mais seguras para ele para aliviar a dor, e ele tentou muitas delas.

Seus estudos, sua meditação, sua composição e execução, seus esforços humanitários, sua criação e usufruto de Neverland, e, acima de tudo, seus filhos eram todos os esforços para diminuir a dor, e, no caso de seus filhos, para transcendê-lo com um amor que significava mais para ele do que todas as outras atividades, juntas.

Mas no final, a angústia física e mental prevaleceram, e Michael morreu em sua busca incessante para alcançar alguma paz interior. Certamente, ele não estava planejando morrer. Ele amava cada momento que passava a elevar suas crianças, e estava longe de concluir a criação de sua família.

Ele queria mais filhos. Além disso, Prince, Paris e Blanket tinha um monte para crescer, e ele previa, partilhando todos os marcos que marcariam os seus futuros.

'Frank...' ele dizia '...você pode imaginar quando Prince tiver idade suficiente e pudermos tomar um copo de vinho com ele e conversar?'

Ele também falava sobre Paris encontrar o seu futuro marido e ter certeza que ele era o homem certo para ela. Ele brincava com seus filhos, dizendo: 'Cada um de vocês vai me dar dez netos.'

Não havia meios de Michael ter deixado deliberadamente seus filhos para trás. Ele até imaginou conhecer seus bisnetos. Quando chegou à família, ele estava pensando a longo prazo para ambos. Ele dizia: 'Frank, eu mal posso esperar para contar aos seus filhos as histórias sobre você.'

Nos dias após sua morte, minha raiva virou-se para as pessoas ao seu redor. 'Onde eles estavam?' Eu me perguntava. 'Por que eles não se certificaram de que isso não iria acontecer?' Alguém devia tê-lo protegido. Eu deveria tê-lo protegido. Mas eu nunca imaginei que algo assim iria acontecer.

Como eu não posso parar de repetir, a última vez que eu tinha visto Michael estava em Nova Jersey, e apesar de quase dois anos terem se passado, desde então, ele estava completamente limpo - nem álcool. Seu foco inteiro tinha sido em voltar a trabalhar.

Lembrei-me de uma conversa que tive com Frank DiLeo, apenas um mês ou dois antes, durante a qual ele disse:

'Nós temos que ter certeza que ele está se alimentando melhor. Ele está muito magro.'

Mas ele também me disse que Michael estava se apresentando bem, que ele tinha muita energia, e que o show seria incrível:

'É impressionante' Frank exclamou: 'o que ele ainda pode fazer, aos cinqüenta anos. Nós devemos apenas manter esses médicos loucos longe, e tudo vai ficar ótimo.'

Então, eu soube que Frank estava lutando com os médicos, como eu estive. Claro que eu tinha minhas suspeitas sobre os perigos dos medicamentos que Michael estava usando, e eu sabia desde o anestesista que tinha estado tão próximo de mim, em Nova York, que o propofol era seguro, se a dose fosse devidamente monitorada.

Os médicos vistos com Michael sempre foram especialistas, peritos em seus campos. Mas Conrad Murray, o médico que administrou o propofol que matou Michael, não era um anestesista, ele era um cardiologista.

Nunca me ocorreu que ninguém menos que um perito administraria o medicamento e esta crença dissipava quaisquer medos que eu tinha sobre os riscos que Michael pudesse correr.

Ele era uma pessoa com um distúrbio grave do sono, que tinha sido levado pelo caminho médico errado. O propofol não era um caminho seguro para encontrar o sono, mas era a única solução Michael tinha encontrado.

Conhecendo-o como eu o fiz, posso dizer com confiança que a noite em que morreu, tudo o que ele queria era estar 'novo em folha' para o ensaio no dia seguinte.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 15:21



.
My Friend Michael (57)

'Meu irmão Eddie voou diretamente para Los Angeles, para apoiar os filhos de Michael e famíliares. Randy, um dos mais próximos irmãos de Michael, sempre evitou política, e agora ele estava tomando a liderança novamente na família Jackson, graciosamente e de forma eficiente, supervisionando os detalhes.

Uma semana e meia depois, voei para Los Angeles, também. O memorial foi realizado em 7 de julho, no Staples Center, onde Michael estava ensaiando para seus shows. Em alguns aspectos, o funeral era apenas mais um grande show, e isso não deveria ter me surpreendido, pois tudo na vida de Michael tinha sido um espetáculo.

A intimidade era impossível em tal existência. Muitas das pessoas que estavam presentes no funeral verdadeiramente lamentavam a morte de Michael, mas havia outras pessoas para quem o evento era comparável a assistir o Oscar. Mas eu sei que Michael teria adorado ter a cada um, como parte dele.

Ele estava acostumado a multidões. E todos aqueles rostos eram um lembrete de como ele reunia as pessoas e tocava tantas vidas. Todos nós nos juntamos em uma sala. Por mais que eu quisesse dizer adeus como um amigo próximo, percebi que Michael pertencia a todos.

Havia muitos rostos conhecidos, Rodney Jerkins, Frank DiLeo, Karen Smith, Michael Bush, e claro, os seus familiares. Abracei-os e vi em seus olhos os mesmos sentimentos de choque e perda que eu sentia. Também estava presente Karen Faye - Turkle - sua maquiadora. Quando eu a vi, eu a abracei e nós dois choramos.

Michael amava você, Frank' ela chorou. 'Você foi como um filho para ele. Ele o amava, ele amava você.'

'Karen, ele amava você, também' eu soluçava de volta.

A família de Michael sempre tinha estado lá, para ele. Independentemente das diferenças que possam ter tido, sempre esteve unida quando um deles precisava de ajuda, e agora eles estavam unidos em sua dor. Eu dei um abraço em Jackie, assim como em Janet, Tito, e seus filhos. Eu não tinha visto seus filhos por um tempo.

'Sinto muito...' eu lhes disse. 'Quando as coisas se acalmarem, eu realmente adoraria conversar com vocês.' Eles eram pessoas boas. Eu olhei para eles como uma criança.

Todo mundo parecia um pouco confuso. Foi tão difícil de acreditar que isto estava acontecendo. Katherine, mãe de Michael, estava mantendo todos juntos, especialmente para as crianças, mas nada poderia mudar o fato de que a pessoa que estava sendo enterrada era seu próprio filho. Ainda assim, até hoje, ela não tem sido capaz de visitar seu túmulo no cemitério Forest Lawn Memorial Park. É muito difícil.

O serviço (do memorial) havia começado, e para minha surpresa, quando o reverendo Al Sharpton se levantou para falar, eu me encontrei profundamente tocado por suas palavras. Ele falou sobre como Michael tinha servido como uma força para unir as pessoas no mundo inteiro, sobre ele não ter aceitado limitações, e nunca ter desistido. Foi um discurso edificante.

(nota do blog: vc pode ver o belíssimo discurso de Al Sharpton clicando aqui)

Enquanto ouvia as palavras do reverendo, eu ouvi algo da própria mensagem de Michael, e eu senti seu espírito radiante encher o estádio muito grande. Eu acredito que existe outro mundo depois deste - se você quiser chamá-lo de Céu ou qualquer outra coisa - e eu acredito que a energia de Michael e a sua presença eram tão poderosas que ele ainda tem uma presença, tanto aqui na Terra como no outro mundo, onde quer que seja.

Lembro-me de uma noite de inverno, em Manhattan, logo depois que eu comecei a trabalhar para Michael, quando, perto da meia-noite, tivemos o desejo de descer e ir para a Times Square. Sem seguranças, saímos do hotel e pegamos um táxi.

Na época, a Virgin Megastore ainda existia. Ficava aberta até tarde, então fomos lá. Fora da loja, percebemos um idoso. Ele tinha uma folha de alumínio no rosto e um chapéu fedora na cabeça, e ele estava dançando com grande vigor. Ele deve ter sido oitenta anos de idade, mas ele estava dançando como um homem muito mais jovem.

Michael, que estava vestindo apenas roupas de inverno - sem nenhum disfarce bobo - foi até ele para conseguir um olhar mais atento. Então, ele colocou vinte dólares na caixa de papelão, na ponta na calçada. O velho olhou para baixo, viu o dinheiro e começou a dançar com um extra em sua etapa.

Foi um daqueles momentos - não havia muitos deles - mas parte do que tornou especial foi que o taxista não tinha ideia que era Michael Jackson quem estava sentado no banco traseiro do seu táxi, e o senhor que dançava não desconfiava de que muitos elementos de seus movimentos foram inspirados pelo homem que lhe deixou vinte dólares.

Caminhamos pelas ruas de Times Square, apenas nós dois, e Michael viveu um momento raro de estar no mundo sem ter que lidar com uma multidão frenética. Ele era apenas um ser humano, dando um passeio, e seu amigo estava ao lado dele. A noite era nossa.

Eu já tinha visto muitos shows, e agora o showman Michael tinha partido, uma grande perda para tantas pessoas. Eu sentiria falta do artista Michael, o músico Michael, mas mais do que qualquer coisa, eu iria perder a pessoa Michael, o professor, o amigo, o membro da família.

Eu perdi e me lembrei daquele momento na Times Square, e infinitos pequenos momentos que eu queria preservar para sempre. Essa foi a minha perda real. O funeral não foi o encerramento para mim, o que quer que as pessoas queiram dizer quando falam em encerramento, de qualquer maneira. Tudo que sei é que o tempo passa, e não temos outra escolha senão viver.

À medida que o serviço chegava ao fim, Jermaine cantou a música de Michael, Smile. Ele tinha escolhido bem: Michael amava essa canção. Após a cerimônia, nos dirigimos do Staples Center para o hotel Beverly Wilshire, para uma cerimônia privada.

Paris, Prince e Blanket estavam ansiosos para ver minha família. Eles estavam em uma seção isolada VIP da sala, e logo que Prince nos viu, exclamou: 'Os Cascios estão aqui.'

Corremos para a frente a dar-lhes abraços, mas a segurança rapidamente avançou para bloquear o nosso caminho. 'Deixe-os passar' disse Prince.' Eles são como nossa família.'

Quantas vezes eu posso dizer que filhos de Michael sempre foram sua prioridade? Não importava onde estivesse ou o que estivesse fazendo, as crianças sempre tiveram acesso a ele, e eles sabiam disso. Se ele estivesse em uma reunião e um dos filhos precisava dele para alguma coisa, ele parava tudo, atendia a criança, e depois voltava.

Se eles fizessem um alarido sobre ir dormir, ele ficava com eles, conversava com eles, explicando por que eles tinham que ir dormir e o que ele estava fazendo ou onde ele estaria. Ele os acalmava se eles ficassem chateados. Nunca entregava uma criança chorando para Grace ou uma babá.

Ele sempre teve a paciência de ficar com seus filhos até que eles estivessem calmos. Ele sempre teve esse tempo, não importava o quanto isso pudesse atrasá-lo para um compromisso. Ele nunca se irritava ou se frustrava. Sua paciência era infinita, e o resultado foi que seus filhos eram fundamentados, seguros e abertos para o mundo.

Mas agora, em sua maior hora de necessidade, quando ele queria mais do que qualquer coisa acalmá-los e tranquilizá-los, ele não estava lá, e não havia muito que minha família poderia dizer para confortá-los. Nós apenas partilhamos a nossa dor. Neste momento, como sempre na vida de Michael, seus filhos vieram em primeiro.

Mais tarde, eu descobri que a sua mãe, Debbie, estava pensando a mesma coisa. Marc Schaffel tinha arranjado bilhetes para Debbie, ele estava indo para acompanhá-la, mas na noite anterior, no Hotel Westin perto do Staples Center, eles tiveram uma longa conversa sobre se ela deveria ou não, participar.

Assim como ela queria prestar sua última homenagem, Debbie não queria ser uma distração para qualquer um. Então, colocando seu próprio sofrimento de lado por causa do decoro, ela retornou calmamente para sua fazenda.

Após o velório, minha família e eu fomos a uma sala privada. As crianças ficaram em um elevador, e rapidamente se encheram de pessoas que se encontravam na frente de nós. Queríamos estar com as crianças, mas também não queríamos ser presunçosos.

'Queremos que os Cascios fiquem com a gente' Prince chamou. Então, todo mundo saiu do elevador e fomos com eles. Eles estavam sendo muito fortes, mas a tristeza em seus olhos era desoladora.

Mais tarde, naquele dia, minha família voltou para a propriedade de Katherine Jackson, em Hayvenhurst, para passar algum tempo com a família Jackson. Em um ponto, enquanto eu estava conversando com Paris, ela disse: 'Papai me disse sobre todas as coisas loucas que vocês costumavam fazer juntos.'

Michael tinha dito a ela sobre a nossa viagem para a Escócia, o fantasma, o hotel assustador. Conversando com a filha de Michael, eu sabia que não importava o que tivesse acontecido entre mim e Michael, se ele tinha conversado com seus filhos sobre isso, então nosso passado claramente significava tanto para ele quanto significava para mim. Ele nunca esqueceu essa viagem, e nem eu.

A relação de Michael com sua família tinha sido complicada, e algumas das lutas de poder que sempre fizeram parte de seu mundo ainda estavam sendo travadas no momento de sua morte.

Jermaine disse à imprensa que ele era a 'espinha dorsal'. No dia depois de sua morte, o pai de Michael, Joe, iria aparecer em uma premiação, promovendo sua nova gravadora. Seus irmãos - Jackie, Tito, Jermaine, Marlon - citaram episódios de um reality show.

É verdade, o show já estava em andamento, mas a impressão desses eventos, talvez injustamente, era que a família estava capitalizando sobre os holofotes que a morte de Michael tinha jogado sobre eles.

No Natal seguinte, Prince, Paris e Blanket vieram à nossa casa em Nova Jersey. Eles sempre passaram o Natal conosco, seja em Neverland ou em Nova Jersey. Isso é o que eles estavam acostumados a fazer, e sua avó Katherine, queria certificar-se de manter as tradições, para que as vidas das crianças não ficassem mais perturbadas do que tinham ficado, pela perda de seu pai.

Era exatamente o que Michael queria. TJ, o sobrinho de Michael, Grace, a babá e Omer Bhatti vieram juntos com eles. Para o Natal, minha mãe preparou o jantar tradicional completo, com peru e todos os pratos que conhecíamos que eram os favoritos de Michael.

Nós tentamos nos divertir, relaxar, ler livros, assistir filmes e jogar videogames. Mas foi um Natal difícil para todos nós. A pessoa que tinha unido a todos nós, não estava lá. Michael sempre tinha brincado de Papai Noel, sempre forneceu a energia para conduzir todo o evento.

Ele era o único que permanecia sob a árvore, entregando os presentes. Ele era o espírito dos nossos Natais. Agora minha mãe assumiu a liderança, como ela tendia a fazer em nossa família.

Durante as noites de férias em Nova Jersey, eu tinha um monte de sonhos sobre Michael. Eu falava com ele nesses sonhos. Nós relembrávamos. Dizia a ele que o amava, e vice-versa. Sentia sua presença, e eu sei que eu não era o único.

Várias pessoas relataram ter avistado Michael andando pelos corredores de nossa casa. Minha mãe não acredita em fenômenos sobrenaturais, mas tarde da noite, ela estava na cozinha lavando a louça, quando Michael passou por ela e disse: 'Oi, Connie.'

Eddie e eu éramos irmãos, e crescendo, nós tínhamos sido melhores amigos. Eu tinha brigado com ele assim como eu tinha brigado com Michael, mas enquanto Michael e eu tínhamos feito a nossa paz muito antes, Eddie e eu não tínhamos.

Eu não poderia culpar meu irmão por tentar fazer tudo o que podia para defender e proteger Michael. Como se eu não tivesse sempre tentado fazer o mesmo? Eu tinha estado sempre pronto para falar de nossas diferenças, mas tal nunca aconteceu de algum modo, e então, um dia, Eddie teve uma experiência de abrir os olhos.

Eddie, como eu, teria feito qualquer coisa para Michael. Ele era profundamente leal. Mas após a morte de Michael, John McClain e alguns membros da família Jackson começaram a lhe telefonar, e Eddie se viu diante de acusações tão absurdas quanto as que foram feitas a mim e que, devo repetir, Eddie tinha acreditado.

Ocorreu com o meu irmão exatamente o que eu tinha passado, e com esse fato, era finalmente hora de falar as coisas. Eddie disse que ele e Michael pensavam que eu o havia traído quando souberam que eu não iria depor. Michael havia duvidado da qualidade que eu pensei que nos uniria para sempre: minha lealdade. Eddie, em sua própria lealdade a Michael, tinha duvidado de mim, ao lado dele.

Expliquei para Eddie como a falsa acusação me acompanhou e como exatamente as coisas tinham acontecido, e agora, finalmente, com sua própria experiência das criaturas malignas que nadavam nas águas da organização de Michael, ele acreditou em mim.

Perguntei a Eddie o que me assombrava: 'Quem disse a Michael que eu não queria testemunhar em seu nome?'

E ele não soube responder. Portanto, parece que eu nunca vou saber a resposta, e eu tenho que saber se a pessoa não era outra, senão o próprio Michael ... Michael que, com suas dúvidas paralisantes, algumas justificadas, outras não, com sua desconfiança, foi obrigado a acreditar que ninguém, nem mesmo a pessoa que estivesse mais próxima a ele, poderia ser confiável.

Nós conversamos sobre o que Eddie estava passando em suas transações com os bens de Michael. Ele e Michael gravaram doze canções juntos, três das quais a Sony e a propriedade tinham escolhido para o álbum póstumo de Michael.

Mas Eddie não compreendia as políticas baixas e sujas que envolviam as empresas de Michael. Algumas pessoas lançaram dúvidas sobre a autenticidade das músicas que Michael gravou com Eddie. Os Cascios estavam tentando lucrar com Michael.

Eu conhecia as pessoas envolvidas e tinha alguma ideia de como navegar através destes cardumes, a fim de ajudar Eddie a resolver seus problemas. Só agora o meu irmão começava a ver o quanto era complexo o mundo de Michael e quão rapidamente aqueles que viviam nele, poderiam se transformar em um deles.

Eddie e eu conversamos por um bom tempo. No final, ele entendeu pelo que eu tinha passado e sobre como eu me sentia em ver minhas intenções mal interpretadas. E eu finalmente reconheci de onde meu irmão estava vindo. Deveríamos ter conversado muito mais cedo.

A vida é curta demais para ter problemas não resolvidos com pessoas que você ama verdadeiramente. Meu irmão tinha um bebê recém-nascido chamado Victoria Michael, o primeiro neto em nossa família. Eu a amava e estava ansioso para ser seu tio, e Eddie me queria em sua vida.

Como um novo pai, talvez ele estivesse vendo a nossa relação sob uma nova luz, percebendo que ele gostaria que seus próprios filhos se dessem bem. Tanto Eddie quanto eu tínhamos amado Michael, e nós dois tínhamos um forte vínculo com ele.

Nós tínhamos partilhado isto por muitos anos como crianças, e nós não o teríamos entre nós, como adultos. Michael tinha ido embora. Nossos corações estavam partidos. Mas não havia realmente nada para lutar.

Nestes dias, meu irmão e eu estamos tão próximos como nós sempre fomos, ainda mais perto por ter percebido o quanto nós compartilhamos. Nós dois estamos felizes em sermos irmãos, de novo.'

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Convidad em Qua 18 Jul 2012 - 15:24



.
My Friend Michael (final)

'No primeiro aniversário da morte de Michael, um encontro comemorativo foi realizado em seu local de enterro. Família, amigos, fãs e foi para o seu mausoléu no cemitério Forest Lawn. Lá fora, as multidões se reuniram, mas dentro do próprio mausoléu havia apenas algumas pessoas: Randy, Janet, Jermaine, Marlon, e alguns primos de Michael.

Um pastor falou, e Auggie, um sobrinho de Michael, disse algumas palavras para lembrar o seu tio que eram ao mesmo tempo, poderosas e bem ditas. Eles deixaram a todos, impressionados e comovidos. Quando a cerimônia acabou, eu passei à frente.

Havia um túmulo na superfície, e ainda por cima uma grande coroa de ouro. Inclinei-me, como eu tinha visto os outros fazerem, e lá eu vi um compartimento cheio de chiclete Bazooka. Eu sorri para comigo mesmo. Foi um toque agradável. Michael adorava essas coisas.

Eu disse uma oração para Michael e tirei um momento para falar com ele. Agradeci por tudo que ele tinha feito pela minha família e por tudo que ele tinha me dado. Prometi a ele que eu faria tudo ao meu alcance para preservar seu legado, como ele queria.

'Obrigado', eu disse em silêncio, 'pela maior aventura que alguém poderia dar a outro alguém. Obrigado por abrir meus olhos para um mundo inteiro que, se não fosse por você, eu não teria tido a oportunidade de experimentar. Obrigado pelas lembranças que você deixou comigo. Eu fui verdadeiramente abençoado por ter você na minha vida. Eu te amo, e eu sinto sua falta.'

Mais tarde, as pessoas me disseram que quando eu me afastei do sepulcro, viram uma pétala branca caindo, flutuando para o chão. Não era um dia de vento, e mesmo se fosse, estávamos dentro de um edifício. Não havia janelas ou portas abertas. Eu quero acreditar que Michael me ouviu e que a pétala era a sua maneira de responder. Você nunca sabe.

Eu não tinha vivido uma vida normal. Quando meus amigos estavam festejando na faculdade, jogando beer pong e indo a bares, fui esculpindo uma vida em um mundo totalmente diferente. Ainda assim, porém, eu fui abençoado.

Além da minha família calorosa e amorosa, tive um professor, um pai, um irmão e um amigo que passou a ser muito talentoso, e por causa disso, ele vivia com o brilho de uma luz especialmente brilhante. Eu vi o mundo da perspectiva de um megastar, o de dentro para fora. Eu senti o brilho dos holofotes, e vi as sombras escuras que acenavam e apareciam para além deles.

Era uma vida de privilégio incomum e de acesso, mas ela veio com uma carga de isolamento e sigilo, também. Eu a viví primeiro como um menino, mas como eu cresci em um papel mais responsável, eu descobri as suas nuances e complexidades, boas e não tão boas, e os desafios e obstáculos que Michael teve que enfrentar e superar, a fim de nutrir e sustentar o seu trabalho e a sua arte.

De Michael eu aprendi a explorar o mundo através dos livros; através dele me foi dada a oportunidade de apreciar as diferentes pessoas, lugares, religiões e culturas do mundo. Eu me apaixonei pela música e pelo negócio de entretenimento. Acima de tudo, porém, eu descobri o valor e a beleza de um coração aberto.

Houve duras lições pessoais, também, o poder destrutivo da ganância e do impiedoso auto-interesse, as feridas dolorosas da traição, a luta para equilibrar o amor e a auto-preservação, o desafio de preservar uma amizade complicada e querida, em um ambiente ameaçador e competitivo.

Eu tinha passado a maior parte da minha vida, até agora, na esfera de Michael, mas se Deus quiser, eu tenho uma vida longa pela frente. Acredito que certas partes da vida são predeterminadas, que as coisas acontecem por uma razão, mas ao mesmo tempo, cabe a nós fazer mais do que nos é dado.

Eu vejo a minha amizade com Michael, e a riqueza de experiências que me ela trouxe, como lições importantes para o que eu estou destinado a fazer a seguir. Tenho a intenção de tomar posse do que eu aprendi e fazer bom uso disso, construindo meu próprio legado seja lá o que possa significar, a partir deste ponto.

Eu não levo nada que me foi dado, como certo. Para mim, para quem foi movido pela música de Michael, seu ser, ou ambos, sua mensagem era simples e ele disse que muitas vezes: é tudo por amor. Eu vivo por esse princípio.

Neverland, tanto quanto eu sei, está deserta. O zoológico está vazio. Os passeios do parque de diversões foram confiscados. As imagens do rancho que eu vi o mostram em um triste estado de abandono: o paisagismo, uma vez cuidadosamente preparado, hoje toma em alguns lugares e murcha em outros; o dossel por cima dos carros estão velhos e rasgados; as tendas caem por si mesmas.

O cirquinho que fazia parte do parque de diversões com a lona rasgada.

O carrossel sem os cavalinhos, se deteriorando

Quadra de tênis, jardins entre mato seco e árvores mortas

O forte Apache e a Aldeia indígena em ruínas. O rio que passava ao redor, secou.

O viveiro de animais exóticos, abandonado e com água suja.


O relógio floral parado. A grama ao redor seca e maltratada.
A casa principal, vazia por muito tempo, deve estar cheia de ar viciado e fantasmas. Um lugar que foi feito para a vida, o riso, e as crianças agora é uma lembrança mal-assombrada das brilhantes excentricidades de Michael.

A verdade é que eu não sinto falta do parque de diversões de Neverland, ou do jardim zoológico. Eu sinto falta das pequenas coisas: a maneira como toda a minha família se agrupava e caminhava com Michael e as crianças para as tendas, para o jantar.

O pequeno Prínce falando. Paris segurando (a mão) do seu pai, a garotinha do papai. Prince nos braços de Michael. Eu vejo isso tão claramente. O rebanho de pessoas agrupadas, andando nos trilhos do trem. A música tocando. O som da cachoeira. A risada de Michael. Seu chapéu fedora.

Mesmo que Michael e eu tivéssemos continuado, como tinha sido na época de sua morte, ou se tivéssemos feito a nossa paz e ido em direções diferentes, ou se trabalhássemos juntos novamente em seus shows, eu sei que teria compartilhado a nostalgia pelos nossos melhores anos juntos.

E eu sei que se ele tivesse vivido, teríamos circulado de volta, um de encontro ao outro, de novo e de novo ao longo dos anos, para retornar a essas memórias, para conversar, beber vinho e ouvir música bem juntos, até a velhice.

Em algumas noites em Neverland, Michael e eu gostávamos de pedir ao chefe para embalar-nos uma cesta de piquenique para a manhã seguinte. No início da madrugada, gostávamos de montar nas motos uns bons dez ou quinze minutos, para as montanhas.

Então nós espalhávamos os cobertores no chão, para o lanche, enquanto nós assistíamos o sol nascer. Estávamos ainda em sua propriedade, mas estávamos tão longe de tudo que não podíamos sequer ver a casa.

Era outro mundo, apaziguava a mente. Eu costumava ir até as montanhas o tempo todo, mesmo sem Michael, e conhecia todas as trilhas que levavam para fora da propriedade, todos os caminhos e atalhos secretos, ao longe, na parte de trás da propriedade.

Aquelas montanhas eram o nosso refúgio secreto, juntos e separadamente. Essas trilhas nas montanhas eram muito estreitas, por isso tínhamos que ter muito cuidado. Um movimento em falso, e teríamos caído em um penhasco.

Uma vez, Michael disse: 'Vamos, Frank, vamos subir a montanha.' Nós pulamos em nossas motos e fomos até um caminho que nunca tínhamos descoberto antes, em espiral até a montanha. De repente, a estrada ficou mais estreita e mais estreita, como a cauda de uma cobra, e desapareceu no nada. Michael, que estava à minha frente, parou sua moto a tempo, e eu parei atrás dele.

Ele olhou para mim. 'Cabeça-de-maçã, isso não é bom' disse ele. O caminho à frente tinha desaparecido. Havia um penhasco à nossa esquerda, uma parede da montanha à nossa direita, e não havia espaço para fazermos o retorno com nossas motos.

'Não se preocupe...' eu disse. 'Eu estou indo suavemente para trás.'

Eu coloquei minha moto em ponto morto e comecei a deslizar com cuidado, para trás. Foi assustador. Se eu olhasse para baixo, eu sabia, eu estava morto. Perigoso como era, porém, eu tenho que admitir que eu gosto de coisas assim, e assim o fez Michael. Nós conseguimos retornar em segurança, então sorrimos um para o outro, viramos nossas motos, e corremos de volta, montanha abaixo.

Cada dia, algo me faz lembrar da minha vida com Michael. Uma canção, um emblema da Disney, uma pessoa ingênua, que estivesse pronta para amadurecer. À noite, eu ainda sonho com ele, são sonhos sobre os velhos tempos. Nós estamos em turnê, em um evento, caminhando lado a lado, fazendo coisas que fizemos durante anos e poderíamos continuar a fazê-las durante anos, se tudo tivesse sido diferente.

Lamento a maneira que nossa relação sofreu durante e depois do julgamento. Eu desejei que a vida não tivesse ficado tão complicada, mas é o que a vida tende a fazer, particularmente uma vida que foi uma escalada de sucesso, em larga escala, como era a vida de Michael. Mas nós tínhamos feito a nossa paz.

Desde tenra idade, eu entendi que ser amigo de Michael significava ficar com ele em tempos bons e ruins. Eu nunca parei de me preocupar com ele, amá-lo e defendê-lo. Algum dia, eu gosto de pensar, nós vamos subir a montanha juntos novamente.'


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: @@ Trechos de "My Friend Michael de Frank Cascio by Cartas para Michael@@ @@

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 10:08


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 3 Anterior  1, 2, 3

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum