.:: Dangerous MJ ::.
Bem vindos a Dangerous MJ. Para visualização de alguns tópicos é necessário estar cadastrado. Não leva nem um minuto! Cadastre-se!

"Pecado do Nilo" [+16]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

"Pecado do Nilo" [+16]

Mensagem por Nai Jackson em Sex 4 Jul 2014 - 17:47

Olá meninas! Trago um pequeno conto de capítulo único para vocês. É baseado em Remember The Time, apesar de não ser completamente fiel ao clipe. Espero que gostem. Beijos!




"Pecado do Nilo"





Zaliki estava acomodada em seu suntuoso trono de ouro. O calor escaldante penetrava pelas paredes do palácio e servos aos seus pés a abanavam com plumagens, tentando, a todo custo, amenizar um pouco os efeitos que o clima quente e árido do deserto trazia consigo. Uma das escravas limpou um filete de suor da testa da rainha e outra continuou a lhe servir tâmaras na boca, vendo Zaliki mastigar com calma e paciência, com uma expressão de enfado estampada no belo rosto de traços bem marcados. O faraó Amenhotep estava ao seu lado no trono, observando-a, também sendo abanado e servido por meia dúzia de escravos.
- Estou entediada – ela disse em um suspiro pesado e virou-se para Amenhotep. – O que poderia o rei fazer para entreter sua rainha?
O faraó correu os olhos pelo rosto da esposa e abriu um pequeno sorriso. Era a mulher mais bela que já vira e nunca media esforços para agradá-la. Levantou os braços e bateu palmas, atraindo a atenção dos servos e dos soldados que guardavam a entrada do luxuoso salão real.
- Não ouviram vossa rainha? – o faraó bradou a plenos pulmões. – Vamos, movam-se! Tragam-lhe algo para que ela possa se ocupar! Agora!
O som de passadas apressadas e frenéticas ecoou pelo salão e apenas alguns minutos depois um homem calvo e encurvado foi anunciado diante do faraó e sua esposa. Ouviu-se o rufar de alguns tambores e ele postou-se sorrindo diante de sua majestade, tendo em mãos pequenas varetas de madeira marcadas com minúsculos hieróglifos.
A rainha levantou as sobrancelhas e observou o homem com atenção enquanto ele fazia uma sessão acrobática com as varetas que trouxera em mãos. Zaliki recostou-se no trono e revirou os olhos, dizendo para si mesma que a cabeça daquele homem pensaria bem melhor se estivesse separada do pescoço. Era muita audácia de sua parte apresentar um número tão bobo em frente do faraó e sua esposa. Fixou os olhos nele e, em apenas um sinal, mostrou aos guardas o que deveria ser feito com ele.









Dois guardas reais apressaram-se para agarrar os finos braços do homem e logo o levaram o para fora do salão. Zaliki arqueou novamente uma das sobrancelhas e observou o novo homem que se postara diante do trono, trazendo consigo duas estacas de madeira grossas e flamejantes.
- Apresento-lhes agora um dos maiores talentos do Nilo! – um dos servos anunciou com entusiasmo. - O incrível homem chama!
A rainha observou o homem levar as duas estacas à boca e, logo em seguida, cuspir uma labareda de fogo. Um belo truque, certamente, mas não o suficiente para deixá-la impressionada.
- Chega! Levem-no – ela murmurou e logo sua ordem foi obedecida. – Ísis esteja conosco! Isso é tudo o que vocês tem para me oferecer?
O som de passos ecou pelo salão real e um vulto coberto com uma longa capa negra caminhou até o trono e postou-se diante dele. A rainha inclinou-se para frente e Amenhotep encarou o recém chegado com um brilho de curiosidade no olhar.
- Mostre-nos o que sabe fazer – ordenou o faraó.
Todos voltaram os olhos atentos para a figura que surgira e o observaram enquanto o homem misterioso tirava um pó escuro de um bolso da capa e espalhava-o calmamente pelo chão.









Mas o que... – Amenhotep começou a dizer, com uma expressão interrogativa na face. Definitivamente, aquilo não era nem um pouco comum.
- Calado – censurou a rainha, redobrando a atenção e arqueando em conjunto as duas sobrancelhas.











O homem encaminhou os pés até o pó que derramara sobre o piso e, no absoluto silêncio, a túnica negra amoleceu e caiu sobre o chão, como se seu corpo houvesse se desintegrado e evaporado de dentro dela. 









Suspiros surpresos foram ouvidos em uníssono e o pó começou a se agitar, como se tivesse vida própria, fazendo o homem surgir novamente diante dos olhos surpresos que o fitavam, sem a túnica negra para cobri-lo desta vez.













Por Rá... – um dos servos sussurrou baixinho, de olhos arregalados, jogando-se no chão. – Que os deuses nos protejam. Os inimigos nos lançaram uma praga!
 
A rainha abaixou os olhos para o homem, com um suspiro contido, sabendo que aquele rosto que se materializara diante dela era mais belo que já tivera o prazer de ver em sua vida. Como ele fizera aquele truque?! Sem dúvida era um homem com talentos desconhecidos. Ele fixou os olhos escuros nela e abriu um sorriso, caminhando lentamente em sua direção. Não sentia medo, apenas curiosidade mesclada com algum outro sentimento que não conseguia identificar. Zaliki inclinou-se mais em seu trono, absolutamente surpresa e admirada, e o homem misterioso apontou um dos dedos em sua direção. Não era apreensão o que sentia, logo percebeu. O que sentia era desejo. Um desejo súbito de saber qualquer coisa a respeito daquele belo homem trajando preto e dourado que a encarava com firmeza de volta.


- Lembra-se de como isso tudo começou? – ele perguntou-lhe, dando mais alguns passos para frente, recolhendo sua mão e dando um beijo no dorso dela.
 
















As palavras do homem a fizeram levantar uma das sobrancelhas e morder levemente o lábio. Nunca o tinha visto antes, mas, de certa forma, ele lhe parecia familiar. Teve a nítida impressão de que já vira seu rosto... lembrava-se de seus traços esculpidos em algum lugar, ornamentados com ouro, mas não conseguia se lembrar onde nem quando. Revirou o cérebro a procura de alguma lembrança, mas nada mais foi capaz de encontrar. Sentiu o calor dos lábios do estranho ainda em sua pele e teve certeza de que, em algum outro momento, passara exatamente pela mesma experiência.


O faraó levantou-se do trono em um salto e apontou com pressa para o homem. Havia ficado subitamente paralisado quando o homem emergira do chão, observara-o tão surpreso que não conseguia mover sequer um único músculo. Precisou de certo esforço para ordenar que o capturassem.


- Peguem-no! – ele bradou para os guardas quando conseguiu formular a frase. – Ele é um feiticeiro, um enviado de Set! Detenham-no!


Antes que a rainha pudesse dizer algo, os guardas reais avançaram na direção do homem com lanças em punho, tentando a todo custo capturá-lo. Zaliki sabia que o faraó ordenaria que ceifassem a vida dojovem antes mesmo que ele pudesse se explicar. Ela levantou-se sobressaltada, disposta a se entrepor entre o homem e os guardas, e suspirou aliviada quando percebeu que, tão misteriosamente quando havia surgido, o homem sem nome havia desaparecido. Poderia mesmo ele ser um enviado de Seth, afinal de contas, a magia com certeza se fizera presente ali, mas, de certo modo, ele não lhe parecera nenhum pouco ameaçador. Os guardas precipitaram-se em direção à saída, procurando algum sinal do feiticeiro e o faraó analisou a rainha dos pés à cabeça, sem deixar de notar o quanto ela ficara perturbada com o episódio.


- Não se preocupe, minha lua-de-marfim – Amenhotep murmurou. – Irão encontrá-lo e em breve seu sangue estará matando a sede dos nossos leões.


Zaliki apertou os olhos diante da visão.


- Se o encontrarem, meu raio-de-Hórus, peço para que ele seja poupado. Tenho certeza de que há uma explicação para tudo o que acaba de acontecer aqui.


O faraó observou-a com cautela.


- O que me pede? – ele diz em tom de censura. – Que eu poupe a vida de um feiticeiro? Lamento, mas isto não lhe cabe decidir. Sei o coração bondoso que tens minha lua e, se assim preferir, posso ordenar que o matem sem dor.


- Não quero que o matem – ela repetiu.


- Não lhe cabe decidir – o faraó repetiu, com mais firmeza desta vez.


A rainha o fitou com fúria e, insatisfeita, afastou-se do trono e caminhou em passadas largas até os aposentos reais. Algumas escravas apressaram-se em acompanhá-la mas ela as censurou rapidamente. Queria ficar sozinha. Jogou-se na cama, contendo as lágrimas, e pediu aos deuses que o jovem sem nome conseguisse escapar. O que não daria para conhecê-lo melhor? Poderia oferecer muito ouro para que lhe trouxessem informações, mas de nada isso iria adiantar se Amenhotep colocasse as mãos nele.


- Pobre homem sem nome – ela murmurou com um nó na garganta. – Que os deuses protejam você.


Ouviu-se um farfalhar em um dos cantos do quarto e a rainha virou-se em sobressalto ao perceber que alguém a espreitava por entre uma cortina de contas. Saltou rapidamente da cama e arregalou os olhos quando deu de cara com o feiticeiro parado diante dela.


- Sou eu o homem sem nome? – ele perguntou com um pequeno sorriso. Ela ficou paralisada, sem nada dizer, mas em sua expressão havia uma afirmativa. – Permita-me que eu me apresente, majestade – murmurou e pegou outra vez sua mão; em uma intimidade que os súditos não deveriam se permitir. – Meu nome é Michael.













- Michael – ela repetiu, notando o quanto aquele nome era incomum. A única vez que ouvira aquele nome foi quando alguém lhe comentara a respeito de um faraó que governara centenas de anos antes de Amenhotep. Não poderia ser este mesmo homem, claro que não poderia. – O faraó deseja matá-lo. E certamente o fará se os guardas conseguirem capturá-lo.


Michael sorriu.


- São um bando de tolos – ele murmurou. – Os guardas e o faraó. Não irão me capturar. Tenho qualquer um deles na palma da mão.


A rainha o observou e mordiscou o lábio. Como ele ousava se mostrar tão confiante? Olhando-o de perto, percebeu ela, era ainda mais belo do que havia se mostrado minutos atrás, no salão real. Como ele entrara em seus aposentos? Ora, que pergunta tola! Certamente da mesma forma que desaparecera de dentro da túnica e ressurgira do chão.


- Conte-me mais sobre esse truque de mágica – ela murmurou.


Michael levantou uma das sobrancelhas.


- Truque?


- Sim, truque. O truque que você fez para chegar até aqui. Ensine-me.


Ele correu os olhos pela face de Zaliki e pareceu se divertir.


- Por que eu faria isso?


- Porque sou sua rainha – ela murmurou com firmeza. – Você me deve total obediência. Vamos. Ensine-me. Mostre-me como se faz.


Michael assentiu, com um pequeno sorriso nos lábios, e esticou as duas mãos com as palmas voltadas para cima.


- Faça isso, majestade – ele instruiu e Zaliki o fez. – Feche os punhos três vezes seguidas – murmurou e ambos fizeram o movimento. – Agora dê quatro pulinhos para cima...


Zaliki viu o tom de deboche em sua voz e logo percebeu que ele não estava falando sério. Estava a fazendo de boba e divertindo-se com isso!


- Por quem me toma?! – ela disse com uma ponta de irritação insinuando-se na voz. – Está me fazendo de tola, não está? Quanta audácia! Eu poderia ordenar que o atirassem aos leões ou que lhe lançassem no Nilo com uma pedra atada ao pescoço!


- Perdoe-me – Michael disse, ainda sorrindo. – Não me atrai a ideia de perder nosso tempo com truques. Tenho coisas mais interessantes para mostrá-la.


A rainha engoliu em seco, captando algo oculto por trás daquelas palavras. Sentia-se protegida ao lado daquele homem, por mais insensato que isso pudesse ser. E sentia-se atraída por ele de uma maneira para a qual não havia explicação.


- Contanto que você não me faça de tola outra vez... – ela murmurou, vendo-o se aproximar até parar a poucos centímetros de distância.


- Não farei – ele sussurrou ao seu ouvido e, lentamente, abaixou os lábios até seu pescoço. Zaliki arfou baixo e Michael acariciou sua pele com os lábios. Mordeu de leve o seu queixo e, em apenas alguns segundos, estava com a boca bem diante da dela.


- Beije-me – ela pediu com a voz fraca e Michael a enlaçou, aproximando por completo seus lábios. A boca dela se entreabriu e ele passou a explorá-la com a língua, mostrando para ela que aquele simples ato era muito melhor que qualquer truque de mágica. Ela sentia a cabeça zumbir, o calor tomar conta do seu corpo. Queria ter tudo que aquele homem pudesse lhe oferecer. – Eu quero ser sua – ela anunciou para ele, tomada pelo impulso irrefreado, com um fio descompassado de voz.













- Você já é, minha flor-de-lótus – Michael sussurrou ao seu ouvido e deu um leve beijo em sua nuca.


Zaliki pendeu a cabeça para trás e permitiu que as carícias continuassem, os lábios ávidos descendo por seu pescoço desta vez. Michael empurrou-a para a cama e retirou o adorno de ouro da sua cabeça, permitindo que os cabelos da rainha se desprendessem. Logo suas mãos encontraram as sedas que a cobriam e abriram lentamente sua roupa, revelando aos poucos o corpo quente para ele. Ela arqueou-se para trás e a boca dele encontrou seus mamilos, chupando-os e sugando-os enquanto os dedos massageavam com cuidado suas coxas. A boca dele continuou a descer indo cada vez mais ao sul, explorando seu corpo excitado com os lábios e a língua. A rainha gemia sob sua boca, pedindo que ele continuasse, contorcendo-se em um prazer que o faraó nunca lhe oferecera.


Todo o corpo de Zaliki pareceu vibrar e explodir com as carícias ousadas da boca de Michael. Ela gemeu seu nome repetidas vezes, tomada por um prazer intenso que jamais pensara existir. Ela via o desejo queimando nos olhos dele e sentia o quanto ele estava duro por sua causa. Entre beijos ela também o despiu, peça por peça, revelando com expectativa o corpo nu dele para si.


Tocou seu membro rijo e úmido, tomada por uma grande excitação, e ouvi-o gemer baixo em seu ouvido. Moveu suas mãos por ele, explorando-o com os dedos, enquanto ele não parava de beijá-la. Logo as mãos dele afastaram suas pernas e, com os olhos bem fixos em seu rosto, ele levou-se para dentro da rainha, movendo-se lentamente para que ela sentisse cada centímetro da sua espessura. Os gemidos ecoaram por todo o quarto e ambos se movimentaram com luxúria, extraindo o máximo daquele momento em que partilhavam o mais completo e puro prazer.


Agarrada nele, Zaliki foi levada ao ápice do prazer por incontáveis vezes e, quando o trouxe consigo, ele estremeceu violentamente contra seu corpo. Era uma loucura, uma completa loucura, mas ela nunca se sentira tão satisfeita em toda sua vida. O corpo dela parecia já conhecer o de Michael, sua mente parecia reconhecer cada reação. Quando terminaram se fazer amor, ele lhe disse que o destino de ambos já haviam se cruzado em outros tempos e, por mais que ela não se lembrasse, já haviam experimentado tudo aquilo antes. As explicações não vieram e, instigada com o tom de mistério, ela desistiu de perguntar. Que Rá a protegesse dali para frente. Estava condenada a amar e desejar aquele homem até seu último suspiro.


- Prometa-me que irá voltar – ela pediu enquanto ambos se vestiam. – Prometa-me que virá me ver outra vez.


Michael beijou seus lábios e assentiu.


- Prometo – disse e pôs-se de pé.


A rainha o observou e notou que ele estava com o olhar fixo na cortina de contas douradas que se erguia na entrada dos aposentos.


- O que há de errado? – ela perguntou.


– O faraó está vindo para cá – Michael respondeu. – E ele não está sozinho.


Zaliki não ouvira o barulho de passos mas, se Michael estava dizendo aquilo, era porque Amenhotep realmente estava a caminho. Ela levantou-se em um sobressalto, com o coração subitamente acelerado. Como ele iria sair dali?! O que aconteceria a Michael se o faraó conseguisse capturá-lo?


- Esconda-se! – ela disse com nítida preocupação. - Esconda-se, meu pecado-do-Nilo! – ela insistiu enquanto Michael depositava um último beijo em seus lábios e ficava ali, parado tranquilamente no meio do quarto. – Amenhotep servirá seu sangue e sua carne aos leões se você se deixar ser encontrado aqui!


- Não se preocupe, minha amada, os deuses estão comigo – ele disse lhe sorrindo. Levantou as sobrancelhas antes de acrescentar: - E nenhum homem pode morrer duas vezes.


Zaliki perguntou-se se ouvira as palavras direito e, ao perceber que sim, tentou entender o que Michael queria lhe dizer com aquilo. Ouviu o som de passos ecoarem pelo aposento e arregalou os olhos quando Amenhotep e uma dúzia de guardas reais com lanças em punho se depararam com o feiticeiro. 













Quando os guardas deixaram seu amante sem saída, cercando-o por todos os lados, ela preparou-se para jogar-se em sua frente e morrer por ele, se isso se fizesse necessário. Mas a rainha conteve-se, carregada de alívio e espanto, ao ver Michael abrir um sorriso satisfeito, o mais belo que ela já vira, e girar nos calcanhares, transformando-se em areia e sendo levado para fora com um simples balanço do vento.













_  FIM
avatar
Nai Jackson

Mensagens : 4095
Reputação : 339
Data de inscrição : 02/09/2010
Idade : 21
Localização : Bahia

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Pecado do Nilo" [+16]

Mensagem por Alê. Jackson em Dom 6 Jul 2014 - 14:47

Super Ameii !!! Very Happy  I love you 
avatar
Alê. Jackson

Mensagens : 24
Reputação : 4
Data de inscrição : 06/07/2014
Idade : 21
Localização : Recife-PE

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Pecado do Nilo" [+16]

Mensagem por Leninha em Qua 6 Ago 2014 - 19:35

   adaptação perfeita
avatar
Leninha

Mensagens : 1919
Reputação : 101
Data de inscrição : 14/09/2009
Localização : com o Michael

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Pecado do Nilo" [+16]

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum